BitBlogNoJapão

Parque de diversões da Nintendo abre em 2020

Em maio de 2015, a Nintendo anunciou uma parceria para levar seus personagens aos parques de diversão da Universal. Algo bem-vindo, já que a empresa japonesa não conseguiu ainda ter muito êxito fora dos videogames com Mario, Samus, Link e companhia.

Mario Party 10 - 2 Quem sabe agora o parque de Mario Party 10 não vira realidade

Nesta semana, finalmente, foram revelados mais detalhes do acordo através do site Sankei. A primeira localidade a receber as atrações da Nintendo será Osaka, no Universal Studios Japan. Uma grande área está reservada para as atrações, que ficam prontas em 2020 após investimento de US$ 350 milhões. Será um espaço similar ao de Harry Potter atualmente.

Parque da Nintendo no Universal Studios Japan - OsakaMario e sua turma vão ocupar o espaço em vermelho, uma área considerável do parque (em verde)

A ideia é que as obras fiquem prontas antes dos Jogos Olímpicos de 2020, que serão sediados em Tokyo. Antes que você me pergunte, é muito fácil ir a Osaka a partir da capital nipônica. O trem bala Shinkansen faz o percurso várias vezes por dia em menos de 3 horas, com bastante estabilidade e conforto. Falo por experiência própria!

No final de 2015, estive em Osaka, entre outras cidades japonesas, e claro que fui visitar o Universal Studios local. O parque tem fácil acesso através das linhas de trem da Japan Railways, conectadas a trechos de metrô e ônibus. O espaço dedicado a Harry Potter hoje contém um enorme Castelo de Hogwarts – com um passeio incrível que usa realidade virtual – além de montanha russa, várias lojas, restaurantes e espaço para mágicas. Para a Nintendo, portanto, não poderíamos estar mais ansiosos.

Parque de Harry Potter no Universal Studios Japan - OsakaFoto que tirei do Castelo de Hogwarts em Osaka, só para efeitos de comparação

O BitBlog fez uma lista de 5 atrações que gostaríamos de ver no parque da Nintendo. Vai que ela nos lê, não é mesmo?

  • Uma grande arena composta por minigames, no melhor estilo Mario Party;
  • Passeio pelo planeta Tallon IV usando realidade virtual, homenageando Metroid;
  • Montanha russa temática de F-Zero, com bastante velocidade;
  • Percurso de bote por uma floresta cheia de animais, com a cara de Donkey Kong;
  • Pista de Mario Kart, com até 12 pessoas correndo por vez. Uso de tecnologia para simular o efeito dos itens.


O “Mario Kart real” não precisa ser bizarro desse jeito, mas tá valendo

Prévia: Pokkén Tournament (Wii U)

Em viagem recente ao Japão, um dos meus principais objetivos foi – além de conhecer lugares fantásticos – jogar um pouco o que, até então, era exclusividade de lá. Uma passagem por Tokyo não seria a mesma se eu não tivesse ido a Akihabara, o bairro nerd da cidade. Lá, visitei as lojas da Sega, onde pude experimentar Mario Kart: Arcade GP 2, Luigi’s Mansion Arcade e, claro, Pokkén Tournament.

Já disponível em terras nipônicas para arcade, com uma versão global a caminho para Wii U (agendada para março), o título em questão é uma mistura de Pokémon e Tekken. Desenvolvido pelo mesmo time da série de luta da Bandai Namco, Pokkén Tournament é divertido, principalmente no modo multiplayer. A mecânica é parecida com a de Tekken, mas com novas possibilidades que aumentam o fator replay – principalmente para os fãs dos monstrinhos. Confira a prévia exclusiva do BitBlog.

Pokkén TournamentSuicune é o mais “rockstar” dos Pokémon disponíveis

Gameplay

Com movimentação tridimensional, é possível andar por arenas que lembram Pokémon Stadium, do N64. A versão jogável tinha Blaziken, Pikachu, Charizard, Lucario, Machamp, Suicune, Gardevoir, Sceptile e Weavile. A edição de console terá ainda Mewtwo, Chandelure, Garchomp, Braixen e Shadow Mewtwo (este último apenas para quem adquirir o título em pré-venda). Cada criatura tem golpes únicos e requer prática. Charizard, por exemplo, era bastante lento, mas tinha um dos movesets mais eficientes: o Seismic Toss que o diga, pois me ajudou a vencer um dos torneios disponíveis na campanha solo.

Pokkén Tournament - arcade japonês 2No arcade, uma tentativa custava 100 ienes, o equivalente a quase R$ 3,50

É possível chamar um Pokémon de suporte, no meio das batalhas, para ajudar nos combates. Lembro de ter invocado Ninetales, que soltava várias chamas em direção ao oponente, e Emolga, que eletrocutava o inimigo e reduzia sua velocidade. Após usar este recurso, é preciso aguardar um certo tempo para chamar um parceiro novamente.

Controles

Fiquei surpreso ao perceber que a única forma de jogar Pokkén Tournament – pelo menos no arcade – era com um controle similar aos dos consoles mais antigos. Com um direcional digital e quatro botões (ataque leve, ataque forte, ataque especial e pulo), o acessório se mostrou simples e ágil. Uma versão similar chegará também ao Wii U.

Da mesma forma que em Tekken, é possível se defender dos golpes. Exceto do ataque especial, que pode ser fatal.

Pokkén Tournament - arcade japonêsO controle chamava a atenção de quem estava na loja da Sega


Não espere um Super Smash Bros.: Pokkén Tournament traz uma experiência mais hardcore. Leva-se algum tempo até a se acostumar com a mecânica. Não há itens pelo cenário, apenas você e o oponente. Isso pode afastar um pouco os casuais. De qualquer forma, este é o título que o console da Nintendo precisava para tentar ganhar mais fôlego no mercado. No arcade ou no Wii U, o game vale a pena. Mas tenha um amigo por perto, pois a campanha single-player enjoa logo.