Jogamos: Dead Rising 4 traz a diversão de sempre

Jogar Dead Rising é sempre uma experiência divertida. Por mais controverso que pareça ser, o game consegue ser violento e, ao mesmo tempo, bem humorado. O quarto título da série consegue ser ainda mais sangrento do que os anteriores, com quantidades recordes de zumbis à sua volta.

Três anos após a estreia da franquia no Xbox One, a Capcom Vancouver não pretende mudar muita coisa em relação ao seu antecessor. Dead Rising 4 tem recursos curiosos, como as selfies que o protagonista Frank pode tirar – com direito a caretas – ou a armadura de aço que permite arremessar carros e objetos pelos ares. No final das contas, o que importa é saber que, em poucos minutos, você eliminou milhares de zumbis das formas mais bizarras possíveis, com direito a combos malucos.

Dead Rising 4 - E3 2016A fila para jogar o game era enorme

Na E3 2016, quem quisesse jogar Dead Rising 4 tinha que enfrentar filas que só não eram maiores que as de Gears of War 4 e ReCore. A quase uma hora de espera valeu a pena, no entanto. Embora eu tenha conseguido travar a demonstração, sendo preciso reiniciá-la, os 10 minutos de experiência foram muito interessantes. Combinar o uso de armas brancas com o lança-projéteis é impagável. E ainda ganhei um par de meias de brinde! Até nisso o título é escrachado.

A Capcom revelou, no último dia de E3, que o game apocalíptico chegará ao PS4 um ano após do lançamento no Xbox One e Windows 10 – ou seja, no final de 2017. Se você curte a série, no entanto, não recomendaria esperar esse tempo todo. Dê um jeito de jogar, porque trata-se de um dos principais lançamentos do ano.