indie games

Stardew Valley lidera vendas na Steam

Um desenvolvedor resolve fazer, por conta própria, o seu próprio game. Após mais de três anos de trabalho, finalmente o resultado vê a luz do dia. Stardew Valley chegou ao Steam neste final de semana e já está arrancando elogios do público, com direito à liderança de vendas na loja.

Feito em C# e XNA, o game do desenvolvedor Eric Barone agrada, lembrando os melhores dias de Harvest Moon no SNES. No papel de um menino ou uma menina, é possível cuidar de animais e plantações em uma fazenda, se relacionando com outros 30 personagens. Uma caverna gerada aleatoriamente para cada jogador permite maiores desafios, com a presença de monstros que guardam minerais preciosos.

Fazer um jogo sozinho não é fácil. Quando o resultado – mesmo nestas condições – é positivo, vale a pena conferir. Abaixo, o trailer de Stardew Valley.

 

Não, o jogo não foi feito no RPG Maker

Leia mais: Harvest Moon inédito chega ao Android e iOS

Estúdios criticam postura da Nintendo com o NX

especulamos bastante sobre o Nintendo NX, mas não somos os únicos sem informação. Até mesmo os desenvolvedores de games estão se sentido perdidos, devido à falta de informações relacionadas ao novo sistema.

Martin Sahlin, do time responsável por Unravel, manifestou ao GamingBolt que gostaria de saber mais sobre o console, mas que a Nintendo está adotando uma postura muito conservadora, sem expor detalhes. “A Nintendo queria que nós propuséssemos algo para o NX, para só depois falar mais informações. Como podemos propor ideias para algo que nem sabemos o que é?”, questionou.

Já Thomas Mahler, da equipe de Ori and the Blind Forest, foi mais incisivo em conversa com a Eurogamer: “a Nintendo ainda não entregou qualquer kit de desenvolvimento. Provavelmente, irá vender o NX em 2016. Posso já garantir que simplesmente não terá jogos, pois não é possível criar algo em menos de um ano. Quer dizer, até pode, mas será um lixo”.

Nintendo NX - Patente do controle - 2Ainda é cedo pra saber se os estúdios vão curtir a ideia do controle “inovador”

Por outro lado, um rumor apontado por Liam Robertson – o mesmo que está prevendo Paper Mario no Wii U – aponta que a EA está mantendo negociação com a Nintendo para desenvolver jogos para o seu novo console. A EA estaria pedindo ajuda para emplacar seus títulos esportivos, como Fifa e Madden NFL. Uma reunião em março entre as partes, de acordo com o rumor, deve selar o rumo do acordo. Não custa lembrar: este último parágrafo é uma informação não oficial.

O que você acha? O NX vai emplacar? Se todos os relatos acima forem verdadeiros, a Nintendo pode estar pensando muito nas empresas grandes e esquecendo das pequenas, o que seria um grande erro. Depois de dar grandes passos neste aspecto com o Wii U, não faz nenhum sentido voltar à idade da pedra…

Leonardo DiCaprio vira piada em jogo para PC

Já se foram várias tentativas, mas Leonardo DiCaprio ainda não conseguiu ganhar o seu Oscar. No mundo dos games, no entanto, ainda há esperança.

Em Leo’s Red Carpet Rampage, jogo online para navegadores, o ator deve correr em busca do prêmio, enquanto desvia de fotógrafos e supera concorrentes. Até a Lady Gaga aparece na maratona, junto a Matt Damon e outros famosos. Ainda há minigames que tentam aperfeiçoar o talento de DiCaprio na atuação.

O título é gratuito e pode ser jogado no site oficial. Abaixo, veja o trailer.

 

Unity já está disponível no New 3DS

Demorou quase 1 ano após o anúncio, mas a engine para criação de jogos Unity chegou, oficialmente, ao New Nintendo 3DS, de acordo com anúncio desta sexta-feira (29).

Trata-se da Unity 5.2. Já é possível criar um projeto na IDE do tipo “New 3DS”. Por incrível que pareça, é possível levar este tipo de projeto ao 3DS convencional, pelo menos teoricamente. A questão é que os games poderão executar em péssimas condições, com baixo framerate e frequentes travamentos. Por isso, é recomendado considerar apenas o novo modelo, que possui hardware bem superior.

Unity no New Nintendo 3DSAgora, a biblioteca do pequeno notável da Nintendo deve crescer exponencialmente

Nos próximos dias, dezenas de games feitos em Unity chegarão ao New 3DS, pois a fabricante estava trabalhando com alguns estúdios há algum tempo, liberando antes as ferramentas de desenvolvimento necessárias. Com isso, é bem provável que os jogos mais robustos do portátil não sejam da Nintendo (que lançou, até aqui, apenas o Xenoblade Chronicles 3D), mas de desenvolvedores indie. Tá aí uma bela oportunidade!

Recife recebe workshop sobre Unreal Engine

Como parte do Recife Summer School, vem aí mais um evento interessante para os desenvolvedores de jogos e curiosos. Um workshop sobre a Unreal Engine 4, organizado pela Epic Games, acontecerá nesta terça, 26/01, a partir das 13:30, nas instalações da Jump Brasil (Rua Capitão Lima, 420 – Santo Amaro).

O evento é gratuito e as inscrições são feitas pela internet. Às 14h, será ministrada uma palestra sobre a poderosa engine, com a participação de Paulo Souza, da Epic. Em seguida, um caso real: a Kokku Games apresenta Bacon Run, um título mobile que usou a UE4. Logo após, um tutorial mostrando como desenvolver um endless runner.

Paulo Souza Epic GamesPaulo Souza é evangelista da Epic e estará presente no evento

É importante lembrar: com o sistema de Blueprints da UE4, desenvolver um game passou a ser uma tarefa mais fácil. Portanto, não apenas programadores, mas também artistas e designers serão bem-vindos no evento.


Leia mais: Epic Games revela planos para o Brasil

E mais ainda: Recife recebe Global Game Jam, de 29 a 31 de janeiro de 2016

Recife recebe Global Game Jam de 29 a 31 de janeiro

Vem aí mais uma Global Game Jam em Recife. Para quem não conhece, o evento gratuito é aberto aos interessados em desenvolver jogos. Não apenas veteranos, mas também os curiosos, que nunca fizeram um game. Esta edição será parte do Recife Summer School, que acontece na Jump Brasil (Rua Capitão Lima, 420 – Santo Amaro), de 29 a 31 de janeiro. O IGDA Recife é responsável pela realização. Serão 48 horas seguidas de maratona, com direito a refeições, muito café e um espaço para dormir – dormir, inclusive, é extremamente recomendável. E sim, pode trazer seu colchão e travesseiro.

Um dos organizadores desta edição da GGJ, Leonardo Carvalho, aponta para a importância de envolver pessoas com perfis diferentes: artistas, programadores, game designers, sound designers, entre outros. “No entanto, mesmo sem experiência nessas áreas, ainda é possível contribuir, havendo iniciativa e disposição. Poderá ser feito qualquer tipo de game, inclusive de tabuleiro”. Ou seja: se você está fora da indústria, mas é um curioso, também é bem-vindo para a maratona, que começa às 19h da sexta-feira (29).

Entre as Jams organizadas pelo IGDA Recife, esta é a que teve mais inscritos até aqui – 101, para ser mais exato. Destes, 31 estão na fila de espera, já que são 70 vagas. Mas não precisa desanimar: Leonardo diz que é comum haver desistências, pois confirmará presença com cada participante nos próximos dias. Ainda dá para entrar na fila através da página no Eventick. A infraestrutura desta edição será bastante robusta, graças ao apoio dos patrocinadores.

GlobalGameJam-Recife-2015-2Global Game Jam é sinônimo de networking

Formação das equipes

O lema da GGJ é “inovação, experimentação e colaboração”. Leonardo destaca que “os participantes são incentivados a inovar, criando jogos que fujam de qualquer padrão”, além de proporcionar o networking. E quanto ao tamanho das equipes? “Se todos os 70 participantes quiserem fazer uma equipe gigante para trabalhar em um grande jogo, também é possível. No entanto, o mais convencional é termos times com 3 a 8 pessoas”.

Tenho uma dúvida, e agora?

Durante as 48 horas, certamente vão surgir dúvidas técnicas das equipes. Mas a GGJ estará preparada para ajudar. Tanto no sábado (30) quanto no domingo (31), do início da manhã até o final da tarde, haverá desenvolvedores experientes dispostos a ajudar os participantes. Além disso, durante todo o evento, um representante do IGDA Recife estará presente para oferecer apoio.

Networking

Leonardo acredita que a GGJ é o evento mais importante daqueles promovidos pela IGDA, pois o cenário local ainda falha bastante em networking. “No cenário de games no Recife, temos desde empresas com mais de 10 anos de experiência até desenvolvedores independentes que começaram há pouco tempo, mas ninguém se conhece. O mais importante, na Jam, não é chegar ao fim das 48 horas e ter um título pronto, mas conhecer pessoas e trocar experiências.”

IGDARecife-Workshop-2014Outros eventos, como workshops, fazem parte do calendário do IGDA Recife para 2016

Próximos eventos

O IGDA Recife promove diversos eventos. Em 2016, haverá 14 deles, sendo 11 com fins educacionais/instrutivos (palestras, workshops, post-mortems ou Game Jams) e 3 happy hours. Os eventos educacionais ocorrem mensalmente, de janeiro a novembro. Os happy hours são distribuídos ao longo do ano. O calendário do primeiro semestre da IGDA Recife será revelado durante a abertura da Global Game Jam. Ou seja, não perca a oportunidade de se engajar!


O site do IGDA Recife na Global Game Jam 2016 tem o patrocínio da Epic Games e Unreal Engine, BigHut Games, Manifesto Games, Raid Hut, Ikewai e São Braz. O apoio é do Porto Digital e Jump Brasil.

Análise: FAST Racing NEO (Wii U)

Confesso que estava muito curioso para colocar as mãos em FAST Racing NEO. Principalmente após a entrevista que o game designer dele, Manfred Linznerconcedeu ao BitBlog com exclusividade na última semana. Após três anos em desenvolvimento por uma equipe de cinco pessoas, o jogo de corrida futurista finalmente viu a luz do dia. Não deve ser nem um pouco fácil tornar realidade um projeto ambicioso, como é o caso de NEO. Mas o seu estúdio, a alemã Shin’en Multimedia, já sabe o que é isso. Com clássicos na bagagem (Nano Assault, Art of Balance, Iridion, Nanostray), a empresa de Munique é conhecida – principalmente pelos fãs da Nintendo – por fazer títulos que se sobressaem no cenário indie.

FAST Racing NEO é o que o Wii U precisava: uma experiência extremamente hardcore, que é capaz de prender o jogador por horas em frente à TV. Ao mesmo tempo, não é pra todo mundo: o nível de dificuldade é bem alto (até para os padrões hardcore) e isso pode espantar os mais ansiosos. Veja abaixo a análise do BitBlog, o primeiro review brasileiro do jogo.


Derrotas, derrotas, derrotas e vitórias

FAST Racing Neo - ingame 5Mesmo nas dificuldades mais fáceis, o game é muito rápido

Ao iniciar, fui direto ao modo principal: Championship Mode. Este traz quatro copas, cada uma com quatro pistas, sendo que você precisa figurar entre o top 3 final para ir destravando as copas seguintes. Há três níveis de dificuldade (ligas), sendo que o último libera o Hero Mode (falaremos mais dele abaixo). Comecei pelo Subsonic League/Novice, que de fácil não tem nada, e já fechei a primeira corrida em quarto lugar. Depois, amarguei a sexta colocação. Quando vi o ranking final, estava fora do pódio, sendo forçado a tentar de novo.

Ao mesmo tempo em que questiono meu nível de “senioridade” com este gênero de games, não tem pra onde correr: NEO é difícil e premia os insistentes. Os trajetos das pistas começam simples (embora tenham obstáculos e curvas fechadas), até o ponto em que há avalanches (como no caso de Avalanche Valley) ou desvios bruscos (o deserto de Cevo Canyon me causou muitos sustos na primeira tentativa). É preciso, assim como em outras opções do gênero, dominar o trajeto, para ser competitivo. Um mapa na tela faz falta, o que pode gerar frustrações nos mais exigentes.

Algo interessante no jogo são as Phases – estados do veículo. Ao encontrar um turbo laranja na pista ou uma passagem da mesma cor, por exemplo, você precisa checar seu Phase. Se o veículo estiver na cor azul nesta situação, poderá cair da pista (se era uma passagem) ou perder velocidade (no caso de um turbo). Existem as cores laranja e azul e é preciso mudar entre elas de maneira correta e ágil. Caso contrário, é bem difícil alcançar as primeiras posições.

FAST Racing Neo - ingame 6Paisagens incluem desertos, montanhas e até mesmo estações espaciais

Inicialmente, NEO fornece três veículos. Conforme o jogador vence as copas do Championship Mode, libera novas opções. Cada uma tem as suas vantagens: a Fulcon, por exemplo, tem grande aceleração e uma altíssima velocidade máxima, mas peca pelo peso: 1812 kg. A Spaarc, por sua vez, é mais leve (1175 kg), mas perde bastante na aceleração e velocidade máxima. O jogador precisa encontrar o veículo com o qual mais se identifica para obter melhor rendimento.

No decorrer das pistas, estão presentes esferas de energia que concedem o uso de boosts. Usar em direção a um oponente causa a desestabilização do mesmo, fazendo-o girar – algo bem divertido, por sinal. É importante usufruir dos boosts de forma racional, já que todos os 16 circuitos têm muitas curvas e quedas repentinas. Se cair, o jogador volta a um ponto consideravelmente anterior ao da queda. Ao mesmo tempo, tudo é tão frenético que um deslize não compromete a colocação. Três voltas nos longos trajetos são mais do que suficientes para sair da lanterna e brigar pelas primeiras colocações, mesmo após uma saída da pista ou colisão com algum elemento do cenário.

Nem tudo são campeonatos

FAST Racing Neo - multiplayer 2 pessoasMutiplayer em tela dividida é um dos melhores modos de NEO

O Championship Mode, já descrito, é a porta de entrada para destravar conteúdo adicional. Entretanto, isso não impede o jogador de se desafiar no tradicional Time Attack. Modos multiplayer estão disponíveis, tanto offline (em tela dividida para até 4 pessoas) quanto online (até 8 competidores, 1 por console). Jogar localmente, em tela dividida, é bem divertido. O modo em rede também é interessante, embora um pouco limitado: é possível jogar com pessoas aleatórias do mundo inteiro (Everyone) ou apenas com amigos (Friends), apenas. Não há filtros por localidade, recursos de mensagens, nem mesmo chat por voz.

Já o insano Hero Mode está bloqueado por padrão, sendo liberado apenas quando o jogador completa, nas três dificuldades disponíveis, todas as copas no pódio. Nesta modalidade, surge um medidor de defesa, que pode causar a destruição do veículo em caso de muitas colisões. Além disso, é proibido cair, ou chegar abaixo da primeira colocação – se uma destas situações ocorrer, é preciso começar tudo de novo.

Em qualquer modalidade, é importante lembrar que FAST Racing NEO tem suporte ao recurso Off-TV do Wii U: em outras palavras, é possível jogar apenas na telinha do Gamepad, não usando de forma alguma a televisão. O título suporta ainda três joysticks do console: o Gamepad, Pro Controller (o ideal, na minha opinião) e até mesmo o Wiimote, com sensor de movimento, que responde bem.


Visual: 4.5 / 5

Não é de ontem: as produções da Shin’en costumam usar o hardware disponível até o limite. Os gráficos de NEO são belíssimos, mesmo se tratando de um pacote de menos de 600 MB. Destaque para os efeitos de chuva em Storm Coast, a lava na Hibashira Speedway e a selva em Kenshu Jungle. Algumas texturas estão em baixa resolução, o que está longe de ser um problema, já que o game é bem frenético e estes detalhes costumam passar despercebidos.

Jogabilidade: 5 / 5

Neste aspecto, o título consegue ser imbatível no gênero. Com suporte a vários controles e três tipos de câmera, é impossível não encontrar uma opção adequada ao estilo de jogo de cada um.

Som: 4.5 / 5

A turma da Shin’en tem um background reconhecido em composições de trilhas sonoras. É uma fama de muitos anos. Em NEO, as músicas seguem o ritmo frenético de gameplay e lembram os melhores momentos de WipeOut e F-Zero.

Replay: / 5

O modo multiplayer está presente para manter os fãs do Wii U entretidos por horas e horas. Senti falta de um modo de conquistas. Alguns glitches encontrados travaram o console em duas vezes, mas não é algo que compromete a experiência final.


FAST Racing Neo - cenárioNEO é mais do que uma carinha bonita… É um dos melhores indie games de 2015

A Shin’en se superou desta vez. FAST Racing NEO é o seu trabalho mais inspirado até aqui, além de ser o melhor jogo indie disponível no Wii U. Por apenas US$ 15, trata-se de um excelente custo-benefício, mesmo em época de alta de desvalorização do real. É obrigatório pra quem gosta de F-Zero e WipeOut e mais ainda para quem está ansioso por uma experiência hardcore no console da Nintendo.

Nota geral: ★★★★☆ (9/10)

Data de lançamento: 10 de dezembro de 2015
Plataforma: Wii U
Desenvolvedora: Shin’en Multimedia GmbH
Publisher: Shin’en Multimedia GmbH
Jogadores: 1-4 (offline) e 1-8 (online)