PS VR: Jogamos Until Dawn - Rush of Blood - BitBlog

PS VR: Jogamos Until Dawn – Rush of Blood

Quando estava com Diego von Söhsten – editor do BiBlog – acompanhando a conferência da Sony que aconteceu na última segunda-feira (13), no The Shrine Auditorium, em Los Angeles, ouvi em claro e bom inglês alguém falar: “Meu deus, eu realmente preciso de um VR”. Estava pensando a mesma coisa na hora. Difícil alguém ali ter pensado diferente. Os anúncios da gigante japonesa foram muito direcionados para a nova plataforma, que já desembarca neste ano com pelo menos 50 games. Diante de um público empolgadíssimo com a ascensão da realidade virtual na indústria dos videogames, a Sony também deu mais detalhes sobre data e preço: o PlayStation VR chega às prateleiras em 13 de outubro por US$ 399.

Após a conferência, a Sony preparou uma megaestrutura em uma sala anexa ao auditório, onde jogadores, imprensa e convidados VIP formaram longas filas para experimentar jogos no PS VR. Foi cansativo, mas valeu a pena. Tanto eu, Thiago Neres, como Diego, fomos de Until Dawn: Rush of Blood, que tinha uma pegada de um filme clássico das sessões da tarde: Palhaços Assassinos do Espaço Sideral. Para quem não conhece, o enredo – assim como o game – mistura palhaços assassinos, bizarrices e muito sangue com uma estética mais gore.

Cada um jogou cerca de 10 minutos e tomamos susto, mas nos divertimos. O PlayStation VR não dá dor de cabeça, é realmente imersivo e, se trabalhado com uma boa trilha ou efeitos sonoros, é capaz de desconectar você do resto do mundo. Aqui, cabe um comentário que virou praticamente consenso: é difícil você não parecer ridículo enquanto se diverte no VR, com aquele aparelho na cara e os controles coloridos do PS Move, que lembram mais alguém tocando rumba. A sensibilidade deles está boa, mas é essencial destacar que o Until Dawn: Rush of Blood, é feito com uma mecânica On-rails. Em resumo: o personagem vai andando sozinho, com apenas movimentos de câmera e tiro sendo controlados pelo gamer. Talvez ainda seja cedo para sabemos se o PS VR funcionaria bem em um novo GTA, por exemplo, mas saímos da conferência da Sony com a melhor das expectativas.