Thiago Neres

Sempre gostou de ler sobre tecnologia e se considera mais um curioso do que um especialista no assunto. Foi repórter do caderno de Informática do Diario de Pernambuco durante três anos e hoje integra a equipe de Redes Sociais do jornal. E-mail: thiago.bneres@gmail.com

Análise: Sonic Mania resgata a melhor fase do ouriço

Foi difícil segurar o arrepio ao receber o review code de Sonic Mania. Era um momento que eu esperava há bastante tempo e minha ansiedade tinha aumentado consideravelmente com a demo disponibilizada durante a E3 2017. Eu já contei aqui no BitBlog que Sonic foi a franquia que marcou a minha infância nos videogames. Não só a minha. Tenho certeza que muitos brasileiros, especialmente os que vivenciaram o auge da TecToy, guardam um carinho nostálgico pelo mascote – assim como Mario sempre será extremamente querido pelos gamers. Sem entrar na seara das razões, é preciso reconhecer que o mascote da Nintendo envelheceu melhor que o ouriço da Sega. Mas Sonic Mania, um projeto que foi idealizado de fãs para fãs, resgata o que muitos – e eu me incluo nesse rol – consideram a melhor fase do hedgehog.

Atenção: Esta análise traz pequenos “spoilers” sobre a temática das fases e alguns chefes. Se você preferir ser completamente surpreendido ao jogar, recomendo que leia após zerar o game.

Já que a ideia aqui é fazer uma análise do game, eu vou explicar brevemente o conceito de Sonic Mania. Basicamente, é um jogo de Sonic que segue a mecânica e o visual clássico em 2D que consagrou a franquia na era Mega Drive. A história dele se passa depois do que aconteceu em Sonic & Knuckles, embora o enredo não seja realmente importante em Sonic Mania. Você pode jogar com Sonic, Tails ou Knuckles e as fases misturam reinvenções das zonas clássicas com zonas completamente novas. Escape das armadilhas ao longo das fases, destrua badniks, explore diferentes caminhos, capture esmeraldas e derrote o Robotnik. Simples e divertido como nos anos 90.

Sonic Mania: Criatividade em 2D

Depois de zerar o game três vezes com personagens diferentes e ainda me divertir com os extras, não tenho dúvidas sobre a chave do sucesso de Sonic Mania. Há muito tempo o ouriço azul não tinha uma pontuação tão alta no Metacritic, independentemente da plataforma. Para mim, o ponto forte do jogo é a criatividade. O time por trás de Mania realmente mostrou que há pano na manga para muitas ideias. No final da Chemical Plant, a batalha com o Robotnik é diferente: uma disputa de Mean Bean Machine, que é tipo um Columns. Já no final do ato 1 da Hydrocity, é curioso ver que o jogador tem a chance de dar o troco no Robotnik. É que Sonic vence o vilão usando a mesma engenhoca do Robotnik no final do ato 2 da Hydrocity original, que é do Sonic 3.

Aproveitando que comecei a falar das fases do jogo, devo dizer que o level design está muito caprichado. No geral, as zonas estão muito bonitas, desafiadoras e cheias de elementos novos. Uma observação que também é verdadeira olhando as reinterpretações das fases clássicas – Chemical Plant ficou suprema. O destaque, contudo, é para as originais, como a Studiopolis, que é uma das mais legais de Sonic Mania. Ela talvez rivalize com a Mirage Saloon, outra zona inédita e com segmentos inspirados na Sky Chase do Sonic 2. Também rolou uma boa dose de criatividade na Metallic Madness. É uma fase difícil e mais chatinha de passar, estilo Metropolis (Sonic 2) e Death Egg (S&K), o que indiscutivelmente faz jus à proposta. Nela, Sonic pode ser encolhido por um raio e algumas molas lançam o personagem para o background. Para minha surpresa, essas partes do cenário são jogáveis como qualquer outro trecho das fases.

Como já havia ficado claro no preview durante a E3, as zonas estão riquíssimas em referências à franquia original. Tudo lembra alguma coisa de Sonic, Sonic 2, Sonic 3, Sonic & Knuckles ou Sonic CD. Alguns easter eggs vão além desses jogos, mas vou deixar que vocês matem a curiosidade jogando ou procurando vídeos a respeito no YouTube. O que posso garantir é que o resultado final é muito bom. Se tivesse sido mal planejada, a mistura de tantos elementos poderia resultar no bizarro. Mas Sonic Mania está longe de ser uma colagem de retalhos e excede as expectativas de quem esperava apenas uma grande homenagem. É um jogo com personalidade própria.

Fiz questão de zerar Sonic Mania também com Tails e Knuckles para ver o quanto o time de desenvolvimento se preocupou com um level design que comporte todos os personagens. Explico: Knuckles plana e consegue quebrar algumas paredes. Tails, por sua vez, voa. O level design precisa oferecer caminhos e possibilidades que justifiquem esses poderes, caso contrário são apenas sprites diferentes com a mesma jogabilidade. Novamente, o jogo se supera e é bem sucedido ao proporcionar experiências diferentes de acordo com o personagem em cena. Imagino que Tails, em particular, é bem desafiador. Ele exige zonas desenhadas de uma forma que impeça o jogador de simplesmente voar por toda a fase até o final, o que seria bem sem graça.

A trilha sonora é belíssima e evoca nostalgia. A música do ato 2 da Lava Reef Zone já tem um lugar especial no meu coração de fã. Studiopolis, já mencionada aqui no review, emplaca uma trilha vibrante e que se encaixa totalmente com o cenário. Nela, você ainda escuta uma voz falar “lights, camera, action!” em uma brincadeira com a fama do ouriço. Preste atenção também nas excepcionais trilhas do ato 1 da Press Garden, ato 2 da Stardust Speedway e toda a Metallic Madness. Prometo que valerá a pena.

Incrível, mas não perfeito

Nem tudo são flores e a admiração pela franquia não me impede de apontar o que julgo como problemas. Morri dezenas de vezes por time over. Para quem não lembra, o tempo limite por ato é de 10 minutos. A grande questão é que as zonas de Sonic Mania são permeadas de segredos, de modo que os jogadores terão de se esforçar para achar os anéis gigantes que levam para as fases especiais das esmeraldas. Eu sei que Sonic não é um jogo de exploração como Zelda, mas eu senti que precisaria de vários replays para ter alguma chance de virar Super Sonic. Não é por falta de habilidade, mas falta de tempo. Por outro lado, eu não vislumbro uma saída. Oferecer mais tempo no contador, cortar o relógio ou diminuir a complexidade das zonas tirariam a graça. Jogar com Tails, entretanto, facilita muito essa busca. Ainda assim, é perceptível que tem um desequilíbrio em alguns elementos do jogo.

Esse desequilíbrio, inclusive, não está só na relação tempo X complexidade das fases X esmeraldas. Os bonus stages dos postos estelares também transparecem um certo desbalanceamento. Antes de continuar, uma explicação para quem não jogou ainda: os anéis gigantes, que eu critiquei por estarem bem escondidos e o tempo ser insuficiente para encontrá-los, levam para fases especiais no estilo “catch the UFO” que recompensam com esmeraldas. Os postos estelares mandam o jogador para fases bônus das esferas azuis, o mesmo tipo introduzido no Sonic 3 e que também foi adotado em Sonic & Knuckles. A diferença é que esses últimos dão medalhas para destravar os extras.

A impressão que tive é que as zonas possuem postos estelares quase colados um no outro. Se é difícil achar os anéis gigantes, os postos estelares entraram em promoção no Sonic Mania. Em compensação, a curva de dificuldade desses estágios de bônus especiais é bem diferente, com um nível de dificuldade altíssimo. A todo momento eu lembrava daquelas fases malucas que as pessoas criavam no Super Mario Maker. Eu reconheço que pode ser uma tentativa de oferecer algo mais desafiador para os jogadores veteranos da franquia. Isso explicaria a quantidade exagerada de postos estelares, afinal é uma fase especial mais difícil e são 32 delas. Eu poderia ter curtido mais, mas realmente acho que faltou equilíbrio aqui. Outro detalhe é que os postos estelares são ativados com apenas 25 anéis em vez dos tradicionais 50.

Sonic Mania ficou devendo uma boa fase de gelo. A Ice Cap, do Sonic 3, é uma das zonas mais marcantes da franquia original. Infelizmente o novo game do ouriço não traz uma correspondente à altura. Alguns parágrafos lá atrás, eu elogiei a trilha da Press Garden. Mas eu considero a zona a mais fraca do jogo e relativamente apática. Talvez a única. É ela quem insere elementos de gelo em Sonic Mania, embora o conceito predominante seja um jardim japonês – uma ideia bem legal e talvez mal executada.

Outro ponto que me incomodou bastante foram o excesso de segmentos muito acelerados em diversas zonas. Sim, como eu falei lá atrás, eu sei que Sonic não é um jogo de exploração. Mas também não precisa ser sobre velocidade o tempo todo. Às vezes o jogador quer passear pelas zonas, que estão belíssimas e cheias de detalhes. Em muitas situações, a quantidade de molas e rampas atrapalha isso. É como se Sonic Mania, em alguns momentos, tentasse te empurrar para o final das fases quando você quer curtir um pouco mais da “paisagem”. Minha teoria é que foi uma forma de contrabalancear o problema do tempo. Deixo registrado que essa minha crítica não se aplica à Stardust Speedway, que foi pensada para realmente dar uma carga na velocidade. Ela pode ser completada em poucos minutos e é empolgante.

Para finalizar a lista das reclamações, duas coisas menos importantes: Gostaria de ter visto mais transições entre as zonas. A história, de fato, não é importante em Sonic Mania. As animações de transição, contudo, dão um charme e um toque de coerência ao jogo. Quem jogou Sonic 3 ou Sonic & Knuckles possivelmente concordará. É estranho notar que, em Mania, às vezes elas estão presentes e, às vezes, são inexistentes. Criatividade com certeza não seria um problema para fazê-las. Por fim, eu joguei Sonic Mania no PS4 e acho que poderiam ter mais conquistas. As disponíveis são ok, mas havia espaço para mais.

Pontos positivos

– Fases originais muito criativas e que possuem elementos que se conectam à franquia original
– Fases clássicas com reinvenções que as tornam mais divertidas, inusitadas e desafiadoras
– Excelente level design com vários caminhos que exploram a jogabilidade de todos os personagens
– Trilha sonora impecável e efeitos sonoros que remetem aos jogos clássicos
– Excelente duração do jogo, com boa quantidade de zonas
– Animação da abertura muito bem feita
– Presença de extras que são desbloqueáveis

Pontos negativos

– Pouco tempo para explorar fases complexas e encontrar os anéis gigantes
– Facilidade em acessar postos estelares contrasta com dificuldade das fases deles
– Faltou uma boa fase de gelo e Press Garden é uma zona meio sem graça
– Excesso de segmentos muito acelerados
– Ausência de transições entre algumas zonas enquanto outras possuem
– Poucas conquistas para desbloquear no PS4 e na Steam

Conclusão

Sonic Mania é um jogo excepcional que comete um ou outro deslize, mas sem grande impacto na experiência final. Regado a nostalgia, ele prova que o ouriço tem uma longa vida pela frente e que a jogabilidade em 2D ainda comporta muita criatividade. Vamos torcer por mais projetos assim! A nota do BitBlog é 9/10.

Jogamos: Sonic Mania é meu portal de volta para a infância

O Mega Drive foi o console que marcou a minha infância nos videogames e eu sempre vou ter um carinho especial por ele. Os jogos de Sonic da geração 16-bit me trazem uma nostalgia impossível de se traduzir em linhas. E nostalgia é algo que vai além de fases icônicas como Star Light, Emerald Hill, Ice Cap, Sky Sanctuary e – por que, não? – Volcano Valley. Sim, eu gosto até do Sonic 3D Blast. Mas Sonic é mais que isso para mim. É sobre eu e minha irmã achando que Knuckles era uma menina. É minha mãe, que nunca simpatizou com videogames, percebendo antes de mim a estratégia para vencer a Death Ball. É meu pai me entregando a caixa do Mega com o selo da Tectoy. Às vezes a gente gostaria de voltar no tempo. A demo de Sonic Mania na E3 2017 conseguiu fazer isso por mim.

Perdi as contas de quantas vezes desejei ver a SEGA apostar em algo assim. Por isso o anúncio de Sonic Mania me empolgou muito mais que o Sonic Forces – inclusive, caso você seja leitor assíduo do BitBlog, irá perceber que o preview do Forces ficou sob a batuta de Diego. Caso você tenha caído de paraquedas neste post, explico: Sonic Mania traz a jogabilidade em 2D com o mesmo estilo visual do que se convencionou chamar de Sonic clássico, em contraponto aos games em 3D do ouriço. É uma mistura das fases antigas reimaginadas com zonas completamente novas.

Os jogadores poderão escolher entre Sonic, Tails e Knuckles. Um detalhe interessante é que Sonic ganhou um novo movimento além do spin dash (giro supersônico). É o drop dash, que consegue ser tão veloz quanto, porém é mais rápido de ser executado. Basta pular e pressionar o botão de ação no ar para fazer Sonic girar e avançar sobre os inimigos ao cair.

Na demo que eu joguei, era possível escolher entre uma Green Hill Zone reimaginada e a estreante Mirage Saloon. Fui de Green Hill com Sonic. A fase está completamente diferente, mas a atmosfera é a mesma. O time de desenvolvimento soube como resgatar a essência dos títulos do Mega Drive e ao mesmo tempo se permitir uma dose de liberdade. O boss que eu enfrentei, por exemplo, lembrava o Giant Mech (aquele robôzão gigante) que está no final de Sonic the Hedgehog 2. Mas Green Hill é a primeira zona do primeiro Sonic the Hedgehog.

Um detalhe também interessante é que os escudos elementais (água, fogo e elétrico) estarão presentes em todas as fases e, na franquia clássica, eles foram implementados com o Sonic 3. O mais legal é que  eles deverão ser afetados pelo cenário. Isso fica bem claro no gameplay da Flying Battery Zone no Sonic Mania (veja a partir de 12 segundos). Até então, se não me falha a memória, a única “interação” era perder o escudo de fogo ao entrar na água.

Apesar de não ter jogado a Mirage Saloon, eu estava analisando um vídeo de gameplay e dá para dizer que foi feito um belo trabalho de usar os elementos do Sonic clássico. A zona lembra bastante a desértica Sandopolis Zone, mas tem – na minha opinião – algo da Carnival Night, da Launch Base e da Death Egg do S&K.

Ainda existem, porém, várias dúvidas sobre Sonic Mania. Os estágios especiais para conseguir as esmeraldas permanecem um grande segredo. Ninguém sabe se vão fazer algo totalmente novo, usar apenas um estilo de level design ou colocar todos no jogo ao mesmo. O mesmo pode se falar da possibilidade de Hyper Sonic, Hyper Knuckles e Super Tails, que aparecem em Sonic 3 & Knuckles graças ao recurso do lock-on, bastante inovador à época. Eu também me pergunto se as fases terão transições, algo que começou no Sonic 3. Torço muito que sim. Outra dúvida é se veremos caminhos e chefes alternativos de acordo com o personagem. Lembrem, por exemplo, da Marble Garden Zone com Knuckles.

Todas essas perguntas foram encaminhadas à assessoria de comunicação da SEGA, embora eu acredito que dificilmente teremos respostas assim tão facilmente. De todo modo, o jogo será lançado em 15 de agosto de 2017 para PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e Windows PC. Em breve, vamos descobrir.

Vai ser incrível.

ATUALIZAÇÃO 1:

O leitor Toguro me lembrou nos comentários do post que os escudos elementais garantem proteção a danos dos respectivos elementos. Eu comentei com ele que isso é verdade e recordei, por exemplo, como o escudo de fogo é útil na Lava Reef Zone. Isso sem mencionar os ataques especiais conferidos pelos escudos.

ATUALIZAÇÃO 2:

Quando eu escrevi o post, eu havia jogado apenas a Green Hill Zone com Sonic, mas depois eu voltei duas vezes ao estande da Sega. Coisa de fã, né? Joguei a Mirage Saloon com Knuckles e gostei bastante da fase. Ela realmente tem uma pegada que lembra muito a Sandopolis. E aí joguei a Green Hill com Tails e voei por todo o mapa para tentar descobrir algo secreto. Perto do final da fase, lá no alto, eu achei a localização do que pode ser o segundo anel gigante que leva para as special stages. Abri um sorriso enorme. Com certeza alguém já tinha achado antes de mim, mas eu não tinha visto em nenhum gameplay até então. Tenho a impressão de que Tails vai ser importantíssimo para a galera que gosta de mapear as zonas. Eu, particularmente, acho bem interessante ver o design completo delas em sites como o Sonic Retro.

Jogamos: Super Lucky’s Tale traz o melhor do gênero plataforma

Jogos de plataforma, ao lado de RPGs, sempre travaram uma disputa acirrada em meu coração de gamer. O páreo é duro. Eu poderia facilmente listar inúmeros títulos que me cativaram nas últimas duas décadas. Ouso dizer que Sonic, Mario, Bubsy e Yoshi’s Woolly World me fizeram tão feliz quanto Secret of Mana, Chrono Trigger, Persona 4 Golden e Dragon Age. Mas se depender de Super Lucky’s Tale, que promete um futuro brilhante, a balança pode começar a pender para um lado. A equipe do BitBlog passou no estande do Xbox e jogou o game de plataforma da Playful Corporation – que, vale dizer, já me conquistou com Star Child no PlayStation VR. Não é exagero dizer que Super Lucky’s Tale traz o que há de melhor no gênero.

E o que faz um jogo de plataforma ser muito bom?

Bem, vou correr o risco de tentar adivinhar os ingredientes da fórmula – embora eu deteste com todas as forças quando esta palavra é associada a videogames. Mas, na minha opinião, 50% da receita é composta por: um personagem carismático, jogabilidade simples, fator replayable, exploração, ambientação envolvente e trilha sonora marcante. Os outros 50% correspondem ao toque de Midas – e a Nintendo é uma especialista nisso. É saber misturar muito bem todos esses elementos na dose certa para que a versão final do jogo seja vitoriosa no objetivo de fisgar os jogadores.

Ao contrário de vários títulos apresentados na E3 2017, a demo de Super Lucky’s Tale teve duração bem generosa. Antes de colocar as mãos no joystick, foi dito a mim que a experiência deveria durar cerca de 15 minutos, mas tenho certeza que levei mais ou menos o dobro do tempo (para quem estava na fila, sorry). Eu lembro que a cada transição de mapa ou desafio concluído eu ficava triste acreditando que veria a mensagem de fim da demo na tela. A todo momento eu queria continuar jogando mais. E, honestamente, escrevo este texto horas depois do gameplay e ainda me arrepio só de pensar nisso.

O mais estranho, porém, é que Super Lucky’s Tale é tão simples e intuitivo que com cinco minutos parecia que eu tinha passado uma vida inteira jogando ele. Talvez seja porque a raposa Lucky, mascote da franquia, evoca em mim a imagem de Tails. Já Diego, que também é editor do BitBlog, lembrou de Crash. Ou talvez a explicação para essa familiaridade seja ainda mais simples: Super Lucky’s Tale é MUITO bom.

De forma resumida, os comandos envolvem pular sobre os inimigos, acertá-los com a cauda, rolar e cavar túneis. É muito fácil se acostumar com eles. Os gráficos são de um colorido vívido que fica perfeito rodando a 4k no novíssimo Xbox One X. A propósito, o título em 3D será lançado no mesmo dia que o poderoso console, em 7 de novembro de 2017. Seguindo a prática adotada pela Microsoft na nova geração, ele também ganhará uma versão para Windows 10.

Super Lucky’s Tale também agrada quem gosta de exploração nos games. Parte do motivo de meu gameplay ter demorado mais que o previsto foi minha mania de vasculhar todos os cantos do cenário. Descobri caminhos ocultos. Onde não era possível chegar, fiz questão de usar a câmera para dar uma boa olhada. Acredite em mim, o visual é tão fascinante que você também vai querer reservar um tempinho só para olhar ao redor de Lucky. Aliás, aproveite para tentar localizar as cinco letras que formam o nome do personagem, ganhando uma vida extra. Tipo como acontecia com Donkey Kong.

Mas, apesar da breve comparação, vale ressaltar que Lucky tem originalidade e carisma próprio. Conversei com Shawn Ketcherside, da equipe responsável pelo jogo, e ele contou sobre como surgiu a ideia. “Nós queríamos fazer um mascote que realmente gostássemos e assim nasceu esta raposa fofinha e bastante expressiva. A alegria é uma característica do personagem”, contou.

De acordo com Shawn, o time está preparando várias fases e não tem como precisar agora a quantidade de horas de gameplay que a versão final terá, mas os jogadores podem esperar fases especiais em que pulos superprecisos serão fundamentais. Assim como mostrado na demo, outras boss arenas vão aparecer no decorrer do jogo e ao longo da narrativa o jogador conseguirá desbloquear novas coisas para fazer. Uma das dúvidas é sobre o que fazer com as moedas que serão coletadas nas fases. Atualmente uma certa quantidade delas adiciona uma vida extra, mas o time da Playful pensa em talvez implementar novas funções, como a possibilidade de também usá-las para destravar colecionáveis in-game. “Vamos oferecer o melhor conteúdo que temos”, frisou.

 

Jogamos: Star Child mistura magia, mistério e medo

O primeiro jogo em VR que eu testei no estande da Sony durante a E3 2016 foi o Wayward Sky. Fiquei apaixonado por ele e escrevi aqui no BitBlog que se tratava de uma experiência relaxante para o jogador. Desta vez, em 2017, elegi Star Child, título recém-anunciado pela Playful Corporation, para iniciar os trabalhos. O game me cativou durante todo o gameplay. E aí pensei em começar este texto falando que tive muita sorte novamente. Mas seria injusto. Foi pura competência. Star Child é uma mistura de magia, mistério e medo que prende a pessoa em outro mundo, mas carrega traços que revelam beleza além disso. É um jogo para a alma.

Antes de qualquer coisa, é preciso alertar aos mais empolgados que pouca informação foi revelada sobre o título, já que ele está em fase inicial de desenvolvimento. Sabemos basicamente que é um game de plataforma 2.5D com elementos de puzzle. Mas se me permitem um exercício de futurologia, digo que o que eu joguei foi o suficiente para cravar: vai ser incrível!

Em Star Child, você controla uma mulher que caminha em um mundo que parece ser mágico, mas ao mesmo tempo perigoso. Existe uma forte pegada de sci-fi e o visual bebe na fonte de tons azuis com neón, mas com espaço para o colorido. Porém, o uso das outras cores é bem comedido e ao mesmo tempo sombrio, evocando mistério. A iluminação está linda. Trilha sonora, idem. E aí você sente vontade de explorar tudo com o Playstation VR acoplado no seu rosto.

Se por um lado a experiência é encantadora, por outro não tardará ao jogador perceber que tudo ali converge para que ele se sinta vulnerável. A visão de uma personagem minúscula diante da imensidão do ainda incompreendido cenário é prova disso. O final da demo, que infelizmente é curtinha, traz a cereja no bolo.

Vemos com mais detalhes – e o VR é perfeito para esse tipo de exploração – os contornos do que parece ser o – ou um dos – inimigo da protagonista. Visualmente se assemelha muito com um inseto gigante robótico, mas isso já é especulação minha. Quando parece ser o fim da linha para nossa personagem, eis que ao fundo uma espécie de estátua gigante que emite uma luz azulada, intervém e protege.

Você sabe que foi salvo por algum tipo de guardião.

Você se sente uma formiga.

Você apenas instintivamente inclina a cabeça para admirar este ser bruto e angelical enquanto torce para que Star Child não demore a chegar nas prateleiras.

Alienware promove festa pré-E3 e fala sobre Area 51 Threadripper

O BitBlog participou na última segunda-feira (12) de uma festa organizada pela Alienware em Los Angeles que reuniu convidados especiais, imprensa e jogadores. O evento, que faz parte do “esquenta” para a E3 2017, foi regado a comidinhas e drinks. Mas o pessoal fez fila mesmo foi para ver os destaques da noite: os games. Afinal, gamer que é gamer troca facilmente um copo por um joystick na mão.

Um ano depois de uma E3 marcada pelo crescimento dos jogos com realidade virtual, o VR ainda continua a chamar muita atenção. Joguei uma demo de John Wick Chronicles com o HTC Vive e precisei me desviar de lasers enquanto apertava um botão que liberava o acesso para um elevador secreto. Em seguida, do telhado de um prédio, entrei na pele de um sniper, tentando usar uma chaminé para me proteger das balas dos inimigos e, eventualmente, abatê-los um a um com o auxílio da mira. Foi bem divertido, especialmente porque você não movimenta apenas a câmera, mas precisa se agachar e se esgueirar pelo cenário. O game estilo FPS (tiro em primeira pessoa) foi lançado em fevereiro deste ano no Steam sob a titula da Lionsgate com a Starbreeze AB. Colaboraram também os estúdios Grab Games, Big Red Button e a GamecoStudios.

A Alienware aproveitou o evento também para mostrar a Area 51 versão Threadripper, uma máquina potente que promete satisfazer até os gamers mais exigentes. Ela chega ao mercado em 27 de julho e uma variante com chips Intel Skylake-X está prevista para o fim de 2017. Leia mais aqui.

Maradona se irrita com Konami por conta de Pro Evolution Soccer

O ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona está irritado com a Konami por conta de Pro Evolution Soccer 2017. Na última quinta-feira (30), ele usou sua página oficial no Facebook para mandar um recado para a empresa japonesa que tem longa tradição na indústria dos jogos eletrônicos. Traduzindo para o português, eis o que o hermano falou:

“Ontem eu soube que a empresa japonesa Konami usa minha imagem no seu jogo PES 2017. Infelizmente, meu advogado Matias Morla irá tomar as devidas providências legais. Espero que isto não seja um outro scam”.

Scam não tem uma tradução literal em português, mas possui o sentido de golpe, enganação, truque, trambique, trapaça… Ou seja, o atleta pegou pesado por conta dos seus direitos de imagem.

De acordo com o Kotaku, o que deixou Maradona furioso foi a sua inclusão na categoria “Legends” do Pro Evolution Soccer 2017. Trata-se de uma seleção com vários jogadores “lendários”, que se destacaram na história do futebol por suas habilidades notáveis. Maradona é inclusive o melhor jogador do game e recebe a nota 97. Na sequência, vem Messi com 94 e Ronaldo Fenômeno com 92.

Mas o pódio não foi o bastante para amansar o argentino. Na mensagem postada no Facebook, ele dá a entender que não autorizou a Konami a fazer uso da sua imagem e vai processá-la por isso. Um detalhe curioso é que a Konami normalmente modifica nomes de times e atletas para evitar esse tipo de problema quando não possui os direitos de imagem.

PES 2017 está disponível para PlayStation 4, Xbox One, Xbox 360, PlayStation 3 e PC. O game foi lançado em setembro de 2016. Meses antes, a Konami anunciou uma parceria de três anos com o Barcelona, garantindo a exclusividade do estádio Camp Nou para PES.

 

PS Plus: Veja os jogos gratuitos de abril de 2017

Sony divulgou nesta quarta-feira (29) a lista dos jogos gratuitos da PS Plus para abril de 2017. Os games estarão disponíveis na PlayStation Store a partir de 5 de abril (quarta-feira da semana que vem). De acordo com o blog oficial do PlayStation, “o game de tiro de arena Drawn to Death e a sensação co-op Lovers in a Dangerous Spacetime lideram os jogos do mês que vem”. Quer saber mais  sobre eles? Continue lendo o post do BitBlog!

Drawn to Death | PS4

Drawn to Death foi anunciado como o destaque da PS Plus de abril/2017

Drawn to Death foi anunciado como o destaque da PS Plus de abril/2017

Drawn to Death é um jogo de tiro em terceira pessoa com combates multiplayer em arenas. O curioso deste jogo é o elemento visual, já que personagens e cenários lembram rabiscos. Parece estranho? É que o game se passa dentro do caderno de um estudante do colegial. Confira aqui um trailer de Drawn to Death. Particularmente, eu acho interessante como o contraste das cores é usado para acentuar os golpes e os lutadores. O título é de David Jaffe, o mesmo nome por trás da saga God of War. Ah, e uma curiosidade retrô, David Jaffe também trabalhou como desenhista em Mickey Mania para Super Nintendo e Mega Drive.

Lovers in a Dangerous Spacetime | PS4

Lovers in a Dangerous Spacetime chegou à PS Plus depois de passar pelo Games with Gold em fevereiro de 2017

Lovers in a Dangerous Spacetime chegou à PS Plus depois de passar pelo Games with Gold em fevereiro de 2017

Lovers in a Dangerous Spacetime é um jogo de tiro no espaço. Pode ser jogado no single-player ou com até quatro jogadores no cooperativo. A ideia é que todo mundo comande uma espaçonave e se organize para controlar o motor, armas, defesas e etc. São quatro campanhas, cada uma com quatro fases e um chefe. Ao longo do game, dá para conseguir melhorias para a espaçonave.

Invizimals: the Lost Kingdom | PS3

Invizimals: the Lost Kingdom é um game de aventura e ação com visual colorido

Invizimals: the Lost Kingdom é um game de aventura e ação com visual colorido

É um jogo de aventura que foi lançado em 2013 para o PlayStation 3. Segue a descrição de Invizimals: the Lost Kingdom no site oficial do PlayStation em português: “O Reino Perdido está sob ataque. Ele foi invadido por um exército de robôs cruéis e todos os Invizimals estão em perigo. Na pele do jovem Caçador Invizimal Hiro, você precisa viajar até o mundo deles e encontrar uma forma de salvá-los dos extratores X, que roubam energia”. Tem um visual bem colorido, com apelo grande para o público infantil. Pesquisando, descobri que foi mal avaliado no Metacritic, mas jogue e tire suas próprias conclusões.

Alien Rage – Extended Edition | PS3

Assinantes da PS Plus vão passar o dia atirando em aliens com Alien Rage

Assinantes da PS Plus vão passar o dia atirando em aliens com Alien Rage

É um jogo de tiro em primeira pessoa com enredo de ficção científica. Resumindo muito, você vai atirar em aliens durante as fases, só que ao final de cada uma delas tem um chefe que normalmente é um alien mais forte ainda. É considerado um game difícil e não existe modo cooperativo, embora dê para jogar no multiplayer competindo entre si. Veja o gameplay de de Alien Rage clicando aqui.

10 Second Ninja X | PS Vita e cross-buy com PS4

Jogos gratuitos da PS Plus de abril incluem 10 Second Ninja X

Jogos gratuitos da PS Plus de abril incluem 10 Second Ninja X

Segue a descrição oficial de 10 Second Ninja X no site do PlayStation: “é um jogo de ação alucinante e incrivelmente rápido. O terrível Capitão Greatbeard sequestrou você e prendeu seus amigos da floresta dentro dos robôs do exército dele (…) Destrua todos os robôs de Greatbeard em cada nível em dez segundos ou menos. Seja rápido para conseguir a cobiçada classificação de três estrelas em cada nível”. São mais de cem fases.

Curses ‘n Chaos | PS Vita e cross-buy com PS4

Curses 'n Chaos é um tower defense para quem gosta de jogos indie

Curses ‘n Chaos é um tower defense para quem gosta de jogos indie

É uma espécie de tower defense, só que com um visual que lembra os jogos de Arcade dos anos 90, tipo Metal Slug, só que ainda mais simples. Para deixar a jogabilidade um pouco mais complexa, existe um sistema de alquimia (criação de itens) que é estratégico para se dar bem. Fique de olho no loot que os inimigos vão derrubando. Aqui tem um vídeo com gameplay de Curses ‘n Chaos.