10 fatos sobre Final Fantasy X que poucos conhecem

10 fatos sobre Final Fantasy X que poucos conhecem

Terminei, enfim, a versão HD Remaster de Final Fantasy X. Que grande jogo. Não poderia haver um melhor momento para trazer aqui curiosidades sobre o título, disponível no PS2, PS3, PS Vita, PS4 e, mais recentemente, PC (via Steam). Veja abaixo alguns fatos que poucos conhecem, afinal, é mais uma edição da nossa coluna Bastidores.

OBS: não tem nenhum spoiler significativo neste artigo, exceto pela menção aos nomes dos Aeons e por uma cena bizarra entre os protagonistas. Se considera isso um spoiler, fica o aviso.


A Buster Sword, de FF7, estaria de volta

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

Um dos pontos marcantes de Final Fantasy VII é a Buster Sword. A espada do protagonista Cloud Strife, no entanto, estava prevista para retornar em FFX. Alguns jogadores descobriram que o equipamento gigantesco está no código do game, como uma espada compatível apenas com Tidus. Não se sabe o motivo pelo qual a Square retirou a Buster da versão final, sendo necessário o uso de cheats (como o acessório Action Replay) para obtê-la.

Haveria um modo online

Já ouviu falar do PlayOnline? O serviço foi uma tentativa da Square de criar uma plataforma única para os seus jogos online, como Front Mission Online e EverQuest II. Final Fantasy X, no PS2, seria um dos primeiros games compatíveis. No entanto, os recursos online foram descartados no decorrer do desenvolvimento, pois o projeto já estava bem ambicioso. Tais funcionalidades foram migradas para Final Fantasy XI, o único game que ainda mantém o PlayOnline ativo em 2016 (em sua versão para PC).

A inspiração para o mundo de Spira

O designer de personagens Tetsuya Nomura revelou a inspiração para Spira. Segundo ele, o Japão, Tailândia e a região do Pacífico Sul determinaram a ambientação e a cultura do mundo de FFX, principalmente nas ilhas de Besaid e Kilika, presentes no início do jogo.

Uma longa jornada

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O script de Final Fantasy X é 10 vezes maior que a média dos filmes hollywoodianos. São tantas reviravoltas no enredo que até os dubladores se impressionaram. Matt Mckenzie e Hideo Ishikawa, as vozes de Auron nas edições americana e japonesa – respectivamente – ficaram “imensamente chocados” com o final daquele personagem, por exemplo.

Arrancando lágrimas

Em uma pesquisa feita pela revista Famitsu no Japão, divulgada em 2012, FFX foi eleito o jogo que mais emocionou os jogadores. De fato, o final é muito tocante. Mas não vou falar nada, vamos conter os spoilers… Se não jogou ainda, tá perdendo tempo!

Desafio adicional

As edições europeia e International do jogo no PS2, lançadas algum tempo após a norte-americana, trouxeram vários desafios adicionais, incluídos também no recente HD Remaster (PS3, Vita, PS4 e PC). O mais notável: todos os Aeons ganharam versões “Dark”, que surgem durante as side-quests no intuito de atrapalhar o jogador. De Dark Valefor até as Dark Magnus Sisters, é preciso ter paciência para derrotá-los (ou pagar muito pro Yojimbo)…

Teve cena virando meme

Em um momento do jogo, Tidus sugere a Yuna rir bem alto, como forma de motivá-la e esquecer os problemas. Foi algo bizarro (veja acima), que gerou piadas entre os jogadores. O site USGamer fez uma entrevista recente com três tradutores do game e ouviu a seguinte resposta:

Em um momento, conversei com o escritor Nojima-san sobre essa cena, e perguntei: “o que diabos é isso? o que devo dizer ao ator? Porque essa cena é bem incomum”. E o Nojima basicamente disse que ele estava praticando a ideia de rir forçadamente, e que isso inclusive era algo feito em aulas de atuação. Então, foi algo estranho, tanto na versão em inglês quanto em japonês. Não foi algo relacionado à tradução.

O retorno dos Summons

Summons, Eidolons, Espers… Embora tenham nomes diferentes no decorrer da série Final Fantasy, todos eram formas de invocar “entidades” para auxílio nas batalhas. Em FFX, eles se chamam Aeons e podem ser controlados pelo jogador, sendo invocados por Yuna. Vários deles aparecem em outros jogos da série, exceto por Valefor (o Aeon preferido de Yuna) e os 3 secretos. Em outras palavras, você verá aqui os clássicos Ifrit, Ixion, Shiva e Bahamut.

Teve, pela primeira vez, uma continuação direta

Até então, todos os Final Fantasy da série principal eram independentes. Mas o sucesso de X foi tão grande que veio Final Fantasy X-2 em 2003, a primeira continuação direta em formato jogável. Embora não tenha vendido tanto quanto X, a sequência X-2 também foi um sucesso de crítica, sendo incluído nos relançamentos recentes em HD.

Tentou-se criar um elo com FF7

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

Os produtores do jogo tentaram criar conexões com o universo de Final Fantasy VII, mas só conseguiram implementar em X-2, quando Shinra e Rin discutem o potencial do Farplane como uma fonte de energia. O primeiro afirma que a possibilidade de refinar tal energia de forma segura só poderia ser feita “muitas gerações após”. Foi daí que viria a origem da Shinra Electric Power Company de FF7, viabilizada através da viagem espacial.