Jogamos Psychonauts in the Rhombus of Ruin, no PS VR

Jogamos: Psychonauts in the Rhombus of Ruin, para PS VR

Em 2005, era lançado o game que levaria a divisão de games da Majesco à falência. Será que era tão ruim assim? Pior que não – pelo menos é o que diz a imprensa.

Não joguei Psychonauts, mas sei que é um jogo de ação em terceira pessoa super cultuado para PS2, Xbox e PC. Consiste em um menino, Raz, que tem poderes psíquicos, tentando impedir os planos de vilões que querem eliminar crianças especiais que nem ele. No papel de Raz, o jogador deve usar suas habilidades para compreender os traumas dos colegas e ajudar a superá-los.

Psychonauts in the Rhombus of Ruin - E3 2016Enquanto o game era experimentado, a fila acompanhava atrás num telão

Nesta sequência, que inicia logo após o primeiro jogo, o pai da colega Lili é sequestrado. Através do PlayStation VR em conjunto com o DualShock 4, é preciso alternar entre os personagens para usar os poderes de cada um e entender os seus pensamentos. Só assim é possível progredir. O visual é muito simples, assim como a trilha sonora. A falta de ação pode desapontar um pouco quem espera uma experiência mais imersiva no PS VR.

Em comparação com os outros games com suporte ao acessório do PS4, Psychonauts in the Rhombus of Ruin fica devendo bastante. Só indicaria se você for fã do primeiro game. Caso contrário, dê uma olhada no line-up, há opções mais interessantes: de Resident Evil 7 a Eve Valkyrie.