Análise: Toren, o primeiro jogo brasileiro "maduro" para PS4

Análise: Toren, o primeiro jogo “maduro” – feito no Brasil – para PS4

Toren - gameplay 2 O mercado de games brasileiro vem evoluindo nos últimos anos. Alguns têm feito barulho, inclusive, no exterior – é o caso de Chroma Squad, Boney the Runner e Knights of Pen and Paper. Entretanto, é perceptível que o público-alvo destes títulos é o casual. E as produções hardcore, com gráficos mais elaborados e narrativas mais complexas? Em um país onde a carga tributária ainda é enorme, com tanta pirataria e falta de incentivo, é difícil desenvolver um jogo mais maduro por aqui e ter retorno financeiro dele. O estúdio Swordtales, do Rio Grande do Sul, resolveu ir contra a tendência e lançou, em maio, Toren. O primeiro título maduro feito no Brasil a sair para o PlayStation 4 – e olhe que foram quatro anos de desenvolvimento. Falamos dele por aqui, mas estávamos devendo uma análise… E aqui está.


O jogador controla a Criança da Lua, cujo destino é subir uma misteriosa torre até o seu topo. No decorrer da jornada, através de sonhos, descobre-se que a mesma foi erguida devido à ambição de um poderoso mago que queria alcançar os céus. Entretanto, a construção causou uma mudança no posicionamento da Lua, comprometendo a existência humana. A protagonista deve chegar até o topo, sacrificando sua infância, para enfrentar um poderoso dragão e reestabelecer a ordem em seu mundo.

Visual

Toren

Com texturas em baixa resolução e quedas notáveis na taxa de frames, Toren pode causar espanto em um primeiro momento. No entanto, os efeitos de luz são fantásticos e a direção de arte é muito diferenciada. No conjunto da obra, o game é competente. É impossível não compará-lo a Ico ou Shadow of Colossus, que foram referências para a equipe de desenvolvimento.

Avaliação visual: ★★★☆☆

Imersão

Para quem espera explosões e ação frenética, é melhor passar longe. Toren tem uma narrativa que se desenvolve de forma lenta no decorrer de suas 2,5 horas de campanha. No início, o enredo não empolga, o que em conjunto com a jogabilidade atrapalhada e alguns bugs podem comprometer a experiência. Após 1 hora de jogo, entretanto, o título cresce bastante e conquista seu espaço – principalmente durante as dungeons, claramente inspiradas em The Legend of Zelda.

Avaliação de imersão: ★★★☆☆

Som

O ponto alto do game. Trilhas que complementam bem a experiência, dignas de uma superprodução, do começo ao fim.

Avaliação sonora: ★★★★☆

Replay

Quando o jogador está finalmente envolvido a atmosfera com Toren, ele acaba. É como falei: em apenas 2,5h, com um final arrasador, a Criança da Lua cumpre seu destino. Não há modo multijogador, nem mesmo um item destravável que motive uma nova partida. Pelo menos no PS4 os troféus da PSN estão presentes, mas não são suficientes para motivar uma nova campanha.

Avaliação de replay: ★★☆☆☆


Toren - gameplay 3 Toren é um jogo com cara de superprodução. E é brasileiro. Ao mesmo tempo em que admiramos e parabenizamos a garra da Swordtales por trazer um produto de tão alta qualidade ao mundo, não podemos deixar isso influenciar nossa avaliação. De qualquer forma, a menos que você jogue exclusivamente simuladores de esporte e tiro em primeira pessoa, este é um título que vale a pena ser experimentado.

Nota geral: ★★★☆☆ (6/10)
Data de lançamento: 12 de maio de 2015
Plataformas: PlayStation 4 e PC
Desenvolvedora: Swordtales
Publisher: Versus Evil
Jogadores: 1