BitBlog - Games

Games

Nintendo Switch chega ao Museu do Videogame

  • Com vendas de estreia equivalentes às do Wii, o Nintendo Switch chegou de forma sólida ao mercado. Com um novo Zelda entre os títulos disponíveis, o sistema já é bem desejado: muita gente está louca para experimentar o console, em especial com a nova aventura de Link. Eis que o Museu do Videogame Itinerante incluiu o lançamento da Nintendo em sua exibição, que agora está em cartaz no Shopping Center Recife!

A iniciativa, que é gratuita, traz consoles antigos e novos sob a curadoria do jornalista Cleidson Lima. A terceira passagem do Museu por Recife foi a primeira no Brasil a trazer o Switch – “dockado” e conectado à TV – e The Legend of Zelda: Breath of the Wild entre as demonstrações abertas ao público. O BitBlog participou da experiência.

Breath of the Wild e Nintendo Switch: uma dupla ambiciosa

Joy-con Grip do Switch em nossas mãos, durante demonstração de Zelda

Bonito, mas desconfortável – essa foi a nossa impressão do Joy-con Grip do Nintendo Switch

Já tínhamos curtido o Breath of the Wild na E3 2016, especificamente no Wii U. A edição do Switch realmente estava mais estável, sem quedas notáveis de framerate. Na TV, o visual cartoon ajuda a esconder eventuais imperfeições, casando bem com a proposta do jogo. Em um save compartilhado por quem passava pelo evento, o título podia ser apreciado por até cinco minutos por cada pessoa presente. Difícil era passar tão pouco tempo jogando uma aventura tão vasta! Aventura que, por sinal, pode ficar maior com DLCs prometidos pela Nintendo para Breath of the Wild.

Dois consoles Switch estavam lá, cada um em seu dock, enquanto cada par de Joy-cons estava conectado ao suporte (grip) que vem com o videogame. Aí que reside o problema: o Joy-con Grip é minúsculo e quem tem mãos grandes vai sofrer um pouco para se acostumar. A impressão que passa é que as mãos ficam muito próximas. Para uma empresa que produziu comandos confortáveis – como o do N64 e GameCube – esperávamos mais nesse sentido.

De qualquer forma, Zelda é Zelda. Acreditamos que, no modo portátil, a “pegada” dos Joy-cons fica muito melhor com eles acoplados ao console propriamente dito. E ainda há o Pro Controller, um joystick mais tradicional fabricado pela Nintendo, que vem sido bastante elogiado pela crítica até aqui. Portanto, experimentar o jogo (que promete ser o melhor de 2017) na nova aposta da empresa é algo obrigatório!

Museu do Videogame tem até Atari

O Museu do Videogame Itinerante, que somente em 2015 e 2016 recebeu mais de 7 milhões de visitantes em 15 cidades, é o primeiro do gênero do país registrado pelo Ibram – Instituto Brasileiro de Museus. Em 2014, recebeu o prêmio do Ministério da Cultura como o museu mais criativo do país. Em 2016, foi um dos museus brasileiros escolhidos para representar o país no maior encontro de museus do mundo, em Paris.

A exposição totalmente interativa resgata quatro décadas de história da evolução dos videogames. Entre as relíquias estão o primeiro console fabricado no mundo, o Magnavox Odyssey, de 1972; o Atari Pong (primeiro console doméstico da Atari), de 1976; Fairchild Channel F, de 1976 (primeiro console a usar cartuchos de jogos); o Telejogo Philco Ford, de 1977 (o primeiro videogamefabricado no Brasil); o Nintendo Virtual Boy, de 1995 (primeiro a rodar jogos 3D); o Vectrex, de 1982 (console com jogos vetoriais que já vinha com monitor); o Microvision (primeiro portátil a usar cartucho), de 1979 e o R.O.B (robozinho lançado juntamente com o Nintendo 8 bits, em 1985).

Em 2017, uma outra novidade interessante é o PlayStation VR, disponível para demonstrações.

Próximas cidades que vão receber o Museu do Videogame

Atualmente, o Museu do Videogame está de passagem pelo Recife. Ele pode ser visitado gratuitamente no Shopping Center Recife de segunda a sábado, das 9h às 22h, e domingo, das 12h às 21h. Para acompanhar as próximas cidades a receber o evento, basta acessar o Facebook do Museu ou o site oficial. Para facilitar, colocamos uma listinha abaixo, mas lembrem de verificar se as datas permanecem as mesmas, ok?

Recife – 04/03 a 26/03
Maceió – 08/04 a 23/04
Maringá – 04/05 a 14/05
Fortaleza – 12/08 a 03/09
São Paulo – 07/10 a 29/10

Senran Kagura retorna ao Steam com Estival Versus

Já ouviu falar de Senran Kagura? A franquia de games, que também teve adaptações para mangá e anime, traz a saga de mulheres ninjas contratadas pelo governo japonês enfrentando mafiosos que representam interesses de grandes corporações e políticos. Para estar na academia de lutadoras, é preciso ter um histórico criminal limpo. Quem se envolve em assassinatos não pode representar o governo.

Popular entre fãs de cultura japonesa, a série foi criada em 2011 e, desde então, recebe lançamentos praticamente anuais. O mais recente, Estival Versus (PS4 / PS Vita), recebeu avaliação positiva (32/40) da revista Famitsu e alcançou quase meio milhão de unidades. Com isso, a Marvelous e a Xseed se juntaram novamente para relançar o jogo de ação no Windows, via Steam. A edição PC de Estival Versus já está disponível por lá e figura entre os mais vendidos.

Cena de gameplay, com ninjas na praia em roupas de banho

Ninjas de biquíni lutando na praia – algo que só podia vir de um game japa…

A edição Steam é basicamente a mesma do PS4, mas com suporte a conquistas, leaderboardssaves na nuvem e trading cards, além de supportar 1440p e 4K, rodando a 60 fps. O modo online para até 10 jogadores continua presente. Mas só uma observação para os (as) desavisados (as): o game não é recomendado para menores de 18 anos, pois inclui nudez.

Quer mais dicas de títulos para Steam? Siga o BitBlog. Recentemente, falamos de um FPS online com piratas (Blackwake), a versão de Nier Automata, o retorno de Constructor e até mesmo uma nova aventura de Yu-Gi-Oh!.

Sonic Forces é anunciado pela Sega e tem gameplay revelado

Há algum tempo a Sega vinha desenvolvendo um novo game do ouriço azul que era tratado com o codinome Project Sonic. Nas últimas 24 horas tivemos várias novidades sobre o jogo, que havia sido anunciado na E3 2016. O perfil oficial de Sonic the Hedgehog no Twitter revelou na noite da quinta o nome oficial: Sonic Forces.

E nesta sexta-feira, conforme prometido pela Sega, foi a vez de divulgarem o primeiro gameplay do “Sonic moderno” de Sonic Forces. Colocamos o vídeo abaixo. Nele dá para sentir que há vários elementos do Sonic Colors e do Sonic Generations, dois títulos em 3D de Sonic que tiveram até que uma boa aceitação da crítica. O primeiro, em sua versão para Wii, ganhou 78 no Metacritic. Já o segundo teve uma nota parecida para o PlayStation 3 e Xbox 360, embora tenha sido massacrado no 3DS.

O que sabemos sobre Sonic Forces

Sonic Forces está sendo feito pelo Sonic Team, a divisão da Sega que deu início à franquia e que assina o desenvolvimento de Sonic Colors e Sonic Generations. O game vai ter um apelo visual em 3D muito forte e o gameplay revelado nesta sexta-feira realmente mostra um jogo bem polido. Ele vai ser lançado para Windows PC, Xbox One, Playstation 4 e Nintendo Switch no final de 2017.

Vamos ter o retorno da mecânica do Sonic moderno, bem mais acelerado e com um estilo inspirado no on-rails que nem sempre anima a galera das antigas. Ele vai coexistir, com o Sonic clássico, que apesar do visual caprichado ainda se assemelha aos jogos de plataforma que fizeram história no Mega Drive e favorece a exploração das fases.

Se você ainda está confuso sobre a diferença, confira este vídeo abaixo. Pode pular para 40 segundos:

Por fim, não temos praticamente nenhuma informação sobre o enredo, mas tanto o gameplay como o trailer da E3 2016 sugerem uma pegada pós-apocalíptica. Uma boa pista é o slogan: “Junte-se à resistência”.

Imagens de Sonic Forces

Capturamos algumas telas do gameplay. É importante destacar que a qualidade ingame fica bem superior a isso.

E os fãs do Sonic clássico?

Bem, ainda não temos nenhum gameplay de como vai ficar o Sonic clássico em Sonic Forces.

Minha dica para o pessoal mais nostálgico como eu, que curtia Sonic & Knuckles e toda aquela era de ouro do Mega Drive, é apostar as fichas também no Sonic Mania. Já escrevemos sobre o Sonic Mania aqui no BitBlog. A má notícia é que ele vai sofrer um pequeno atraso. Antes confirmado para o segundo trimestre deste ano, deve levar mais alguns meses até chegar nas prateleiras. Vale lembrar que a Sega classifica Sonic Mania como o game definitivo da franquia para o público retrô.

Falando nisso, não deixe de ver a nossa listinha das 10 melhores fases do Sonic no Mega Drive.

Abaixo, novo trailer recém-liberado do Sonic Mania, com a Flying Battery Zone:

Afinal, quando vamos capturar Mew e Mewtwo no Pokémon GO?

Pokémon GO já não faz mais o sucesso estrondoso de seu lançamento. Depois de um começo arrasador, com 100 milhões de downloads em apenas um mês de existência, o game da Niantic não conseguiu reter boa parte dos jogadores, que começaram a abandonar o barco. O lançamento ainda recente da segunda geração conseguiu dar uma revigorada no jogo, mas também trouxe algumas discussões sobre o que falta nele. Entre as várias reivindicações – incluindo a possibilidade de trocar monstrinhos, uma nova mecânica nos ginásios e a adição de batalhas entre treinadores – há uma questão que pode estar perto de ser respondida: Afinal, quando Mew e Mewtwo chegam no Pokémon GO?

A resposta curta e grossa é que ninguém sabe ainda. Mas acontece que o presidente da Niantic, parceira da Nintendo e da The Pokémon Company no desenvolvimento do game, deu uma entrevista à edição alemã da revista Wired no início de março. Na ocasião, John Hanke soltou algumas informações preciosas sobre o que a companhia planeja para Pokémon GO em 2017.

Mew e Mewtwo virão com outros Pokémon lendários

John Hanke falou que Mew, Mewtwo, Articuno, Zapdos e Moltres poderão ser capturados em Pokémon GO ainda neste ano de 2017. Algumas fontes acreditam que esta atualização é esperada para o final do ano, enquanto outros sites especializados são mais otimistas e apostam no meio do ano. Enquanto isso, nenhum jogador vai encontrar, muito menos conseguir capturar esses monstrinhos. Houve até casos de alguns poucos sortudos que conseguiram um Articuno nos primeiros meses de lançamento do Pokémon GO. Vídeos começaram a aparecer na internet, porém a Niantic revelou que se tratava de um erro e removeu os lendários de todos os jogadores.

Capturar Mew e Mewtwo não será fácil

Um dos diretores da Niantic mencionou que certos Pokémon especiais devem oferecer uma experiência única no jogo. A declaração foi interpretada como um sinal de que Mew e Mewtwo não serão capturados pelas vias normais, mas devem exigir algum tipo de truque ou sorte, como é o caso do Ditto, que surge disfarçado. Outra pista interessante é que a masterball (masterbola) foi encontrada no código do jogo, embora ainda não tenha sido implementada oficialmente. Há especulações de que ela seria desbloqueada a partir do nível 40. Se isso for verdade e capturar Mew ou Mewtwo depender do item, a tarefa não será nada fácil.

Zapdos, Moltres e Articuno poderão ser capturados no Pokémon GO ainda em 2017

Zapdos, Moltres e Articuno poderão ser capturados no Pokémon GO ainda em 2017

Os stats dos Pokémon lendários

Como falamos anteriormente, a galera mais geek e com conhecimento de programação conseguiu extrair informações relevantes do código-fonte do jogo. Além de identificar a presença da masterball, a turma descobriu os possíveis stats dos Pokémon lendários. Mewtwo, por exemplo, teria o ataque mais forte de Pokémon GO. Entretanto, nada garante que a Niantic vá manter as coisas desse jeito. De qualquer forma, se bateu a curiosidade, confira abaixo:

Pokémon GO – Melhor ataque

#1 Mewtwo – 330
#2 Alakazam – 271
#3 Ho-Oh – 263
#4 Dragonite – 263
#5 Espeon – 261
#6 Gengar – 261
#7 Zapdos – 253
#8 Tyranitar – 251
#9 Moltres – 251
#10 Flareon – 246
#11 Raikou – 241
#12 Kingler – 240
#13 Pinsir – 238
#14 Gyarados – 237
#15 Scizor – 236
#16 Ursaring – 236
#17 Entei – 235
#18 Heracross 234
#19 Machamp 234
#20 Exeggutor 233
#21 Jolteon – 232
#22 Kadabra – 232
#23 Arcanine – 227
#24 Houndoom – 224
#25 Hitmonlee – 224

Pokémon GO – Melhor defesa

1# Shuckle – 396
#2 Steelix – 333
#3 Lugia – 323
#4 Cloyster – 323
#5 Ho-Oh – 301
#6 Onix – 288
#7 Mantine – 260
#8 Skarmory – 260
#9 Umbreon – 250
#10 Articuno – 249
#11 Forretress – 242
#12 Tentacruel – 237
#13 Suicune – 235
#14 Mr. Mime – 233
#15 Blissey – 229
#16 Golem – 229
#17 Omastar – 227
#18 Weezing – 221
#19 Hypno – 215
#20 Donphan – 214
#21 Kingler – 214
#22 Hitmontop – 214
#23 Tyranitar – 212
#24 Hitmonchan – 212
#25 Miltank – 211

Pokémon GO – Melhor HP

1# Blissey – 510
#2 Chansey – 500
#3 Wobbuffet – 380
#4 Snorlax – 320
#5 Wigglytuff – 280
#6 Vaporeon – 260
#7 Lapras – 260
#8 Lanturn – 250
#9 Entei – 230
#10 Jigglypuff – 230
#11 Mewtwo – 212
#12 Ho-Oh – 212
#13 Lugia – 212
#14 Rydon – 210
#15 Kangaskhan – 210
#16 Muk 210
#17 Tyranitar 200
#18 Celebi – 200
#19 Mew – 200
#20 Suicune – 200
#21 Piloswine – 200
#22 Noctowl – 200
#23 Dunsparce – 200
#24 Azumarill – 200
#25 Gyarados – 190

Pokémon GO – CP Máximo

#1 Mewtwo – 4760
#2 Ho-Oh – 4650
#3 Tyranitar – 3670
#4 Lugia – 3598
#5 Dragonite – 3581
#6 Entei – 3377
#7 Snorlax – 3355
#8 Raikou – 3349
#9 Zapdos – 3330
#10 Rhydon – 3300
#11 Gyarados – 3281
#12 Moltres – 3272
#13 Blissey – 3219
#14 Vaporeon – 3157
#15 Celebi – 3090
#16 Mew – 3090
#17 Donphan – 3022
#18 Espeon – 3000
#19 Lapras – 2980
#20 Heracross – 2938
#21 Articuno – 2933
#22 Golem – 2916
#23 Exeggutor – 2916
#24 Flareon – 2904
#25 Machamp – 2889

 

Confira mais um gameplay de Tekken 7, que chega em junho

Tekken 7 será lançado em 2 de junho para PC, Playstation 4 e Xbox One. O novo título da série de luta da Bandai Namco promete gráficos realistas e mecânicas de combate inovadoras. A galera do canal Game Clips and Tips publicou um novo gameplay do jogo no YouTube. Já foram mais de 10 mil visualizações em 24 horas.

Novidades de Tekken 7

De acordo com o blog oficial do PlayStation, que reproduzimos aqui, as principais novidades de Tekken 7 serão as seguintes:

Rage System

À medida que a sua barra de vida se esgota, eventualmente ela começará a piscar em vermelho, indicando que entrou no modo “Rage”. Uma vez em “Rage”, seu personagem vai causar ainda mais danos, bem como ter acesso a dois novos movimentos devastadores: Rage Art e Rage Drive!

Rage Art

Um ataque superpoderoso blindado que lhe permite absorver golpes e efetuar um contra-ataque que pode virar o jogo num piscar de olhos. A Rage Art oferece aos jogadores uma retomada mais fácil quando estiverem muito atrás em qualquer partida.

Rage Drive

Embora não tão destrutivo quanto a Rage Art, o Rage Drive é uma alternativa estratégica que desencadeia um combo devastador que arrasará com qualquer adversário.

Power Crush

Também um ataque blindado, este movimento é mais poderoso do que a maioria dos ataques e pode mudar a maré a seu favor. O Power Crush pode ser arriscado se usado de forma descuidada, mas se cronometrado corretamente, ele consegue dar uma vantagem física e mental.

Akuma de Street Fighter

Akuma se junta à disputa com seu moveset estilo Shoto. Akuma é um lutador muito original e pode utilizar um EX Meter, permitindo usar movimentos EX e super. O Great Demon chega a Tekken com muitos de seus ataques clássicos, mas cada um com uma nova pegada e podendo ser combinados de maneiras únicas.

Novos personagens em Tekken 7

  • Katarina Alves
  • Claudio Serafino
  • Lucky Chloe
  • Shaheen
  • Josie Rizal
  • Gigas
  • Jack-7
  • Kazumi Mishima / Devil Kazumi
  • Akuma
  • Master Raven
Katarina Alves é a nova personagem brasileira da série Tekken

Katarina Alves é a nova personagem brasileira da série Tekken

Mega Man e as tentativas frustradas de retorno aos games

Se você é fã da franquia Mega Man, provavelmente se sente deprimido com a falta de novidades desde 2010. O herói azulzinho da Capcom tentou voltar inúmeras vezes, mas os projetos dos jogos terminaram cancelados e, por isso, a série está “arquivada”. Conheça algumas dessas tentativas em mais um post da coluna No Limbo. Você vai ler sobre games de Mega Man que pouca gente ouviu falar – e, infelizmente, não deram certo.

Mega Man Legends 3 (3DS, 2010)

Com ambientação tridimensional, Legends é uma sub-série de Mega Man que nasceu no PS1 – bastante elogiada, por sinal. Legends 3 foi anunciado para o Nintendo 3DS em 2010, causando euforia entre os fãs.

Herói enfrentando chefe

Dadas as limitações técnicas do 3DS, até que este jogo de Mega Man parecia divertido

Uma versão preliminar do título, chamada Prototype Version, seria disponibilizada a tempo do lançamento do 3DS em 2011, contando com 10 missões. Dependendo das vendas, a edição completa do jogo seria lançada ou não. Eis que ambas foram canceladas, causando revolta na comunidade gamer. A Capcom alegou que houve pouco engajamento e interesse dos fãs com o projeto, algo questionado até hoje. Músicas, games indie e outras formas de protesto foram criadas tentando reverter a decisão da Capcom, o que não aconteceu.

Mega Man Universe (PS3 e Xbox 360, 2010)

Baseado no visual e mecânica de Mega Man 2, Universe seria uma espécie de Super Mario Maker da franquia. Os jogadores poderiam criar suas próprias fases e compartilhar com a comunidade. Versões 8-bit de outros personagens da empresa, como Ryu (Street Fighter) e Arthur (Ghosts ‘n Goblins) estariam disponíveis, além de outras novidades via DLC.

Cena de gameplay, com uma fase sendo construída

Até o Dr. Willy aparece pra dar palpite nas suas criações…

Poucos meses após a revelação do projeto, o criador de Mega Man, Keiji Inafune, deixou a Capcom. Nenhuma novidade sobre Mega Man Universe foi anunciada até que, no ano seguinte, a empresa cancelou o jogo alegando “inúmeras circunstâncias”.

Maverick Hunter (?, 2010)

Não confunda este aqui com Mega Man Maverick Hunter X do PSP. Maverick Hunter, apenas, seria um FPS (tiro em primeira pessoa) no universo do mascote, mas com uma ambientação sombria e futurística. A ideia era desenvolver uma trilogia, com X no papel principal para os dois primeiros jogos e Zero no terceiro e último.

Maverick Hunter ia ser o jogo de Mega Man mais diferente da franquia

Maverick Hunter ia ser o jogo de Mega Man mais diferente da franquia

Seguindo uma direção controversa para os padrões da franquia, Maverick Hunter foi cancelado seis meses após o seu anúncio. Mesmo com bons feedbacks de parte da crítica e na própria Capcom, o game nunca foi uma unanimidade e era considerado uma “aberração” para muita gente, se tornando algo que seria facilmente comparado a Halo, mas incapaz de competir à altura.

Bônus: um jogo feito pela comunidade, Mega Man 2.5D

Se por um lado a série está completamente abandonada, pelo menos os fãs mostram que não esqueceram o mascote. Mega Man 2.5D é prova disso: um projeto executado pela comunidade por oito anos e recém-lançado (download gratuito aqui).

Enquanto a Capcom não traz novidades, os fãs surgem com Mega Man 2.5D

Enquanto a Capcom não traz novidades, os fãs surgem com Mega Man 2.5D

Com um modo cooperativo e cenários que podem girar em 3D durante certos momentos, o jogo para Windows é uma solução alternativa pra quem tem saudade do clássico herói.

Mega Man Legacy Collection é para matar a saudade

Que tal aproveitar o hiato da série para conhecer mais sobre os primeiros games? Mega Man Legacy Collection foi lançado em 2015 e traz os seis primeiros jogos da franquia, do Mega Man 1 ao Mega Man 6. Eles foram desenvolvidos para o Nintendo 8-bit (nosso querido Nintendinho).

Megaman Legacy Collection vai te transportar para a década de 80!

Megaman Legacy Collection vai te transportar para a década de 80!

Embora muita gente sinta falta de uma coletânea mais completa, Mega Man Legacy Collection resgata a simplicidade dos jogos daquela época e deixa um gosto de nostalgia. Procurando na internet, dá para achar em algumas lojas.

Blackwake é uma aventura pirata no Steam

Antes que você nos pergunte, sim, nós conhecemos Sea of Thieves, um game multiplayer de piratas para Xbox One e PC/Windows. Inclusive jogamos ele na E3 2016. Eis que a temática ressurge em Blackwake, um jogo nos mesmos moldes, mas que já está disponível para Windows via Steam. Figurando entre os mais vendidos, inclusive.

Personagem, em navio pirata, observa o horizonte

Só não dá pra pular no mar – não ainda

De acordo com o seu estúdio, o Mastfire, a produção do game começou em 2013 com um time bem reduzido, dois anos antes da revelação de Sea of Thieves. Logo, acho que vale a pena dar um crédito, não é mesmo?

Blackwake é um FPS (tiro/ação em primeira pessoa) online, onde – no papel de um pirata – o jogador precisa cooperar com outros companheiros do mundo real e destruir os barcos dos oponentes. Estão disponíveis partidas 1X1 e 3X3, com cada embarcação tendo até 16 pessoas. É possível também personalizar o seu próprio navio pirata.

Quem comprou o título no Steam, em maioria, aprovou. As animações, a comunidade de jogadores e a trilha sonora vêm sendo apontados como os principais destaques de Blackwake. A queda brusca na taxa de frames por segundo ainda preocupa, mas o Mastfire promete melhorar esse aspecto em próximas atualizações. Veja abaixo um pouquinho do game!