Final Fantasy

Veja os games já confirmados para o Nintendo Switch

2017 marca o lançamento do famoso híbrido de console e portátil. O Nintendo Switch terá maiores detalhes revelados em um evento online no dia 12 de janeiro, mas não precisa esperar: o BitBlog consolidou todos os games já confirmados para a plataforma, além daqueles que estão só aguardando um empurrãozinho para se tornarem oficiais. Confira!

Confirmados

Link correndo de explosões

Breath of the Wild foi o primeiro game confirmado para o Switch

  • Just Dance 2017 (Ubisoft, março de 2017)
  • Project Sonic 2017 (Sega, 2017) – título provisório
  • Sacred Hero (Simplistic, 2018)
  • Seasons of Heaven (Any Arts, 2018)
  • Super Mario (Nintendo, sem data) – título provisório
  • The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Nintendo, 2017)

Demonstrados, aguardando confirmação

Dragão com montanhas ao fundo

A Bethesda tá esperando algo inexplicável para confirmar Skyrim

  • Dragon Quest XI (Square Enix)
  • Mario Kart 8 (Nintendo) – título provisório
  • NBA 2K17 (2K Games)
  • Splatoon (Nintendo) – título provisório
  • The Elder Scrolls V: Skyrim (Bethesda)

Rumores “fortíssimos”

Robô (doll) voando o universo de Mira

Clássico do Wii U, Xenoblade Chronicles X poderá ter uma nova chance no Switch

  • Animal Crossing (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Dark Souls 3 (From Software)
  • Luigi’s Mansion (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Final Fantasy VII Remake (Square Enix)
  • Mario RPG: Invasion of the Rabbids (Ubisoft)
  • Mass Effect Andromeda (EA Games)
  • Sphinx and the Cursed Mummy (THQ Nordic)
  • Super Mario Maker (Nintendo) – relançamento do Wii U
  • Super Mario Sunshine (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Super Smash Bros. Melee (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • The Binding of Isaac Afterbirth+ (Nicalis)
  • Xenoblade Chronicles X (Monolith) – relançamento do Wii U

World of Final Fantasy tem boa estreia

Após uma longa espera, finalmente World of Final Fantasy chegou ao PS4 e PS Vita. O game é uma espécie de homenagem ao legado da série, com inúmeras referências a títulos como FFVII e FFX, mas ao mesmo tempo é interessante para os novatos na franquia.

No Japão, a versão PS4 foi o terceiro game mais vendido na semana de 24 a 30 de outubro, com mais de 53.000 unidades. A edição para Vita veio em seguida, com mais de 47.000 unidades. O game estaria no topo do ranking da Media Create se não fosse o lançamento de Sword Art Online: Hollow Realization nas mesmas plataformas.

Enquanto as vendas nos EUA e Europa não são reveladas, já é possível conferir as análises do público. No Metacritic, World of Final Fantasy PS4 tem 7,8 de avaliação pela imprensa, enquanto que a média dos usuários é 8,3. A edição do Vita tem apenas a avaliação dos usuários, que neste momento é de 8,9. Ambas as versões tiveram pontuação de 36/40 na japonesa Famitsu.

 

5 jogos prejudicados pelo hype

Todo ano é a mesma história. Um game “espetacular” surge em alguma feira (como a E3), os jogadores enlouquecem e, quando o título chega às lojas, a reação é morna. Pior que, muitas vezes, o jogo propriamente dito é bom, mas a expectativa atrapalha tudo… No Man’s Sky não está sozinho em nossa lista, que tenta explicar cada caso em mais uma edição da coluna Bastidores.

Watch Dogs

O protagonista Adam tentando neutralizar um alvo

O primeiro Watch Dogs é bem diferente da sequência

A inteligência artificial, em algumas situações, pode ser bem duvidosa. A falta de objetivos compromete o interesse em jogar até o fim. No Wii U, chega a ser executado a 18 frames por segundo em muitos momentos. Mas Watch Dogs não é, nem de longe, um game fraco. Talvez a revelação midiática na E3 2012 tenha prometido uma experiência “AAA” para um título que, na minha opinião, oscila entre o “regular” e o “bom”. Felizmente, a sequência está muito mais interessante, já estando inclusive em nossa wishlist.

No Man’s Sky

Nave voando no espaço

Hello Games, vocês brincaram com nossos sentimentos

O estúdio Hello Games não fez um trabalho legal ao divulgar o seu ambicioso projeto. A maior queixa da comunidade é em relação ao modo multiplayer online, que foi anunciado (com outras palavras) pelo programador Sean Murray e, dias antes do lançamento, negado. Além disso, o jovem sugeriu que os DLCs futuros seriam gratuitos, desmentindo a informação uma semana após. O conceito de explorar “incontáveis planetas” mostrou-se, para muitos, entediante, pois há poucas diferenças entre eles. Isso não quer dizer que o jogo é ruim, mas sim que a versão final é bem diferente do que pensávamos.

Final Fantasy XIII

"Elenco" de FFXIII

Cloud e Tidus, sentimos falta de vocês

Final Fantasy X e XII são fantásticos. O XI também é, mas por ter foco na experiência online, pode não ser o que os fãs mais fiéis da série esperavam. Logo, a expectativa para a estreia no PS3 e Xbox 360 não poderia ser diferente. Embora tenha vendido muito bem, recebendo avaliações positivas, houve uma parcela considerável de gente reclamando da linearidade de XIII, levando o presidente da Square Enix a dar declarações em defesa do jogo.

Perfect Dark Zero

Cena de tiroteio em Perfect Dark Zero

Joanna Dark, você merecia algo melhor

Rare, o que aconteceu com você? Depois de alguns movimentos questionáveis, culminando com a sua venda para a Microsoft (e resultando no cancelamento de inúmeros projetos), parece que o estúdio inglês ex-Nintendo não foi mais o mesmo. Perfect Dark Zero era uma oportunidade perfeita: a estreia da Rare no Xbox 360, com cinco anos de desenvolvimento e um orçamento altíssimo de publicidade. Quem esperava algo similar ao elogiado Perfect Dark original, para N64, se decepcionou: Zero é genérico em todos os sentidos, conta com um online problemático e já nasceu com gráficos e controles ultrapassados.

Sonic the Hedgehog (2006)

 

A Sega não aprende. Depois de Sonic X-treme (uma oportunidade perdida para o Saturn), a empresa tropeçou de novo com o Sonic de 2006. A estreia do mascote no PS3 e no Xbox 360 foi um verdadeiro fiasco, mesmo sendo divulgada como o renascimento da franquia: o estúdio Sonic Team ignorou vários bugs para lançar o título a tempo do Natal. Pelo trailer acima, dá para entender o motivo da frustração: controlar o mascote em alta velocidade, com visual em alta definição, por si só já gera expectativas…

Final Fantasy XV é adiado para 29 de novembro

Atualização (15/08): A Square Enix confirmou o adiamento do game para 29 de novembro. O diretor Hajime Tabata justificou: “precisamos de mais tempo para entregar a nossa visão do jogo e estamos confiantes que a nova data irá nos ajudar. Quero pedir desculpas a todos pela espera adicional“. Então tá.


Texto original (14/08): Após ter jogado uma demonstração bem rápida na E3 deste ano, que deixou mais perguntas do que respostas no ar, confesso que bateu um pouco de frustração. Final Fantasy XV tá tão perto de seu (suposto) lançamento, e ainda há tanta informação que desconhecemos. Algo confuso para um jogo que está previsto para 30 de setembro – até então.

O Gamnesia divulgou a informação de que FFXV será adiado para 29 de novembro. Uma fonte da rede de lojas americana GameStop teria fornecido a informação ao site. Um encarte, visível abaixo, orienta os funcionários a trocar a data de lançamento em alguns banners, colando um adesivo com a nova data. Isto seria liberado ao público, de acordo com novas informações, no decorrer desta semana. Só nos resta aguardar.

Encarte que teria sido divulgado para funcionários da GameStop

Encarte que teria sido divulgado para funcionários da GameStop

Quem deve ter adorado a notícia é a Atlus, que lança mais ou menos no mesmo período o aguardado Persona 5 no Japão, um concorrente direto de FFXV no gênero.

10 fatos sobre Final Fantasy X que poucos conhecem

Terminei, enfim, a versão HD Remaster de Final Fantasy X. Que grande jogo. Não poderia haver um melhor momento para trazer aqui curiosidades sobre o título, disponível no PS2, PS3, PS Vita, PS4 e, mais recentemente, PC (via Steam). Veja abaixo alguns fatos que poucos conhecem, afinal, é mais uma edição da nossa coluna Bastidores.

OBS: não tem nenhum spoiler significativo neste artigo, exceto pela menção aos nomes dos Aeons e por uma cena bizarra entre os protagonistas. Se considera isso um spoiler, fica o aviso.


A Buster Sword, de FF7, estaria de volta

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

Um dos pontos marcantes de Final Fantasy VII é a Buster Sword. A espada do protagonista Cloud Strife, no entanto, estava prevista para retornar em FFX. Alguns jogadores descobriram que o equipamento gigantesco está no código do game, como uma espada compatível apenas com Tidus. Não se sabe o motivo pelo qual a Square retirou a Buster da versão final, sendo necessário o uso de cheats (como o acessório Action Replay) para obtê-la.

Haveria um modo online

Já ouviu falar do PlayOnline? O serviço foi uma tentativa da Square de criar uma plataforma única para os seus jogos online, como Front Mission Online e EverQuest II. Final Fantasy X, no PS2, seria um dos primeiros games compatíveis. No entanto, os recursos online foram descartados no decorrer do desenvolvimento, pois o projeto já estava bem ambicioso. Tais funcionalidades foram migradas para Final Fantasy XI, o único game que ainda mantém o PlayOnline ativo em 2016 (em sua versão para PC).

A inspiração para o mundo de Spira

O designer de personagens Tetsuya Nomura revelou a inspiração para Spira. Segundo ele, o Japão, Tailândia e a região do Pacífico Sul determinaram a ambientação e a cultura do mundo de FFX, principalmente nas ilhas de Besaid e Kilika, presentes no início do jogo.

Uma longa jornada

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O script de Final Fantasy X é 10 vezes maior que a média dos filmes hollywoodianos. São tantas reviravoltas no enredo que até os dubladores se impressionaram. Matt Mckenzie e Hideo Ishikawa, as vozes de Auron nas edições americana e japonesa – respectivamente – ficaram “imensamente chocados” com o final daquele personagem, por exemplo.

Arrancando lágrimas

Em uma pesquisa feita pela revista Famitsu no Japão, divulgada em 2012, FFX foi eleito o jogo que mais emocionou os jogadores. De fato, o final é muito tocante. Mas não vou falar nada, vamos conter os spoilers… Se não jogou ainda, tá perdendo tempo!

Desafio adicional

As edições europeia e International do jogo no PS2, lançadas algum tempo após a norte-americana, trouxeram vários desafios adicionais, incluídos também no recente HD Remaster (PS3, Vita, PS4 e PC). O mais notável: todos os Aeons ganharam versões “Dark”, que surgem durante as side-quests no intuito de atrapalhar o jogador. De Dark Valefor até as Dark Magnus Sisters, é preciso ter paciência para derrotá-los (ou pagar muito pro Yojimbo)…

Teve cena virando meme

Em um momento do jogo, Tidus sugere a Yuna rir bem alto, como forma de motivá-la e esquecer os problemas. Foi algo bizarro (veja acima), que gerou piadas entre os jogadores. O site USGamer fez uma entrevista recente com três tradutores do game e ouviu a seguinte resposta:

Em um momento, conversei com o escritor Nojima-san sobre essa cena, e perguntei: “o que diabos é isso? o que devo dizer ao ator? Porque essa cena é bem incomum”. E o Nojima basicamente disse que ele estava praticando a ideia de rir forçadamente, e que isso inclusive era algo feito em aulas de atuação. Então, foi algo estranho, tanto na versão em inglês quanto em japonês. Não foi algo relacionado à tradução.

O retorno dos Summons

Summons, Eidolons, Espers… Embora tenham nomes diferentes no decorrer da série Final Fantasy, todos eram formas de invocar “entidades” para auxílio nas batalhas. Em FFX, eles se chamam Aeons e podem ser controlados pelo jogador, sendo invocados por Yuna. Vários deles aparecem em outros jogos da série, exceto por Valefor (o Aeon preferido de Yuna) e os 3 secretos. Em outras palavras, você verá aqui os clássicos Ifrit, Ixion, Shiva e Bahamut.

Teve, pela primeira vez, uma continuação direta

Até então, todos os Final Fantasy da série principal eram independentes. Mas o sucesso de X foi tão grande que veio Final Fantasy X-2 em 2003, a primeira continuação direta em formato jogável. Embora não tenha vendido tanto quanto X, a sequência X-2 também foi um sucesso de crítica, sendo incluído nos relançamentos recentes em HD.

Tentou-se criar um elo com FF7

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

Os produtores do jogo tentaram criar conexões com o universo de Final Fantasy VII, mas só conseguiram implementar em X-2, quando Shinra e Rin discutem o potencial do Farplane como uma fonte de energia. O primeiro afirma que a possibilidade de refinar tal energia de forma segura só poderia ser feita “muitas gerações após”. Foi daí que viria a origem da Shinra Electric Power Company de FF7, viabilizada através da viagem espacial.

World of Final Fantasy: veja 10 minutos de gameplay

Anunciado na E3 2015, World of Final Fantasy é a aposta da Square Enix para conquistar jogadores mais novos, além de relembrar a mecânica dos primeiros games da série. O RPG chega ao PlayStation 4 e PS Vita em 25 de outubro.

Por não ter sido exposto na E3 2016 (não vimos nada do game por lá, exceto por um banner), muita gente se questiona se World of Final Fantasy será lançado mesmo nesse ano. Afinal, poucas novidades tinham sido reveladas. Para saciar a curiosidade dos fãs, o canal PlayStation Access conseguiu um gameplay de 10 minutos do jogo, mostrando o seu sistema de batalha e evolução. Confira abaixo.

Zelda: Breath of the Wild é eleito melhor jogo da E3 2016

A E3 2016 foi épica! A edição deste ano da maior feira de videogames aconteceu em junho. O BitBlog esteve presente e trouxe tudo, tudo, tudo (ou quase) o que aconteceu por lá (confira na tag BitBlogNaE3), direto de Los Angeles. E, para virar a página, só faltava a tradicional lista de melhores jogos do evento, feita anualmente pelo Game Critics Awards, que envolve os votos da imprensa.

Mesmo enfrentando uma concorrência forte de Horizon: Zero Dawn e do novo God of War, o destaque ficou mesmo com The Legend of Zelda: Breath of the Wild, para Wii U (com versão para o NX a caminho). Veja abaixo a lista completa, com nossa opinião para cada categoria. Afinal, jogamos muita coisa no evento!


Melhor jogo do evento

The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Wii U, NX)
Desenvolvedora: Nintendo
Leia aqui nossas impressões

Zelda - Breath of the Wild

Opinião BitBlog: Como não concordar? Ao entrar no pavilhão do LA Convention Center, o imponente estande que a Nintendo montou já chamava atenção. As filas para jogar o título davam voltas e voltas no entorno. Tudo isso para conferir a nova aventura de Link, que incorpora mecânicas clássicas da série com a modernidade de Dragon Age e similares. O time de Shigeru Miyamoto realmente saiu da zona de conforto para atualizar a franquia – e conseguiu. Mal podemos esperar por março de 2017! Que venha The Legend of Zelda: Breath of the Wild.

Melhor nova série

Horizon Zero Dawn (PS4)
Desenvolvedora: Guerrilla Games
Leia aqui nossas impressões

horizon-zero-dawn-screen-02-ps4-us-13jun16

Opinião BitBlog: Ao colocar as mãos no joystick do PS4 para curtir a aposta da Sony para este ano, pude perceber: o hype faz todo o sentido. O universo de Horizon é imenso, detalhado e único. Em nossa opinião, a briga com For Honor (veja aqui nossas impressões), da Ubisoft, foi boa nesta categoria. Mas no final, concordamos. Horizon: Zero Dawn merece o prêmio.

Melhor jogo de console

The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Wii U, NX)
Desenvolvedora: Nintendo
Leia aqui nossas impressões

Opinião BitBlog: Não tem nem o que falar. Essa categoria é mesmo de The Legend of Zelda: Breath of the Wild.

Melhor jogo de realidade virtual

Batman: Arkham VR (PS4)
Desenvolvedora: Rocksteady
Leia aqui nossas impressões
(Não fomos autorizados a divulgar imagens do título)

Opinião BitBlog: Ao aguardar na fila para curtir a demonstração, conversamos rapidamente com o pessoal da Rocksteady. Eles afirmaram que, toda vez que terminam de desenvolver um game do herói-morcego, dizem que foi o último. Mas aí surge uma oportunidade imperdível e eles voltam atrás. Após jogar a demonstração completa de Arkham VR, fica evidente o motivo: trazer Batman para a realidade virtual foi uma bela sacada. Sem a ação dos projetos anteriores, aqui o foco é a investigação. A propósito, a imersão é excelente. Gostamos muito de Arkham VR, mas, nesta disputadíssima categoria – em nossa opinião – o prêmio deveria ir para Thumper (PS4, Oculus Rift, Vive, veja aqui nossas impressões) – uma experiência que conseguiu ser ainda mais imersiva do que a nova aventura do morcego.

Melhor jogo de PC

Civilization VI (Windows, Mac OS X, Linux)
Desenvolvedora: Firaxis

Opinião BitBlog: Não jogamos o novo Civilization, apenas vimos o gameplay. O que a imprensa tem elogiado tanto é que, mesmo mantendo a essência clássica da franquia, o estúdio Firaxis conseguiu introduzir várias mecânicas novas. Até a inteligência artificial foi retrabalhada completamente.

Melhor hardware

PlayStation VR (PS4)
Fabricante: Sony Interactive Entertainment
Leia aqui tudo que jogamos no PS VR

PlayStation VR - o dispositivo

Opinião BitBlog: Não podíamos concordar mais! O PlayStation VR dominou o show. Mesmo em experiências frenéticas que causaram enjoo (Rigs e Eagle Flight, por exemplo), temos que reconhecer o enorme potencial do acessório em aventuras on-rails (como no assustador Until Dawn: Rush of Blood, Wayward Sky, Thumper e Batman: Arkham VR). Depois da E3 2016, finalmente acreditamos no potencial da realidade virtual nos videogames.

Melhor jogo de ação

Battlefield 1 (PS4, Xbox One, PC)
Desenvolvedora: DICE
Leia aqui nossas impressões

Battlefield 1 - gameplay

Opinião BitBlog: Conforme colocamos em nossa prévia, Battlefield 1 é bem ambicioso. Embora o hype seja enorme, não vimos nada extraordinário no game, que segue fielmente a fórmula da série. Em nossa opinião, seria mais justo o prêmio ir para o incrível Titanfall 2 (veja aqui nossas impressões), o destaque da EA neste ano. Em segundo lugar, ficaria Dead Rising 4 (veja aqui nossas impressões), um dos momentos mais divertidos que tivemos no evento!

Melhor jogo de console

The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Wii U, NX)
Desenvolvedora: Nintendo
Leia aqui nossas impressões

Opinião BitBlog: Não tem nem o que falar. Essa categoria (também) é mesmo de The Legend of Zelda: Breath of the Wild.

Melhor RPG

Final Fantasy XV (PS4, Xbox One)
Desenvolvedora: Square Enix
Leia aqui nossas impressões

Final Fantasy XV - E3 2016 - 2

Opinião BitBlog: O sistema de combate mudou completamente. Embora isso tenha afastado alguns fãs de longa data, convidamos estes a testarem o próximo FF, assim que estiver disponível. A Square Enix realmente está se esforçando para inovar. XV consegue ser frenético como nenhum outro Final Fantasy, ao mesmo tempo em que traz elementos clássicos. O prêmio é justo, Final Fantasy XV foi o melhor RPG da EE 2016.

Melhor jogo de corrida

Forza Horizon 3 (Xbox One, PC)
Desenvolvedora: Playground Games, Turn 10

Opinião BitBlog: Mais uma disputa grande. Embora Horizon 3 agrade bem os fãs, por uma pequena diferença, acreditamos que o prêmio poderia ir para Gran Turismo Sport. A imersão no último foi maior, então, vamos usar isto como critério de desempate. Na correria da E3, terminamos sem escrever prévias para eles, mas fica aqui a nossa recomendação para o título do PS4.

Melhor jogo de luta

Injustice 2 (PS4, Xbox One)
Desenvolvedora: Netherrealm

Opinião BitBlog: Sim, o prêmio é de Injustice 2, por dois motivos: além de ser divertido, não houve concorrência na feira.

Melhor jogo de esportes

Steep (PS4, Xbox One, PC)
Desenvolvedora: Ubisoft Annecy
Leia aqui nossas impressões

Steep - gameplay

Opinião BitBlog: Jogamos Steep. A iniciativa da Ubisoft de inovar no gênero é louvável. Alguns bugs foram encontrados na demonstração, mas nada que prejudique a experiência. Se a categoria se limitasse a futebol, certamente indicaríamos Pro Evolution Soccer 2017 (veja aqui nossas impressões e uma entrevista exclusiva). Como não é caso, assinamos embaixo: parabéns, Steep!

Melhor jogo para a família

Skylanders: Imaginators (PS4, Xbox One, Wii U, PC, PS3, Xbox 360)
Desenvolvedora: Toys for Bob

Opinião BitBlog: Não há concorrência, portanto, assinamos embaixo, é Skylanders: Imaginators mesmo. Quem poderia ameaçar o posto seria Sea of Thieves (veja aqui nossas impressões), mas este último pecou pela ausência de modo cooperativo local e pela mecânica repetitiva.

Melhor multiplayer online

Titanfall 2 (PS4, Xbox One, PC)
Desenvolvedora: Respawn
Leia aqui nossas impressões

Titanfall 2

Opinião BitBlog: Claro que é Titanfall 2. Além de ser a chegada da série ao PS4, o título consegue melhorar o que já era bom no anterior. Graças à liberdade de jogar em um gigante Titan ou não, aos cenários relativamente pequenos (perfeitos para o combate) e ao mais importante: agilidade.

Melhor jogo independente

Inside (Xbox One, PC)
Desenvolvedora: Playdead

Opinião BitBlog: Não jogamos Inside. Subestimamos a atmosfera envolvente do indie, que já está há seis anos em desenvolvimento. Ao mesmo tempo que amamos We Happy Few (veja aqui nossas impressões), gostaríamos de experimentar Inside para tirarmos uma conclusão. Portanto, nesta categoria, vamos ficar devendo.

Menção honrosa para gráficos

God of War (PS4)
Desenvolvedora: Sony Santa Monica

Opinião BitBlog: O novo God of War não estava jogável, mas merece o prêmio. Através do gameplay exibido na feira, ficou evidente que ele merece!