esportes

Esportes populares que fazem falta no mercado dos games

Já estamos no final do mês de agosto e isso significa que logo haverá a enxurrada de games esportivos que coincidem com o início da temporada de vários esportes populares. Franquias como NBA 2K, Fifa, Madden NFL e PES já estão com datas confirmadas para lançar seus tão aguardados novos títulos.

O sucesso é evidente nesses casos. Mas, apesar de existir uma grande base de jogadores que curtem jogos esportivos, ainda há algumas modalidades aclamadas que não são agraciadas com um game de console que tenha repercussão mundial.

Abaixo, fizemos uma lista com esportes populares que ainda carecem de uma franquia forte na atual geração de consoles.

Vôlei

Um dos esportes mais populares do mundo, esta modalidade está nas Olimpíadas desde 1964. De lá para cá, já são 14 edições nos Jogos. Mesmo com tanto clamor nas quadras e nos principais países que produzem games — Japão e Estados Unidos — o vôlei ainda não tem a atenção devidamente merecida nos consoles.

O último game lançado oficialmente em conjunto com a FIVB (Federação Internacional de Voleibol) foi em 2008. Para piorar, o jogo saiu apenas para PlayStation 2 e contava com gráficos nada atrativos. Além disso, não há qualquer evidência de que alguma produtora renomada esteja investindo em uma possível revitalização.

O mais curioso é que, na década de 1990, os jogos de vôlei, ainda que não oficiais, foram muito populares em outras plataformas, principalmente no clássico Super Nintendo.

Em compensação, a modalidade vôlei de praia tem um bom representante com gráficos compatíveis aos da atualidade. É que no ano passado a empresa Great Boolean lançou o divertido game Volleyball Unbound – Pro Beach Volleyball, um sucesso no Steam.

Boxe

É verdade que o boxe vem perdendo espaço para o MMA e já viveu dias mais glorioso, mas ainda é um esporte de alta popularidade e que atrai muita atenção nas grandes lutas.

Desde o fim da série de games Fight Night, que entre 2004 a 2011 lançou cinco versões diferentes, o boxe ficou desamparado de um game popular. O último lançado com bons gráficos foi o Fight Night Champion, mas isso já ocorreu há longínquos seis anos.

Ainda não há nenhum jogo de boxe disponível para a atual geração de consoles. Entretanto, ainda há esperança de que a franquia Fight Night possa eventualmente ressurgir em 2017.

Tênis

Este é mais um exemplo parecido com o boxe. Considerado um dos esportes mais populares do mundo, essa modalidade tem sido estranhamente deixada de lado na nova geração de games.

Nenhuma das franquias populares de tênis, como Grand Slam, Top Spin e Virtua Tennis foi lançada para Playstation 4 ou Xbox One. O último destes títulos, Grand Slam 2, saiu há cinco anos e teve uma recepção boa.

Diferente do boxe e vôlei, há pelo menos um novo game de tênis garantido no horizonte. Tennis World Tour está confirmado para 2018 e com grandes jogadores do circuito já licenciados, como Roger Federer e Angelique Kerber. “Agora, nós podemos criar o grande simulador que sempre quisemos”, disse André Pierre, um dos produtores do game e que trabalhou na criação do renomado Top Spin 4.

Poker

Nos últimos anos, o poker tem experimentado um crescimento em plataformas de streaming, como o Twitch. Falta, ainda, um game consolidado na indústria dos videogames. Não existe um jogo que consiga atrair a atenção dos fãs da mesma maneira que ocorre com as disputas transmitidas online, como as do site 888poker.

A World Series of Poker, franquia mais famosa de games desse esporte, teve cinco versões diferentes com ênfase no Playstation 2, mas a última foi lançada em 2013. Assim como o boxe e o vôlei, neste ano nenhuma grande produtora divulgou qualquer plano oficial para um retorno na atual geração de consoles.

Aplicativo AgendaRun’s traz calendário de corridas

Todo mundo sabe que futebol é o grande esporte dos brasileiros.

Mas, nesta época de fim de ano, quando os campeonatos já acabaram, um dos eventos esportivos de maior visibilidade no país é a Corrida Internacional de São Silvestre. A 91ª edição, programada para o dia 31 de dezembro, reunirá corredores de 37 países e de todos os estados do Brasil, com cerca de 30 mil pessoas.

Embora o circuito seja o mais famoso, existem várias outras corridas que recebem pouca divulgação e passam batidas até pelos atletas. De acordo com o aplicativo AgendaRun’s, serão realizadas pelo menos 50 apenas em janeiro. O app, disponível gratuitamente para Android e iOS, é uma criação da WEEDO.it, uma startup pernambucana que desenvolve aplicativos mobile, sites e web apps.

A ideia surgiu a partir da necessidade de um dos sócios, Gustavo Lins, que sentia dificuldade em manter atualizado o seu próprio calendário de corridas e chegou a perder eventos por conta disso. O desenvolvimento do AgendaRun’s levou dois meses, incluindo desde estudos para projetar o app ao lançamento, no segundo semestre deste ano.

De acordo com Victor Sá, que também é sócio da WEEDO.it, a equipe validou a ideia através de apresentações para amigos atletas e grupos de assessoria esportiva. Ele explicou que a maior parte deles sabia das corridas mais populares e precisava recorrer a diversos sites para reunir as informações necessárias.

Particularmente, eu não me considero público-alvo do AgendaRun’s. Para ser bem sincero, mal corro dez minutos na esteira da academia, embora admire os amigos que se engajam em maratonas aqui no Recife. Mesmo assim, baixei o aplicativo para ver como ele funciona.

AgendaRun's 1

A interface é muito simples. O app funciona como um grande catálogo e as principais vantagens são as atualizações constantes e o fato de concentrar as informações mais importantes em um só lugar. No menu, há a Home – que traz os próximos eventos em ordem cronológica – e a Minha Agenda, uma espécie de favoritos.

Os usuários ainda podem filtrar as corridas por estado, mês e modalidade. Corrida de rua, meia maratona, revezamento e triathlon são algumas das opções para segmentar os resultados.

AgendaRun's 2

Na minha opinião como usuário, entretanto, falta lapidar alguns detalhes que podem melhorar a experiência de quem utiliza o aplicativo. Na Home, em dados momentos, a ordem cronológica é quebrada e os eventos ficam um pouco misturados.

Também achei um pouco estranho, esteticamente falando, o que acontece quando você tenta ver o regulamento das corridas. Em vez de carregar o conteúdo no app, ele exibe uma página em branco pedindo para acessar uma URL. Se for uma questão de evitar deixar o aplicativo pesado, acredito que uma escolha mais adequada seria transformar a palavra Regulamento em um link, cortando essa tela.

A última sugestão é acrescentar uma funcionalidade para localizar o local das provas em aplicativos de mapas. Talvez até já esteja no roadmap da equipe, mas fica aqui a ideia do BitBlog. Vale destacar que apesar das ponderações, o aplicativo é bem completo e deve agradar os mais distintos perfis de corredores.

A WEEDO.it planeja trabalhar na divulgação do AgendaRun’s para aumentar a base de usuários – atualmente em 6 mil no Brasil – e monetizar através de publicidade. Como tem um público bem definido, a expectativa é despertar o interesse de marcas com o mesmo perfil de cliente.

Em janeiro, o aplicativo deve ganhar uma nova versão que promete melhorias na usabilidade. Novas funcionalidades estão previstas, como inscrição e login pelo app, compartilhamento mais fácil e sincronização com um novo portal.