Metade dos brasileiros já quebrou tela do smartphone

Metade dos brasileiros usuários de smartphones já quebrou tela do aparelho

Eu sou desastrado, admito. Já trinquei a tela de smartphones duas vezes e a experiência, obviamente, é terrível. Primeiro pelo custo, afinal telas normalmente exigem um reparo mais caro, podendo chegar na casa dos R$ 300 se a “vítima” for um iPhone ou Galaxy. Segundo pelo inconveniente que é ficar sem o aparelho. Terceiro pelo valor afetivo. Hoje o celular é tratado quase que como um amigo ou extensão do corpo. Se você pensa que é exagero, leia isso aqui.

Mas eu não estou sozinho. Na verdade, uma pesquisa mundial encomendada pela Motorola à KRC Research ouviu mais de 6 mil pessoas no Brasil, Estados Unidos, México, China, Reino Unido e Índia sobre o problema, que é mais comum do que se pensa. Por aqui, quase metade dos usuários de smartphones já teve a tela trincada ou estilhaçada.

Leia as conclusões da pesquisa:

48% dos brasileiros que têm smartphones relataram que já tiveram a tela trincada ou estilhaçada. E do total de pessoas pesquisadas que têm este tipo de aparelho no país, 28% continuaram usando mesmo com a tela quebrada e 20% responderam que já tiveram a tela quebrada mais de uma vez.

Os brasileiros, ao passar pela situação de deixarem seus smartphones caírem, disseram que ficaram frustrados (53%), com medo (34%) e ansiosos (19%).

Sobre os fatores que provocaram a queda, 32% disseram que o aparelho caiu quando se levantaram porque não perceberam que ele estava no colo. Além disso, 24% apontaram que a tela se quebrou quando o smartphone caiu do bolso. Quem adora tirar selfie também pode se dar mal. Quase um em cada dez pesquisados (7%) teve a tela danificada enquanto tentava tirar fotos de si mesmo.

PS: No meu caso, a culpa foi do bolso. É inclusive uma das razões para eu detestar calças com bolsos pequenos ou apertados.

A tela quebrada foi responsável por machucar alguns usuários. No entanto, 23% dos entrevistados dos países analisados continuaram usando o aparelho mesmo após ter cortado os dedos em uma tela quebrada ou estilhaçada. A Índia é o país com o maior índice desse aspecto, com 36%; os EUA registram 27%; China, 20%; Reino Unido, 19%; Brasil, 19%; e México, 15%.

O estudo também mostra o tempo que os brasileiros demoram para arrumar a tela quando ela se quebra. Pouco mais de 31% dos brasileiros revelaram ter levado menos de uma semana para consertar o aparelho, e 52% levaram até duas semanas para reparar o dano.