Diego von Söhsten

Gamer desde os 2 anos, quando ganhou seu Master System e não conseguia tirar o Sonic do lugar. Hoje, é gerente de projetos PMP e CAPM e possui mestrado na área de TI, mas sempre consegue um tempo pra jogar algo. E-mail: dhvs@outlook.com

Call of Duty em terceira pessoa? Conheça Devil’s Brigade

Call of Duty é uma das franquias mais bem-sucedidas da história dos videogames. Após o lançamento de Modern Warfare em 2007, a série explodiu em termos de popularidade, determinando a saúde financeira da Activision. Para manter a frequência de lançamentos anual, a empresa reveza os projetos entre diferentes estúdios.

Para possibilitar lançamentos tão frequentes, sabe-se que existem inúmeros Call of Duty sendo feitos ao mesmo tempo, com muitos deles terminando cancelados. Um deles seria Devil’s Brigade, para Xbox 360, PS3 e Windows. Conheça um pouco do título em mais um post da coluna No Limbo.

Call of Duty “fora da caixa”

Soldado invade cidade italiana, com visão em terceira pessoa

Tudo parece tão calmo…

Conhecido na Activision por desenvolver jogos relacionados a BMX, além de Agressive Inline e X-Men: The Official Game, o estúdio interno Underground Development recebeu a difícil missão de trabalhar em um Call of Duty. O game seria uma espécie de “plano B”, caso a Infinity Ward não conseguisse entregar Modern Warfare para o final de 2007.

Usando (de forma clichê, mas enfim) a Segunda Guerra Mundial como tema, foi iniciado o desenvolvimento de Devil’s Brigade. Com combates táticos, muita exploração e esquadrões repletos de soldados americanos e canadenses, a primeira missão faria o jogador – em plena Itália – sair do esgoto, alcançando uma praia próxima ao Rio Tibre e então dominando uma cidade repleta por pontes.

A parte inicial do jogo levava 15 minutos e foi usada pela Activision para avaliar a viabilidade do projeto. Até mesmo movimentos de parkour eram possíveis! Orientações para o esquadrão seriam passadas a partir do direcional digital do joystick. Bastava um deslize e todos os colegas poderiam ser mortos. Em um ritmo mais lento que o habitual para um Call of Duty, era preciso adotar uma estratégia coerente para o jogador ser bem-sucedido.

Indo por água abaixo


Gameplay curtíssimo do jogo

Modern Warfare foi terminado a tempo pela Infinity Ward, lançado no fim de 2007 e vendendo horrores (num bom sentido). A Treyarch (com a experiência do segundo e terceiro CoD) já trabalhava no que seria Call of Duty: World at War. Enquanto tudo isso acontecia, a fusão da Activison com a Vivendi Games fazia os executivos reavaliarem os projetos atuais, fechando estúdios que não tinham um histórico comprovado, nem títulos em andamento já com uma quantidade considerável de progresso. Devil’s Brigade era uma aposta que giraria o rumo da série em 180 graus e, mesmo com uma demonstração bem avaliada dentro da Activision, terminou cancelado.

Competir, dentro da empresa, com estúdios com experiência comprovada na franquia tornou-se missão impossível para a Underground Development. No entanto, seria interessante ver o impacto de um game tão diferente como Devil’s Brigade para a série. Inovações são sempre bem-vindas. Infelizmente, CoD terminou seguindo uma fórmula clichê, que segue gerando receitas enormes. Quando tentou-se apostar em algo diferente (Advanced Warfare), os jogadores pediram… um remaster de Modern Warfare. Precisa falar mais alguma coisa?

Quer conhecer mais jogos arquivados? Siga a nossa coluna No Limbo. Já falamos das tentativas frustradas de retorno de Mega Man, do Tomb Raider que envolveria um macaco ajudando Lara CroftHalo para Nintendo DS, a sequência de Star Fox para SNES, Resident Evil 1.5 e 3.5, entre muitos outros!

StarCraft Remastered é revelado pela Blizzard

Clássico de 1998, StarCraft será relançado para Windows e Mac no meio de 2017. StarCraft Remastered vai trazer também o pacote de expansão Brood War, gráficos em 4K e trilhas sonoras refeitas. Além disso, contará com suporte à Blizzard App (conhecida antes como Battle.net), o mesmo client de Overwatch – habilitando um sistema robusto de matchmaking.

O anúncio foi feito em um evento do game na Coreia do Sul. Mike Morhaime, CEO da Blizzard, destaca que o game é uma “referência nos jogos competitivos e em ligas eSports durante quase 20 anos”. Ainda não há informações sobre o preço da edição remasterizada. No entanto, sabe-se que tanto o original quanto o StarCraft Remastered terão cross-play e compartilharão os dados salvos. Tá de parabéns pelo gesto, Blizzard! Só assim para justificar a compra de um remaster, principalmente em uma época em que a indústria parece viver uma crise de identidade.

Super Mario Run não trouxe lucros satisfatórios para a Nintendo

Sim, nós gostamos de Super Mario Run, a estreia do mascote no iOS e Android. Mas o modelo bizarro de monetização (trial gratuito, 10 dólares para liberar o resto) causou revolta na comunidade gamer. Isso impactou na avaliação do jogo na App Store, inclusive. Agora, com a chegada ao Android, a Nintendo aumentou o conteúdo da edição gratuita, mas ainda não conseguiu fugir das críticas.

Super Mario Run não é o número 1 da Nintendo no iOS?!

Em conversa com o Nikkei, o presidente da Nintendo, Tatsumi Kimishima, revelou que o título “não alcançou as expectativas (de lucro)”. Enquanto isso, Fire Emblem Heroes adotou um modelo freemium (grátis para jogar, com itens especiais pagos) e se tornou o título mobile mais rentável da empresa. Ainda assim, um executivo afirmou ao Nikkei que a casa de Mario ainda não acredita completamente nesta forma de monetização e insistirá em Super Mario Run do jeito que é hoje.

Telas do game: mapa, conclusão de fase e gameplay em mansão assombrada

Super Mario Run: um game bem interessante, mas que sofreu com uma péssima estratégia de marketing e monetização

Se a chegada do jogo ao Android vai mudar a situação, nós não sabemos. Mas Nintendo, vem cá: deixa de ser teimosa!

Games with Gold traz Ryse e Darksiders ao Xbox em abril

O Games with Gold tem se mostrado um programa mais interessante do que o do rival PlayStation, com mais jogos “gratuitos” interessantes para os assinantes. Abril (de 2017) parece ser um mês bem interessante. Basta olhar as pontuações do Metacritic abaixo!

É sempre importante lembrar que os títulos do Xbox 360 funcionam também no Xbox One, devido à retrocompatibilidade. Portanto, se você possui o console mais recente da Microsoft, são quatro jogos ao invés de dois.

Ryse: Son of Rome é o destaque do Xbox One

Gratuito para assinantes da Live Gold durante todo o mês de abril, Ryse: Son of Rome é um título de lançamento do One que dividiu opiniões. Ame ou odeie, vale a pena dar uma conferida! Enquanto isso, a segunda temporada de The Walking Dead, da Telltale Games, chega no fim do mês.

  • Ryse: Son of Rome – 01 a 30 de abril
    • Metacritic 60
  • The Walking Dead: Season 2 – 16 de abril a 15 de maio
    • Metacritic 81

Darksiders é o carro-chefe para o 360

Aventura épica da THQ Nordic, o primeiro Darksiders é o destaque para Xbox 360. Com uma longa campanha solo e influências da franquia Zelda, o título está disponível já a partir de primeiro de abril. Em seguida, o último jogo da série original de Assassin’s Creed, Revelations.

  • Darksiders – 01 a 15 de abril
    • Metacritic 83
  • Assassin’s Creed Revelations – 16 a 30 de abril
    • Metacritic 80

DLC de Dead Rising 4, Frank Rising ganha data de lançamento

Dead Rising 4 chegou no fim de 2016 ao Windows 10 e Xbox One. Em março de 2017, foi disponibilizado no Steam. Com grandes chances de receber uma versão no PS4 e encerrar por aí (já que o Xbox 360 e o PS3 estão agonizando), o que ainda podemos esperar do game? Felizmente, um DLC está a caminho: Frank Rising.

Prolongando a curta campanha de Dead Rising 4

Com uma campanha solo que dura cerca de 11 horas, além da ausência de um modo multiplayer cooperativo, o fator replay (a vontade de jogar de novo) parece não ser um ponto forte do game. No entanto, o DLC Frank Rising chega em 4 de abril, buscando trazer os fãs de volta.

Custando o equivalente a 10 dólares, o conteúdo para download traz o protagonista Frank infectado por zumbis. O jogador precisará encontrar uma cura para o herói. Se for divertido que nem o jogo original (veja nossas impressões durante a E3 2016 aqui), tem tudo para dar certo!

O pior está por vir

Um outro DLC, sem data definida, é Super Ultra Dead Rising 4 Mini Golf. Sim, a Capcom vai adicionar um minigame de golfe, com multiplayer online, em meio a uma cidade apocalíptica. Bizarro é pouco…

Protagonista Frank jogando golfe

Quem nunca sonhou em jogar golfe em um mundo apocalíptico?

Novo Digimon Story para PS4 e PS Vita é confirmado no Ocidente

Apenas um dia após a gente colocar aqui no BitBlog que o novo Digimon Story chegará ao PS4 e PS Vita no Japão, eis uma boa notícia: o título foi confirmado para o Ocidente em 2018!

Cena de gameplay do novo Digimon Story

Cena de gameplay do novo Digimon Story

Digimon Story: Cyber Sleuth Hacker’s Memory chega em formatos digital e físico ao PS4 e apenas digital no PS Vita. O lançamento para o Ocidente ficou em um vago, porém animador “início de 2018”. Abaixo, veja todos os detalhes fornecidos pela Bandai Namco.

Ficha

  • Gênero: JRPG
  • Jogadores: 1 (Offline) / 2 (Online)
  • Data de lançamento: Early 2018
  • Desenvolvedor: Media Vision
  • Publisher: Bandai Namco Entertainment
  • Dublagem: Japonês
  • Legendas: Inglês, alemão

Sinopse

Depois de ser acusado de um crime que ele não cometeu, Keisuke Amazawa não tem escolha a não ser mergulhar no mundo digital e investigar até provar sua inocência. Mesmo que isso signifique se juntar a um grupo de hackers e ajudá-los a resolver os problemas que ameaçam este universo misterioso.

Funcionalidades principais

  • Atmosfera Cyber Punk – Mergulhe em uma aventura mais profunda e sombria, nos limites entre o real e o digital.
  • Gameplay profundo e viciante – Experimente a mistura perfeita entre aventura e batalhas, com mais de 320 Digimon para descobrir. Curta uma maior variedade de estratégias de batalha em um gameplay clássico por turnos, melhorado através de skills e combos dos Digimon.
  • A estória não conhecida – Descubra a misteriosa trama paralela aos eventos de Digimon Story: Cyber Sleuth.

Tomb Raider Ascension: a aventura cancelada no PS3 e Xbox 360

Tomb Raider é uma das franquias mais conhecidas e admiradas do mundo dos games. Antes do reboot homônimo de 2013 no PS3, Xbox 360 e Windows, no entanto, a série passava por uma crise de identidade. Com lançamentos mornos, que não arrancaram elogios como na era PlayStation, era preciso reimaginar Lara Croft. Tomb Raider Ascension, protótipo de 2009, seria a nova aposta da extinta Eidos. Conheça mais sobre o jogo cancelado em mais um post da coluna No Limbo.

Tomb Raider com zumbis?

Em um livro digital datado de 2013, a Eidos falou um pouco de como seria Ascension. Quem traz a carta é o site Unseen64:

“O emocionante Ico, o survival horror de Resident Evil e as criaturas épicas de Shadow of the Colossus serviram como inspirações iniciais. No primeiro esboço, Lara Croft cooperava com uma garota de 6 anos chamada Izumi enquanto elas enfrentavam uma ilha misteriosa, habitada por fantasmas e monstros. Izumi teria acesso a lugares minúsculos para ajudar o jogador, criado um gameplay assimétrico.

Eventualmente o jogador descobriria a habilidade mágica de Izumi de manipular água e interagir com a ilha. Após alguns meses de trabalhos, o conceito foi classificado como muito difícil de entender como um Tomb Raider. Izumi foi até substituida por um macaco que acompanharia Lara em suas aventuras.

No segundo esboço conceitual, Lara montaria em um cavalo e batalharia contra monstros que arremessariam árvores nela, em cenas que remetem a um jogo God of War. Trabalhos seguintes mudariam a direção de arte em algo mais relacionado a terror, com zumbis gigantescos que habitariam em uma ilha em meio a uma forte névoa.

O que seria um trabalho confidencial se tornou público quando um dos envolvidos vazou imagens  detalhes na internet em 2009. A reação dos fãs em fóruns foi de choque, enquanto outros ficavam preocupados com a possibilidade de o game abandonar o clima ‘Indiana Jones’ que sempre foi um padrão da série. Seguir naquela direção nos faria criar o melhor game artístico que ninguém jogaria.”

Futuro

Com o reboot homônimo da série pegando carona em mecânicas de Uncharted e fazendo bastante sucesso, além do elogiado Rise of Tomb Raider, Ascension não tem futuro algum. Tomb Raider reencontrou seu caminho, e misturar Lara Croft com zumbis poderia, de fato, ter sido um desastre.

Quer conhecer mais jogos arquivados? Siga a nossa coluna No Limbo. Já falamos das tentativas frustradas de retorno de Mega Man, Halo para Nintendo DS, a sequência de Star Fox para SNES, Resident Evil 1.5 e 3.5, entre muitos outros!