BitSound

#BitSound94 – Metal Gear Solid V: The Phantom Pain

Provável último título de Hideo Kojima na Konami, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain foi bastante aguardado pelos fãs. E não decepcionou. Alcançou médias superiores a 9,4 no Metacritic. Será esta a última aventura de Snake, após a reestruturação da Konami? Vamos torcer para que a franquia continue.

Confira a faixa Nuclear, do Mike Oldfield e do Luke Spiller, que faz parte da trilha sonora do jogo:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

#BitSound93 – Mickey Mouse: Land of Illusion

O BitSound deste sábado traz um clássico do Master System. Mickey Mouse: Land of Illusion foi o sucessor do saudoso Castle of Illusion. No game, Mickey precisa recuperar um cristal roubado, que mantinha a paz em sua cidade. Personagens como o Pato Donald estão presentes e ajudam o herói na aventura.

Escute a faixa Intro, que pertence à trilha sonora do jogo:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

#BitSound92 – Final Fantasy XIII

Aguardar Final Fantasy XIII foi, para os fãs, uma experiência quase interminável. Desenvolvido a partir de 2004, o game foi oficialmente anunciado na E3 2006 e só chegou ao Ocidente em março de 2010. Com pontuação média no Metacritic de 8,3 e 8,2 (em versões para PS3 e Xbox 360, respectivamente), o título foi elogiado pela sua narrativa, além do visual caprichado. O que causou alguma polêmica foi a linearidade adotada, que foi na contramão dos jogos anteriores da série.

Sendo o primeiro jogo da Square Enix a usar o motor Crystal Tools, FF XIII conseguiu o posto de game com as vendas mais rápidas na franquia, considerando o mercado japonês. Dada a ansiedade dos fãs, não era de se esperar algo diferente, não é mesmo? Final Fantasy XIII foi ainda o pontapé para as sequências XIII-2 e Lightning Returns.

Escute a trilha Blinded by Light:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

(A dica desta semana foi do leitor Leonio Ranulfo)

#BitSound91 – Sonic Adventure 2

O ano era 2001. Após anunciar o fim da produção do Dreamcast e decepcionar milhões de fãs, a Sega se preparava para lançar Sonic Adventure 2. Em meio a um cenário não tão positivo, a empresa japonesa fez bonito. O game do ouriço conseguiu repetir o feito do primeiro Sonic Adventure: mesmo usando uma mecânica 3D, provocou as mesmas sensações da franquia em seu auge no Mega Drive, em 2D. Os fãs da Sega puderam, pelo menos por um instante, sorrir.

Diferentemente do antecessor, SA2 não ficou exclusivamente focado nas fases de ação com Sonic e trouxe também estágios de exploração, com Knuckles, além do uso de robôs, com Tails. Estas não são tão divertidas quanto as fases do ouriço. Principalmente os estágios de exploração sofrem com a falta de criatividade, se tornando repetitivos. Entretanto, para compensar, a Sega trouxe um modo – no melhor estilo Tamagotchi – que consiste em cuidar das criaturas Chao, além de disputas multiplayer. No conjunto da obra, Sonic Adventure 2 não deixou de ser um grande jogo, encerrando a fabricação do Dreamcast em alto nível.

Escute a trilha City Escape:

OBS: Se você acha que o Dreamcast morreu de vez, está enganado. Mesmo não sendo mais fabricado, os desenvolvedores indie ainda apoiam a plataforma, conforme noticiamos por aqui.

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

(A dica desta semana foi do leitor Leonio Ranulfo)

#BitSound90 – Hyrule Warriors

Quando a Nintendo anunciou que o Wii U receberia um crossover de The Legend of Zelda e Dynasty Warriors, fãs de ambas as séries receberam a notícia com uma certa preocupação. Será que franquias tão diferentes poderiam, juntas, resultar em um bom game? Hyrule Warriors, de 2014, mostrou que sim.

Com uma mecânica similar à da famosa série da Koei Tecmo, mas com Link e outros personagens do universo Zelda, o jogo alcançou rapidamente 1 milhão de unidades vendidas e tornou-se um dos melhores no catálogo do Wii U. Não é um título para qualquer um, o foco é claro no público hardcore. Os gráficos extremamente trabalhados, a trilha sonora repleta por clássicos e a jogabilidade divertida evitam que o game torne-se repetitivo. A Nintendo pensou bastante no fator replay, liberando um modo cooperativo local para 2 jogadores e disponibilizando bastante conteúdo adicional no formato de DLC.

Escute a trilha de Hyrule Field e tenha uma prévia do quão fantástica é esta trilha sonora:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

(A dica deste BitSound foi do leitor Leonio Ranulfo)

#BitSound89 – Tales of Symphonia

Pra começar: na minha opinião, este é o melhor RPG de todos os tempos, talvez empatado com Persona 4 Golden. Depois farei uma análise retrô pra fundamentar melhor.

Parece que era ontem que eu completava 100 horas de jogo em Tales of Symphonia. Mas estava triste: as side-quests se esgotavam e o game chegava ao fim. Por algum tempo, fiquei tentando encontrar um RPG que me cativasse tanto quanto este aqui. E por que diabos Symphonia marcou tanto? Talvez, pelo conjunto da obra. A narrativa cheia de reviravoltas (do início ao fim), as batalhas envolventes, os personagens bem construídos, as cutscenes em formato anime no decorrer do título… Tudo isso contribuiu pra fazer deste o jogo da série “Tales of” mais vendido no Ocidente. Além, claro, de ter sido o primeiro da franquia completamente em 3D. A trilha sonora é um dos pontos altos, com faixas que combinam perfeitamente com a proposta do título.

O enredo conta a saga de Lloyd Irving, um jovem que resolve acompanhar sua melhor amiga, Colette, em uma jornada para regenerar o mundo. De tempos em tempos, nasce alguém com poder divino, que deve enfrentar os malignos Desians e pacificar a terra de Sylvarant. Entretanto, no decorrer da trama, Lloyd e Colette descobrem que esse era apenas o começo de uma longa e difícil guerra.

É importante lembrar que Symphonia, embora esteja desconectado em termos de narrativa aos demais títulos “Tales of”, usa uma característica muito interessante da franquia: nas batalhas, a mecânica do game muda, incorporando elementos de ação e permitindo ao jogador controlar livremente os heróis. Ao sair da batalha, a jogabilidade volta a ser similar a de um RPG de turnos. Em outras palavras, pense em uma mistura de Final Fantasy com Zelda e talvez fique mais fácil de entender.

Tales of Symphonia saiu originalmente para o GameCube, em 2004. Mas foi relançado em HD dez anos depois para o PS3. E é obrigatório. Se você é daqueles que ficam com “mimimi”, chorando com saudade de Chrono Trigger e comapnhia, dê uma chance ao título do BitSound de hoje. Ele é bem mais recente, mas não fica devendo nada aos clássicos que talvez tenham marcado sua infância.

Abaixo, a música das batalhas na terra de Sylvarant, uma das nostálgicas:

Todo dia o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

#BitSound88 – Dragon Ball Z: Super Butouden 3

Aqui no Ocidente, demorou para Dragon Ball chegar aos videogames. A franquia estava limitada ao Japão, onde apareceu no NES, SNES, PS1, Game Boy, Mega Drive, Saturn e até no Apple Pippin. Os mercados americano e europeu receberam oficialmente o primeiro jogo da série apenas em 2001, The Legacy of Goku.

Como muitos sabem, o anime só veio fazer sucesso mesmo neste lado do mundo através da saga Z, no final da década de 90, quase dez anos após a exibição no Japão. DBZ, como os fãs costumavam chamar, virou uma febre, inclusive no Brasil, deixando os gamers ansiosos por jogos com Goku e companhia. A alternativa, para muitos, foi importar os títulos disponíveis no Japão, ou até mesmo recorrer a emuladores. No SNES, um dos games mais jogados em território nipônico era o Super Butouden 3.

Com uma mecânica similar aos clássicos de luta da época, SB3 contemplava a fase de Majin Boo do anime, trazendo personagens como o Trunks e Goten (ambos crianças), além do Kaioshin. Com modo multiplayer para 2 jogadores, era bem divertido reproduzir as batalhas do anime com os amigos.

Escute uma das faixas, a da tela de escolha dos lutadores:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.