Activision

007 Casino Royale e a adaptação cancelada para Xbox 360 e PS3

Além dos filmes, sempre gostei muito de acompanhar os games da franquia 007. Após alguns tropeços ao adquirir os direitos da marca, a EA passou a fazer um belo trabalho com Agent Under Fire (2002) e Everything or Nothing (2004), além do meu favorito, a parceria com a Eurocom em Nightfire (2003).

Com títulos originais já consagrados, a ideia de fazer adaptações dos filmes de James Bond voltou à tona na EA. Após o desenvolvimento às pressas de From Russia With Love (2005), a empresa acionou mais uma vez seus estúdios internos para adaptar 007 Casino Royale, o filme que seria lançado no ano seguinte, para o Xbox 360 e PS3. No entanto, a ideia deu errado e o game foi cancelado. Conheça essa história em mais um post da coluna No Limbo.

007 Casino Royale e os privilégios da EA

Fase ambientada em Veneza no game

Fase ambientada em Veneza no game (créditos: MI6 HQ)

No mundo dos videogames, ter lançamentos anuais pode ser uma decisão bastante arriscada. Mesmo que a Activision torne isso possível com Call of Duty (e, eventualmente, cancele um ou outro projeto), esta prática só é possível porque há múltiplos estúdios envolvidos no desenvolvimento. Ainda assim, o famoso FPS perde público ano após ano.

A EA teve uma bela parceria com a britânica Eurocom em Nightfire, que saiu para o PS2, GameCube e Xbox. Com excelente avaliação da crítica e boa vendagem, era de se esperar que essa colaboração retornasse em Casino Royale, mas não foi o que aconteceu. A gigante americana convocou o seu time interno de sempre (Redwood Shores, agora conhecido como Visceral Games), que estava prestes a entregar o “apressado” From Russia With Love, além da experiência nos títulos anteriores do espião.

A ideia: ter Casino Royale nas lojas, para o Xbox 360 e PS3, no mesmo dia do lançamento do filme. Uma edição para o Wii estava nos planos, mas cercada por incertezas. A perspectiva seria em terceira pessoa, repetindo a fórmula de Everything or Nothing, mas dessa vez contando com Daniel Craig no papel de Bond. Com um deadline de pouco mais de um ano, os desenvolvedores corriam com o projeto.

De olho nas projeções enormes de lucro, a MGM permitiu o acesso da equipe da Redwood/Visceral ao set do filme. A EA se aproximava de Craig, do diretor e dos times de Produção e Marketing. Vários modelos tridimensionais já estavam concluídos no final de 2005, mas era preciso acelerar o passo. Em janeiro de 2006, com 15% do projeto pronto, trabalhar nas novas plataformas da Sony e Microsoft estava parecendo mais desafiador do que o planejado e os trabalhos foram movidos para o PS2 e Xbox.

Cancelamento e perda dos direitos

Região de Veneza vista do alto de um prédio

Pouco se viu do game, além dessas imagens de Veneza (créditos: MI6 HQ)

Em maio de 2006, eis que uma bomba “explode”: a Activision pagava 50 milhões de dólares pelos direitos do universo de James Bond. A exclusividade valeria a partir do ano seguinte. De olho no filme que sucederia Casino Royale (Quantum of Solace), a empresa já tinha ganho acesso ao mesmo set da EA, de forma a antecipar os trabalhos do novo título, já que ambos os filmes compartilham personagens e parte da ambientação (no fim das contas, momentos chave de Casino Royale foram recriados no jogo da Activision).

Com essa “novidade”, a impossibilidade de entregar Casino Royale no prazo e o descontentamento da MGM, o jogo da Redwood/Visceral foi cancelado. Oficialmente, a EA alegava que queria se afastar de franquias e focar em propriedades intelectuais próprias. Foi uma pena, mas do jeito que a situação estava o game não seria nada bom…

Adivinhem qual o estúdio que foi convocado pela Activision para trabalhar no jogo de Quantum of Solace? A Eurocom, de Nightfire. Além dos dois projetos, o time inglês ainda desenvolveu o remake de GoldenEye 007 no Wii (mais a versão melhorada para PS3 e Xbox 360) e o fatídico 007 Legends (Windows, Wii U, PS3, Xbox 360), que recebeu avaliações tão negativas que fizeram a dona de Call of Duty largar a marca de James Bond. Que fim, não?


Quer conhecer mais jogos arquivados? Siga a nossa coluna No Limbo. Já falamos das tentativas frustradas de retorno de Mega Man, Halo para Nintendo DS, a sequência de Star Fox para SNES, Resident Evil 1.5 e 3.5, entre muitos outros!

Destiny 2 tem pôster oficial divulgado pela Bungie

A comunidade gamer ficou empolgada nesta segunda-feira com um pôster oficial de Destiny 2. A Bungie, desenvolvedora responsável pela franquia, já havia dito que uma sequência estava a caminho e seria lançada ainda em 2017. Desde então, praticamente ninguém dava uma palavra sobre o jogo, mas rumores e imagens vazadas começaram a se espalhar pela internet nos últimos dias. Até que hoje veio à tona o pôster oficial. A fanpage do PlayStation divulgou ele com a mensagem “guardiões, um novo desafio se aproxima”. Entretanto, não há mais detalhes sobre o título.

Data de lançamento de Destiny 2

Esta é a pergunta que todos os fãs da franquia estão se fazendo. Afinal de contas, quando Destiny 2 será lançado? Não há uma confirmação oficial, mas imagens vazadas sugerem que a sequência estará disponível no dia 8 de setembro. As plataformas também não foram divulgadas, mas dificilmente ele será um exclusivo. A imagem promocional foi retuitada tanto pelo perfil do PlayStation como do Xbox no Twitter.  Antes que algum nintendista fique esperançoso, não vimos nada nos perfis da Big N. Com certeza teremos mais informações durante a E3 2017, que acontece em junho, embora é bem provável que antes disso a data seja anunciada.

A franquia Destiny

Para quem dormiu no ponto, Destiny é um jogo desenvolvido pela Bungie e publicado ela Activision. O game de tiro em primeira pessoa (FPS) é online e se passa em um mundo aberto com aquela pegada futurista e pós-apocalíptica que faz muita gente pensar em Halo. Leia mais sobre o enredo de Destiny clicando aqui. Se tiver com preguiça, lá vai o resumo: a humanidade aproveitou os avanços tecnológicos para colonizar planetas. Para variar, algo deu errado e a galera sobrevivente na Terra tem que ser protegida pelos guardiões que recebem energia de uma bola gigante que sobrevoa a cidade. Você é o guardião, agora te vira!

Gráficos de Destiny impressionam. Game foi lançado em 2014

Gráficos de Destiny impressionam. Game foi lançado em 2014

Lançado para PS3, Xbox 360, PS4 e Xbox One, as notas no Metacritic ficaram na casa de 75/100. Em geral, os gráficos são muito elogiados, assim como a trilha e os efeitos sonoros, mas há quem considere o jogo muito repetitivo por conta de missões parecidas e com uma história que não consegue prender o jogador. De uma forma ou de outra, a base de fãs de Destiny é bem grande e eles com certeza estão bem ansiosos para ver Destiny 2.

Gameplay de Destiny

Para quem nunca jogou Destiny e quer conhecer mais sobre a franquia, separamos também um vídeo com gameplay de uma das missões. É a nossa parcela de contribuição para aumentar o hype em torno de Destiny 2, a sequência que chegará em 2017 e, embora a data de lançamento continue um mistério, reza a lenda que será 8 de setembro. Pode avançar o vídeo para 2 minutos, que é quando as coisas realmente ficam interessantes.

Call of Duty em terceira pessoa? Conheça Devil’s Brigade

Call of Duty é uma das franquias mais bem-sucedidas da história dos videogames. Após o lançamento de Modern Warfare em 2007, a série explodiu em termos de popularidade, determinando a saúde financeira da Activision. Para manter a frequência de lançamentos anual, a empresa reveza os projetos entre diferentes estúdios.

Para possibilitar lançamentos tão frequentes, sabe-se que existem inúmeros Call of Duty sendo feitos ao mesmo tempo, com muitos deles terminando cancelados. Um deles seria Devil’s Brigade, para Xbox 360, PS3 e Windows. Conheça um pouco do título em mais um post da coluna No Limbo.

Call of Duty “fora da caixa”

Soldado invade cidade italiana, com visão em terceira pessoa

Tudo parece tão calmo…

Conhecido na Activision por desenvolver jogos relacionados a BMX, além de Agressive Inline e X-Men: The Official Game, o estúdio interno Underground Development recebeu a difícil missão de trabalhar em um Call of Duty. O game seria uma espécie de “plano B”, caso a Infinity Ward não conseguisse entregar Modern Warfare para o final de 2007.

Usando (de forma clichê, mas enfim) a Segunda Guerra Mundial como tema, foi iniciado o desenvolvimento de Devil’s Brigade. Com combates táticos, muita exploração e esquadrões repletos de soldados americanos e canadenses, a primeira missão faria o jogador – em plena Itália – sair do esgoto, alcançando uma praia próxima ao Rio Tibre e então dominando uma cidade repleta por pontes.

A parte inicial do jogo levava 15 minutos e foi usada pela Activision para avaliar a viabilidade do projeto. Até mesmo movimentos de parkour eram possíveis! Orientações para o esquadrão seriam passadas a partir do direcional digital do joystick. Bastava um deslize e todos os colegas poderiam ser mortos. Em um ritmo mais lento que o habitual para um Call of Duty, era preciso adotar uma estratégia coerente para o jogador ser bem-sucedido.

Indo por água abaixo


Gameplay curtíssimo do jogo

Modern Warfare foi terminado a tempo pela Infinity Ward, lançado no fim de 2007 e vendendo horrores (num bom sentido). A Treyarch (com a experiência do segundo e terceiro CoD) já trabalhava no que seria Call of Duty: World at War. Enquanto tudo isso acontecia, a fusão da Activison com a Vivendi Games fazia os executivos reavaliarem os projetos atuais, fechando estúdios que não tinham um histórico comprovado, nem títulos em andamento já com uma quantidade considerável de progresso. Devil’s Brigade era uma aposta que giraria o rumo da série em 180 graus e, mesmo com uma demonstração bem avaliada dentro da Activision, terminou cancelado.

Competir, dentro da empresa, com estúdios com experiência comprovada na franquia tornou-se missão impossível para a Underground Development. No entanto, seria interessante ver o impacto de um game tão diferente como Devil’s Brigade para a série. Inovações são sempre bem-vindas. Infelizmente, CoD terminou seguindo uma fórmula clichê, que segue gerando receitas enormes. Quando tentou-se apostar em algo diferente (Advanced Warfare), os jogadores pediram… um remaster de Modern Warfare. Precisa falar mais alguma coisa?

Quer conhecer mais jogos arquivados? Siga a nossa coluna No Limbo. Já falamos das tentativas frustradas de retorno de Mega Man, do Tomb Raider que envolveria um macaco ajudando Lara CroftHalo para Nintendo DS, a sequência de Star Fox para SNES, Resident Evil 1.5 e 3.5, entre muitos outros!

StarCraft Remastered é revelado pela Blizzard

Clássico de 1998, StarCraft será relançado para Windows e Mac no meio de 2017. StarCraft Remastered vai trazer também o pacote de expansão Brood War, gráficos em 4K e trilhas sonoras refeitas. Além disso, contará com suporte à Blizzard App (conhecida antes como Battle.net), o mesmo client de Overwatch – habilitando um sistema robusto de matchmaking.

O anúncio foi feito em um evento do game na Coreia do Sul. Mike Morhaime, CEO da Blizzard, destaca que o game é uma “referência nos jogos competitivos e em ligas eSports durante quase 20 anos”. Ainda não há informações sobre o preço da edição remasterizada. No entanto, sabe-se que tanto o original quanto o StarCraft Remastered terão cross-play e compartilharão os dados salvos. Tá de parabéns pelo gesto, Blizzard! Só assim para justificar a compra de um remaster, principalmente em uma época em que a indústria parece viver uma crise de identidade.

PS4 Pro é anunciado no PlayStation Meeting

Diretamente de Nova Iorque, a Sony anunciou nesta quarta-feira o PlayStation 4 Slim (o segredo mais mal guardado do ano) e o novíssimo PS4 Pro. Acompanhe abaixo o que rolou no evento PlayStation Meeting desta quarta-feira.

Primeiramente, muito prazer, PS4 Slim

PS4 Slim em pé, ao lado da sua embalagem

Olá, Slim

Já tínhamos abordado aqui no BitBlog: o modelo Slim do PlayStation 4 é um dos segredos mais mal guardados da história dos videogames. Há alguns dias, imagens e vídeos de unboxing do dispositivo vazaram na internet. A Sony esperou até o último instante para falar dele. Por isso, não nos surpreendeu a notícia. O Slim vai substituir o modelo atual, custando US$ 299 na América do Norte e com lançamento em 15 de setembro.

Se você possui o PS4 original, que já teve sua produção descontinuada, não se preocupe: trata-se apenas de uma “plástica”, ou um facelift – como a indústria gosta de chamar estes relançamentos. Além disso, a empresa japonesa anunciou que uma atualização de firmware vai trazer o recurso HDR a todos os 40 milhões de PlayStation 4 já vendidos em todo o mundo. Não ficará tão bom quanto no Pro, mas foi uma decisão acertada de Andrew House e seu time.

PS4 Pro: o novo queridinho da Sony

PS4 Pro em pé

Olá, Pro

O que a internet realmente queria ver no evento era o chamado PS4 Neo. Pedidos atendidos: a Sony revelou a evolução do PlayStation 4, que se chamará Pro. Quem achava que ia demorar pra vê-lo se surpreendeu: o PS4 Pro será lançado em 10 de novembro deste ano na América do Norte, custando US$ 399. Contando com suporte nativo a 4K e HDR, o console terá poder de processamento elevado: o poder da GPU foi dobrado e o clock rate aperfeiçoado. Com isso, até quem não possui TVs 4K poderá notar a diferença no desempenho dos games otimizados para o dispositivo.

A Sony anunciou que mais da metade dos seus títulos já lançados, até aqui, para o PlayStation 4 receberão atualizações para ficarem mais “bonitos” e leves no Pro, que vai compartilhar o mesmo catálogo de jogos do modelo tradicional. É uma evolução: compra quem quiser uma experiência mais avançada. Ao mesmo tempo, um possível “PS5” fica mais longe com este anúncio.

A indústria e o PS4 Pro

Cenário e protagonista de Horizon Zero Dawn

Da talentosa Guerilla Games, Horizon chega já em fevereiro de 2017

Imagens de futuros lançamentos exclusivos (Spiderman, Days Gone e Horizon: Zero Dawn) demonstraram a evolução visual do Pro. Além disso, os já lançados InFamous: First Light, Shadows of Mordor, Deus Ex: Mankind Divided, Call of Duty: Black Ops 3 e Paragon estão entre os games que receberão atualização para funcionarem melhor no novo modelo.

Executivos da Activision e EA Games revelaram no palco que as suas próximas novidades (Call of Duty: Infinite Warfare, Call of Duty: Modern Warfare Remastered, Fifa 17, Battlefield 1 e Mass Effect Andromeda) também estarão otimizados, já no dia de lançamento, para o Pro. A Ubisoft marcará presença da mesma forma com versões melhoradas de Watch Dogs 2 e For Honor. Pelo jeito, a indústria parece estar abraçando a nova criação da Sony, que chega ao mercado quase 1 ano antes do seu principal concorrente, o Xbox One Scorpio.

7 curiosidades sobre o clássico Tony Hawk’s Pro Skater

Tony Hawk’s Pro Skater, lançado em 1999 no PlayStation (e depois levado a outras plataformas), foi o primeiro de uma saga de sucesso nos videogames. Embora uma tentativa fracassada de retorno tenha acontecido em 2015, a excelência dos títulos originais da série é lembrada até hoje. A franquia do skatista Tony Hawk é ainda uma das responsáveis pela popularização dos games esportivos. Conheça, em mais uma coluna Bastidores, algumas curiosidades sobre o primeiro jogo.

Inspirado em… Super Mario 64?

Versão beta de THPS no PS1

Versão beta de THPS no PS1

No início do desenvolvimento, Pro Skater tinha uma visão distante, com os personagens descendo rampas e ladeiras de skate. Fazer manobras para obter pontuações mais altas e colecionar as famosas fitas já eram recursos presentes nesta versão. No entanto, para o time de produção, era difícil “encaixar as peças” e visualizar o esporte reproduzido nos jogos, de forma divertida. Após analisar Super Mario 64 e outros games similares, a equipe da Neversoft mudou o rumo do projeto, adotando uma mecânica mais livre.

Tony Hawk foi mais do que um personagem jogável

O famoso esportista era o ícone do skate naquele momento, nada mais justo do que chamá-lo para ser o protagonista. No entanto, o envolvimento de Hawk foi além, sendo participativo durante todo o ciclo de desenvolvimento: a mecânica adotada e as manobras foram discutidas em conjunto. A ideia era refletir a visão dele em relação ao esporte em um formato jogável.

Segredos bizarros

Namorada de Hawk na tela de pausa

Namorada de Hawk na tela de pausa

THPS é lembrado por ter cheats (códigos secretos) bem inusitados. Embora nos games seguintes seja possível desbloquear personagens como o Homem-Aranha, o primeiro jogo não fica muito atrás no quesito “bizarrice”. Por exemplo, após apertar uma sequência de teclas na tela de pausa, surge a namorada de Tony Hawk na tela. Outro comando traz a namorada de um dos programadores.

Censura no N64

Ao mesmo tempo em que tentou emplacar uma imagem de maturidade, a Nintendo também tropeçou, diversas vezes, em suas políticas de censura. Na edição do Nintendo 64, várias músicas do título foram censuradas, tendo que ser regravadas. A ideia era obter a classificação “para todos os públicos”. No PS1 e Dreamcast, para efeito de exemplo, o game era não recomendado para menores de 13 anos. A censura às faixas foi bem criticada pelos fãs, já que em alguns casos teria alterado o sentido das mesmas. Até o letreiro com os nomes das manobras foi trocado: no PS1 e DC, ele sai da tela deixando um rastro de sangue. No N64, as letras simplesmente descem.

Bruce Willis de skate

Sim, esse é Willis. Bizarro é pouco

Sim, esse é Willis. Bizarro é pouco

No início do desenvolvimento, o famoso skatista não tinha sido ainda modelado em 3D. Como os trabalhos precisavam andar, a Neversoft reaproveitou um modelo de Bruce Willis para testar as mecânicas adotadas. Isso foi porque o primeiro jogo do estúdio, Apocalypse (PS1), usava o ator como protagonista. O jeito foi colocá-lo andando de skate temporariamente.

Escolhendo as músicas

A trilha sonora da série definiu uma geração. Poucos sabem, no entanto, que o próprio Hawk sugeriu cada faixa. O primeiro jogo trazia de Dead Kennedys a Goldfinger, enquanto as sequências tiveram nomes mais comerciais (Foo Fighters, System of a Down, AC/DC).

Uma manobra impulsionou as vendas

Mesmo com o skate no auge, ainda havia incertezas em relação ao desempenho de THPS nas vendas. No entanto, um mês antes da chegada do jogo às lojas, uma manobra (900) feita perfeitamente por Hawk na X Games 99 trouxe grande atenção da mídia e do público, indiretamente refletindo no título, de acordo com o próprio time. Foi um sucesso tão devastador que a Activision transformou Pro Skater em uma série anual.

Call of Duty: Infinite Warfare se passa no espaço

Rumores de um Call of Duty no espaço têm sido discutidos nos últimos anos. Nesta semana, o boato se tornou realidade com o anúncio de Infinite Warfare, o mais novo lançamento da série. A Activision irá focar suas atenções na nova geração e, por isso, o game sairá apenas para PS4, Xbox One e PC em 4 de novembro. Fãs do PS3 e 360 não receberão novos jogos da franquia.

Para onde ir com IW? Os últimos Call of Duty foram bastante criticados pela ausência de novidades. Até mesmo algumas cenas em CG foram repetidas. A pressão por lançamentos anuais, que está se tornando comum na indústria, fez os recentes Advanced Warfare e Ghosts, por exemplo, não venderem o esperado.

Call of Duty Infinite Warfare - 2Combates espaciais em um Call of Duty… Esse momento chegou

O estúdio Infinity Ward, responsável pelo novo título, espera que a ambientação no espaço traga novas possibilidades. “Podemos levar o jogador para ambientes insanos, como a superfície de um asteróide sem controle, além de combate em gravidade zero”, afirmou Jacob Minkoff, diretor de design, em entrevista ao site Gamespot. Será possível, a partir de uma luta terrestre, chamar uma nave e voar pelos céus de planetas extremos, sem interrupções.

Uma versão especial do game vai trazer o remaster de Modern Warfare, de 2007, um dos mais elogiados da geração passada. O estúdio Raven Software recebeu a missão de adaptar MW para o PS4, One e PC, melhorando as texturas, iluminação, áudio e uma série de outros aspectos. 10 mapas multiplayer já foram garantidos pela Activision. Contrariando o desejo dos fãs, este remaster não será vendido separado. Será preciso adquirir a edição especial de Infinite Warfare para jogá-lo.

Call of Duty Infinite Warfare - 3Call of Duty encontra Mass Effect?

Ver Call of Duty finalmente saindo da sua zona de conforto será uma experiência muito positiva. Depois de tanto clichê, enfim, surgiu um jogo que prova que a série está tentando se reinventar. Estaremos cobrindo in loco a E3 2016, então, quem sabe a gente não passa mais novidades para vocês… ;)