Após fiasco de Sonic Boom, estúdio quase fechou

Após fiasco de Sonic Boom, estúdio quase fechou

Em um post de meses atrás, critiquei duramente as franquias anuais de videogames. Entre os motivos, a pressa imposta aos estúdios, que entregavam jogos de qualquer jeito, com muitos defeitos e fora da visão original. Entre os exemplos, estava Sonic, que teve uma overdose de lançamentos nos últimos anos, culminando com o péssimo Sonic Boom: Rise of Lyric, do Wii U.

Em uma matéria especial sobre o mascote, produzida pelo site Polygon, o CEO do estúdio Big Red Button falou sobre o impacto do recente game em sua recém-inaugurada empresa. “A recepção dada a Rise of Lyric não foi forte como esperávamos. A indústria realmente te pune se você não tem um produto que vá bem. Quase fechamos nosso estúdio”, declarou Bob Rafei.

Sonic Boom - glitch de quedaAmy Rose em queda livre pelo cenário: um dos glitches de Sonic Boom: Rise of Lyric

“Percebi que Sonic tem um relacionamento muito complicado com seus fãs e o mercado. Muitas pessoas se veem associadas ao mascote porque o mesmo fez parte da infância. Após amadurecerem, elas têm sentimentos opostos sobre quem é o personagem”, afirmou o executivo, que acha que saiu demais da zona de conforto. “Tentamos fazer algo bem diferente, o que fez alguns se entusiasmarem e outros não”, complementou.

Sonic Boom - multiplos personagensMúltiplos heróis? Não, é mais um defeito, mesmo

A postura do executivo, sinceramente, me impressiona. Não vi, em nenhuma das recentes entrevistas da Big Red Button, um pedido de desculpas – ao contrário da Sega, que teve a humildade de reconhecer o fracasso. Antes que você pergunte se Rise of Lyric é tão ruim assim, eu me antecipo: é. Não consegui jogar mais do que 20 minutos, bateu logo uma dor de cabeça forte. O problema, na minha opinião, vai além do estilo visual bizarro: são dezenas de glitches que podem impedir o progresso, além da falta de criatividade nos puzzles. Punir relacionamento com os fãs é procurar uma saída mais fácil. Basta ver Mario e Rayman, dois mascotes que amadureceram sem perder o charme.

Perguntado sobre qual a direção que Sonic deveria tomar no futuro, o produtor se esquivou. “Não tenho autoridade para responder. Acho que cabe aos fãs e à indústria”. Bom, pelo menos já sabemos que o nosso ouriço favorito poderá ter um novo game em 2016.