O retorno de Streets of Rage que (quase) ninguém viu

O retorno de Streets of Rage que (quase) ninguém viu

Você conheceu Streets of Rage? Composta por três jogos, a série beat’em up (“destrua o que vier”) 2D foi um dos grandes sucessos do Mega Drive na década de 90. Com conversões para Game Gear, Master System, Sega CD e Arcade, a trilogia foi relançada posteriormente no PS2, GameCube, Wii, Xbox 360 e PS3. O que poucos sabem é que houve duas tentativas de resgatar a franquia, ambas malsucedidas. Na coluna No Limbo, desta vez, falaremos da segunda (e mais “conhecida”) delas, feita pelo estúdio Ruffian Games.

Tentando reviver a série

O charme "anos 80" tava bem visível no gameplay

O charme “anos 80” tava bem visível no gameplay

Criada em 2008, a escocesa Ruffian Games foi formada por pessoas que trabalharam em Project Gotham Racing, Fable e o primeiro Crackdown. De acordo com rumores, a Microsoft teria injetado dinheiro na empresa para que ela desenvolvesse Crackdown 2. Após este projeto, embora bem-sucedido, o estúdio não teve mais trabalhos AAA, focando suas atenções em títulos para o Kinect original. Em paralelo a tudo isso, surgiu uma ideia: reviver a franquia Streets of Rage. Para isso, obviamente, seria preciso convencer a Sega de que o esforço valeria a pena.

Em poucas semanas, a equipe da Ruffian montou um protótipo considerado “pre-pre-pre alpha” pelo diretor do estúdio, o inglês Gary “Gaz” Liddon. Em 2012, vazou um vídeo que mostra o gameplay desta versão, com a primeira fase sendo jogada pelo level designer Sean Noonan, que também participou do projeto. A ideia original era a de um reboot da série, que seria vendido apenas em formato digital para o PlayStation 3, Xbox 360 e PC. A Sega, no entanto, cancelou os trabalhos, alegando que era preciso focar em suas principais propriedades intelectuais, como Sonic the Hedgehog e Football Manager. O jogo nunca foi terminado.

Futuro?

O futuro de Streets of Rage pertence apenas à Sega. A companhia japonesa, no entanto, tem sido bastante questionada pelos fãs nos últimos anos. Desde o fim do Dreamcast, as maiores franquias clássicas da empresa (exceto por Sonic) foram subaproveitadas. Phantasy Star virou algo restrito ao Japão, Crazy Taxi foi reformatado para os smartphones em formato free-to-play, Skies of Arcadia e as demais foram engavetadas… Com o seu atual posicionamento, é muito improvável ver  a Sega trazendo Streets of Rage de volta, infelizmente.

Quer ver mais jogos que foram cancelados? Veja a nossa coluna No Limbo. Aproveite e confira o post que fizemos sobre Star Wars 1313, o game de ação que nós nunca poderemos jogar.