Super Mario Run: decepcionante ou injustiçado?

Super Mario Run: decepcionante ou injustiçado?

Desde que foi lançado para o iOS na semana passada, Super Mario Run tem sido comparado a Pokémon GO de uma forma nada elogiosa. Uma parcela considerável da crítica especializada – e também do público – acredita que o game mobile da Nintendo não vai durar uma longa temporada e dificilmente sobreviverá às primeiras semanas de hype. Para usar uma expressão bem brasileira, ele é visto como “fogo de palha”. Mas esta não é a maior reclamação dos jogadores sobre o runner que foi maciçamente propagandeado pela gigante japonesa e ganhou até destaque no programa do comediante norte-americano Jimmy Fallon. O preço cobrado – US$ 10, o equivalente a R$ 33 na cotação atual – desagradou para valer e teve impacto negativo nas ações da Nintendo, que sofreram uma queda abrupta.

Mas, afinal de contas, Super Mario Run é realmente tão decepcionante assim ou está sendo injustiçado?

As avaliações do título revelam que o descontentamento não pode ser ignorado. No Metacritic, enquanto a nota da imprensa ficou em 77/100, os jogadores se mostraram impiedosos, dando reviews que resultaram na fraca pontuação de 5.5/10. Apesar disso, outro número não poderia ser omitido desta análise: Super Mario Run ultrapassou 40 milhões de downloads nos quatro primeiros dias, o que quebrou o recorde da App Store de número de downloads para aplicativos gratuitos.

Bem… Acontece que, como já foi dito aqui, o jogo não é realmente gratuito.

O download pode ser feito na App Store e, a partir do ano que vem, provavelmente até março, o game desembarca no Android. A grande questão é que somente três fases do primeiro mundo estão disponíveis gratuitamente. Para liberar todo o resto do conteúdo, o jogador precisa desembolar os US$ 10 já mencionados aqui. Ao todo, são seis mundos e cada um deles possui quatro fases que levam em média dois a três minutos para que o gamer chegue ao final. Façamos a conta mais otimista: 6 x 4 x 3 = 72 minutos.

Ou seja, com pouco mais de uma hora, um jogador casual torra seus R$ 33 e zera Super Mario Run. Talvez duas ou três horas, se a pessoa for realmente muito ruim e morrer com frequência – mas muito ruim mesmo, já que o título possui um nível baixíssimo de dificuldade. Se você for o perfil de jogador para qual o game acaba ao resgatar a princesa Peach, de fato, o custo-benefício deixa a desejar. Some isso ao fato de Super Mario Run exigir conexão com a internet e sugar os dados como um vampiro esfomeado e é fácil perceber o motivo da rejeição.

Dito isso tudo, aqui vai minha opinião: eu sou um defensor de Super Mario Run e pendo a achar que ele está sendo injustiçado. Não tanto, só um pouquinho. E por mais que eu seja fã assumido da Nintendo, as críticas fazem sentido.

Vamos, agora, às minhas considerações:

Além das mecânicas clássicas de um runner, existe o modo Corrida em que o jogador pode competir com outros amigos e pessoas do mundo inteiro. A Nintendo também deve ter absorvido alguma inspiração de simuladores como Animal Crossing e deu aos jogadores a possibilidade de criar e customizar seus próprios reinos, com casas, canos e cogumelos coloridos. O fator replayable está presente e não pode ser desconsiderado. Cada fase do modo Mundo de Super Mario Run possui cinco moedas rosas que desafiam o jogador a serem coletadas. Uma vez que isso é feito, a missão é conseguir cinco moedas roxas. E, por fim, cinco moedas pretas. A cada mudança de cor, maior a dificuldade.

Se você for um jogador mais casual, talvez nada disso funcione como atrativo ao ponto de justificar a quantia acima da média para um game de celular. Mas se o desafio de reunir todas as moedas especiais e desbloquear os personagens do jogo te motivam a continuar pulando nos inimigos e desviar de obstáculos, possivelmente as críticas vão soar exageradas. É o meu caso.

Tentar pegar todas as moedas especiais e vencer as corridas com outros jogadores para aumentar o reino transforma Super Mario Run e faz o jogo pular de um título de fácil digestão para um game que exige paciência e muita destreza. Adicione isso ao fato de que Mario é um dos personagens mais populares da indústria dos videogames. E, inegavelmente, Super Mario Run é visualmente bonito e diverte.

Olhando por este lado, talvez os dez dólares tenham sido um investimento até que justo.