Even3 promete facilitar organização de eventos acadêmicos

Even3 promete facilitar organização de eventos acadêmicos

Organizar eventos pela web se tornou algo comum, com várias soluções tecnológicas no mercado. Entretanto, muitas delas não conseguem atingir todos os tipos de eventos. A comunidade acadêmica / científica sabe disso, já que carece de produtos com tal foco.

Os pernambucanos Cláusio Barbosa, Leandro Reinaux e Renato Cruz investiram em um produto, o Even3, de forma a atender congressos, conferências, seminários e afins. Com ele, é possível disponibilizar um sistema de inscrições online, emitir certificados de participação e até compartilhar os trabalhos apresentados. O BitBlog conversou com os empreendedores sobre o produto e suas experiências até aqui.


Even3 - Equipe 3Cláusio, Leandro e Renato são pernambucanos e cientistas da computação

Como surgiu a ideia?

Cláusio – No início de 2014, veio a oportunidade de desenvolver um sistema para um congresso de grande porte, com participantes de 10 países. A comissão teve más experiências com soluções anteriores do mercado, devido a um suporte fraco e erros no funcionamento, além de alegar que elas não supriam a necessidade desse tipo de evento. Pensando nisso, desenvolvemos um sistema completo voltado para o congresso, ainda sem a visão de gerar um produto. Após a conferência, veio o reconhecimento. Diversos feedbacks positivos nos abriram portas.

Naquele momento, paramos para avaliar o mercado e a viabilidade de transformar o sistema em um produto. Vimos que existia um nicho rentável. Foi quando decidimos ir em busca de mais um sócio para preencher algumas lacunas existentes na equipe, que até então era uma dupla. Convidamos Leandro, que já tinha experiência em outra startup, e ele topou.

Quais as diferenças de um evento acadêmico para um tradicional? Qual o diferencial do Even3?

Leandro – Congressos, simpósios, seminários e jornadas, entre outros exemplos, se diferenciam dos eventos tradicionais devido a um ciclo de vida mais longo. É preciso ter ferramentas para inscrições online, submissão e avaliação de trabalhos científicos, emissão de certificados, credenciamento… O diferencial do Even3 é oferecer todas essas soluções de uma maneira simples: com alguns cliques, em menos de 5 minutos, é possível cuidar de toda a burocracia.

Vocês não cobram nada para eventos gratuitos, apenas uma comissão em cima dos pagos. Este modelo de negócio está, até agora, funcionando?

Leandro – Sim. Muitas vezes, os gratuitos são o nosso cartão de visita, que acaba gerando oportunidades de receita. Também representam uma forma de contribuirmos com a comunidade acadêmica, que às vezes carece de recursos.

Em 2016, estamos aumentando a nossa oferta de serviços, além de rever o modelo de cobrança sobre as inscrições. Criamos, por exemplo, uma solução online para compartilhamento dos Anais das conferências com os participantes. Assim, não é mais necessário o uso de CDs ou pendrives com este intuito. O PIBIDSUL foi um dos que usou este recurso.

Even3 - Case - SuoceanA XXVII Semana Nacional de Oceanografia, que ocorreu na UFPA, foi um dos cases de sucesso do Even3

O Even3 esteve entre os selecionados para o Startups&Makers da Campus Party Recife de 2015. Recentemente, foi escolhido para expor na Campus Party Brasil, em São Paulo, junto a outras 99 startups. Dessa vez, com mais gente, como vocês esperam se destacar e atrair possíveis investimentos?

Renato – Desde a Campus Party Recife, evoluímos bastante o nosso produto, serviço e equipe. Estamos mais focados na nossa startup, com dedicação total ao projeto. Isso vem trazendo excelentes resultados. Estamos indo bem confiantes para São Paulo, pois acreditamos que podemos realizar ótimos negócios, encontrar boas oportunidades e fazer networking com empresas da região. Também queremos demonstrar nosso produto de uma forma sólida, além de visitar nossos grandes clientes pessoalmente.

Vocês largaram suas carreiras já estabelecidas para focar no produto. Vieram vários cases de sucesso. Qual o próximo passo?

Cláusio – Largar os empregos foi uma decisão difícil, devido às incertezas de uma startup. O que nos fez adquirir confiança e tomar este rumo foi o mercado, que está cada vez mais requisitando nossos serviços. Nossa base de clientes cresce exponencialmente por todo o Brasil. Em 2016, estamos querendo consolidar a empresa, através de um processo de aceleração de startups ou investimento anjo. Precisamos dar mais velocidade às nossas operações.

Em relação ao produto, estamos determinados a otimizar o desempenho do Even3. Nos últimos 4 meses, tivemos eventos que bateram recordes. Em apenas um deles, foram 6 mil inscritos, 700 atividades criadas e 35 mil certificados emitidos. Sempre escutamos os feedbacks, agindo em um processo contínuo de melhorias com técnicas de Customer Development, Design Thinking e Lean Startup.

Even3 - Workshop - SenaiEquipe do Even3 em workshop realizado na Faculdade Senac

O cenário pernambucano de startups tem fornecido o suporte necessário para vocês ou é preciso buscar divulgação em outros lugares para poder crescer?

Renato – O cenário local é bem construtivo. Em complemento ao Porto Digital, temos o Manguezal, que consiste em uma comunidade bastante ativa de empreendedores. Encontros mensais, abertos ao público, geram a troca de experiências. Temos diversos programas de incentivo, como o Startup Weekend, Startup Next e aceleradoras. Este conjunto permite que o mercado evolua ainda mais.

Em relação à divulgação de nossos serviços, consideramos todo o Brasil. O produto possui mais clientes em outros estados do que em Pernambuco, inclusive. Para este ano, pensamos em internacionalização. Até então, atendíamos demandas fora do país pontualmente.

Para finalizar: empreender é uma jornada cheia de desafios. Vocês resolveram arriscar, em meio à crise. Valeu a pena?

Leandro – Este é um momento bastante oportuno para empreender. No geral, startups otimizam processos e geram economia. Porém, ser empreendedor não é nada simples. É preciso sair da zona de conforto e atuar em áreas, até então, desconhecidas. É um desafio diário.

Cláusio – Na crise, o mercado costuma retrair, gerando novas oportunidades para suprir necessidades. É aí que entram os novos negócios, com preços mais acessíveis. Em negócios já consolidados, é mais difícil se moldar a novas realidades, o que premia a criatividade das startups.

Renato – Vimos uma oportunidade. Com a alta do dólar, internacionalizamos nosso produto. Em uma empresa de menor porte, há muito mais flexibilidade, principalmente em termos de receita, o que nos permite arriscar mais. Quando a crise passar, esperamos faturar ainda mais alto, devido ao que estamos plantando agora.