Análise: Super Mario Maker, o game sem fim

Para comemorar os 30 anos do primeiro Super Mario Bros., a Nintendo resolveu ousar. Enquanto se fala tanto de títulos de criação, devido ao sucesso de Minecraft, a empresa japonesa – conhecida por ser bem conservadora – incorporou a ideia em sua mais famosa franquia. Em Super Mario Maker, para Wii U, cabe aos jogadores criarem as fases, usando mecânicas e visuais de New Super Mario Bros. U, Super Mario World, Super Mario Bros. 3 e o Super Mario Bros. original. Após alguns dias jogando o lançamento, o BitBlog preparou uma análise. Confira.

Um jogo sem fim

Ao iniciar o game, me deparei com duas modalidades: “Make” e “Play”. Mais simples e intuitivo, impossível. A primeira delas vai direto para o editor de fases, onde é possível alternar o modo/motor gráfico entre os quatro títulos do bigodudo citados acima. No início, são disponibilizados apenas dois deles – Super Mario Bros. e New Super Mario Bros. U. Apesar de boa parte dos inimigos, itens e obstáculos não mudarem de um para o outro, há particularidades. Por exemplo: ao usar o Super Mario Bros. original, há um cogumelo especial que, ao ser alcançado por Mario, transforma-o em um herói diferente, que pode ser desde Sonic até Link, passando por Samus e Pikachu (só para citar alguns). Os bonequinhos amiibo habilitam seus respectivos personagens no game, mas não são a única forma de ampliar as opções disponíveis. Passar algum tempo criando estágios – além de jogar níveis criados por outras pessoas – são ações que ampliam a lista, além de destravar novos itens, inimigos e obstáculos.

Editor de fases é intuitivo e permite a rápida criação de conteúdo

Após concluir a construção de um nível, é possível carregá-lo na rede Nintendo Network, para que outros jogadores baixem. É aí que está um dos pontos mais fortes de Super Mario Maker: as interações entre pessoas. O título está completamente integrado à rede social do Wii U, o Miiverse. Se eu jogar o estágio de alguém, por exemplo, e gostar, posso favoritá-la, além de deixar comentários ou desenhos (feitos através da tela de toque do Gamepad) em determinados pontos. Em fases bem desafiadoras que joguei (pra não dizer impossíveis), vi várias armadilhas acompanhadas por posts da comunidade, que aparecem ao fundo. De lamentações até comentários bem-humorados, é difícil não achar graça da mensagem de alguém. Obviamente, este recurso só funciona quando o console está conectado à internet, com um usuário válido da Nintendo Network.

É possível visualizar os níveis mais “favoritados” da semana, junto com várias estatísticas

A opção “Play” traz as criações da comunidade (“Courses”), perfis dos criadores (“Makers”) e o modo 100-Mario Challenge, onde fases aleatórias são selecionadas com base em uma dificuldade. Com tanta novidade o tempo todo, esta última modalidade é praticamente jogar um novo Mario, sempre que você quiser, sem fim. Cem vidas são fornecidas para encarar o desafio. Pode parecer muito, mas dependendo da dificuldade, acredite: você vai precisar delas.


Visual: 4 / 5

Por se tratar de um jogo com foco na criação de conteúdo, não espere um visual diferente da franquia Mario. Obviamente, os níveis construídos com a cara do New Super Mario Bros. U podem chamar mais atenção neste aspecto, já que se adaptam melhor à alta definição (HD), com efeitos vivos, bonitos e fluidos.

Imersão: 4 / 5

Super Mario Maker não se trata de uma experiência revolucionária em termos de jogabilidade. É algo que cumpre muito bem o que se propõe. Desta forma, a velha fórmula do bigodudo da Nintendo funciona mais uma vez, apelando para a nostalgia.

Som: 4.5 / 5

Exceto pelas faixas da tela título, da criação de níveis ou dos demais menus, as trilhas que são ouvidas no jogo são as mesmas da franquia. Ouvir novamente a música-tema dos estágios de Super Mario World, ou até mesmo a trilha subterrânea do Super Mario Bros. original, foram momentos que – particularmente – me animaram bastante.

Replay: 5 / 5

Este é o ponto forte do jogo. Fazia tempo que não encontrava algo tão viciante nos videogames. Cada partida é uma experiência diferente, já que são praticamente infinitas as fases e ideias.


Sonic em Super Mario MakerSonic em uma fase de Mario? Sim, esse dia chegou

Super Mario Maker não tem exatamente modo multiplayer, com 2 ou mais pessoas jogando juntas. Talvez este seja o único ponto negativo que eu tenha encontrado. Todo o resto, no entanto, já é suficiente pra considerá-lo um grande game, talvez um dos melhores de 2015. Com a Nintendo já divulgando que vai lançar mais conteúdo via DLC (aposto em visuais Paper Mario e Super Mario Bros. 2), não tem o que esperar. Este aqui é obrigatório para quem é fã de verdade de Mario.

Nota geral: ★★★★☆ (8.75/10)
Data de lançamento: 11 de setembro de 2015 (EUA)
Plataformas: Wii U
Desenvolvedora: Nintendo
Publisher: Nintendo
Jogadores: 1