Conheça Super Mario 128, uma das lendas da Nintendo

Conheça Super Mario 128, uma das lendas da Nintendo

Super Mario 64 foi o game que vendeu o Nintendo 64, fazendo grande sucesso e transformando a indústria. Até hoje, muitos jogos de ação que conhecemos herdam elementos de SM64. Talvez você já tenha se perguntando: por que o título não teve um sucessor direto? Na verdade, a Nintendo tentou, mas os trabalhos não viram a luz do dia. Conheça a história de Super Mario 128 em mais uma edição da nossa coluna No Limbo.

O mito de Luigi

Um dos maiores mitos de SM64 é a presença de Luigi. Não, o irmão do famoso encanador não está (oficialmente) no jogo, e a imagem em destaque neste post é uma montagem. Este assunto causou confusão por algum tempo, até Shigeru Miyamoto – criador do mascote – revelar, em 1997, o seguinte sobre um novo projeto:

“Estamos no meio do desenvolvimento de Super Mario 64-2, para o N64DD. Espero tirar proveito da habilidade do DD de armazenamento. Neste momento, Luigi é parte integral do jogo, mas ainda não pensamos no gameplay simultâneo para 2 pessoas, com Mario e Luigi. Vamos trabalhar nisso quando o acessório estiver mais concreto. Sabemos de algumas questões de performance dele”

DD: o trambolho que você não precisava para o seu N64

DD: o trambolho que você não precisava para o seu N64

Antes que você pergunte, o Disk Drive, ou DD, é um acessório que habilita o Nintendo 64 a rodar discos. O aparelho demorou muito para chegar ao mercado e foi um fiasco: saiu apenas no Japão e não tem sequer 15 games. Como consequência, a empresa cancelou o lançamento em outras regiões, focando todos os seus esforços no GameCube, real sucessor do N64. A ideia de ter um novo jogo do bigodudo serviria para impulsionar as vendas do dispositivo, além de trazer o que os fãs mais sentiram falta em SM64: um modo multiplayer.

“Temos considerado uma aventura para quatro jogadores simultâneos, mas cada tela teria que ser extremamente pequena, e teríamos que retrabalhar na câmera. No entanto, este é o tipo de desafio que eu gosto de receber”

As palavras acima vieram de Miyamoto no ano seguinte. Não demorou para os fãs cobrarem a Nintendo pela revelação do projeto. Um time dentro da empresa seguiu trabalhando no protótipo, até que, em 1999, o criador de Mario revelou que havia uma fase pronta. O mecanismo de câmera, de fato foi retrabalhado: em vez de dividir a tela, os desenvolvedores implementaram uma única visão, com a distância dos personagens determinando a distância da câmera. Isto é, se Mario e Luigi estivessem próximos um do outro no cenário, eles seriam exibidos bem de perto na TV, e vice-versa. No entanto, Miyamoto anunciou que o game seria lançado apenas na próxima plataforma da casa.

100 Marios? Mario Sunshine?

Um acontecimento em 2000 chamou atenção: na feira SpaceWorld, a Nintendo revelou imagens de uma demonstração chamada oficialmente de Super Mario 128. No vídeo, o famoso encanador se divide em 128 Marios menores para testar o potencial técnico do GameCube. Era óbvio que as pessoas vinculariam esta versão com a que era feita para o N64DD: afinal, Miyamoto já tinha sugerido o mesmo nome para aquele projeto, mesmo sendo duas iniciativas completamente diferentes.

Independentemente dos bastidores, a realidade é que os fãs estavam ansiosos por mais uma nova aventura do mascote. Com a E3 2001 se aproximando, havia uma esperança de ver algo jogável relacionado à nova aventura do personagem, o que não aconteceu. No entanto, a Nintendo acidentalmente divulgou “Mario Sunshine” e “100 Marios” em uma lista online de futuros lançamentos. Rapidamente ela saiu do ar, mas o estrago estava feito: afinal, qual dos dois seria Super Mario 128?

Super Mario Sunshine era um trabalho à parte de 128, mas que viu a luz do dia

Super Mario Sunshine era um trabalho à parte de 128, mas que viu a luz do dia

Super Mario Sunshine veio a ser a aventura do bigodudo no GameCube, lançada em 2002. Logo, estava evidente que o outro projeto vazado era aquele, exibido em 2000, com 128 Marios (agora 100?). Enquanto Miyamoto evitava o assunto, a própria Nintendo ficava dando esperanças aos fãs de ver alguma novidade. Em pleno Natal de 2002, um executivo da empresa revelou à Playboy japonesa, em entrevista, que Super Mario 128 seguia em desenvolvimento. Em 2005, o então vice-presidente de Marketing para a América do Norte, Reggie Fils-Aime, disse que o jogo estaria presente na E3 daquele ano, algo que não se concretizou.

A herança

Super Mario 128 e Pikmin

Em 2007, o Wii recebia Super Mario Galaxy. A partir dali, houve fortes suspeitas de que Super Mario 128 teria sido cancelado. Coube ao próprio Shigeru Miyamoto enterrar vez o assunto: 128 teve elementos aproveitados pela franquia Pikmin, lançada em 2001 , além de ter evoluído para Super Mario Galaxy. Em outras palavras, era uma experiência inovadora que deu origem a pelo menos dois games. Além disso, a mecânica pensada para Mario e Luigi juntos, no N64, não tinha funcionado adequadamente e, por isso, foi deixada de lado.

Em resumo, 128 teve várias fases: seria o sucessor de SM64 (cujas imagens quase ninguém viu), virou uma experiência inovadora para GameCube (se tornando Pikmin), até evoluir para um título de ação 3D (Galaxy). É divertido imaginar que tipo de experiências a Nintendo cria e nós não ficamos sabendo, não é mesmo? A empresa é realmente uma fábrica de ideias, no mínimo, curiosas.