Japão

Entrevista: NIS America traz os bastidores da localização de Ys VIII

Tá achando que fomos a Los Angeles participar da E3 2017 só pra jogar alguns dos games que vêm por aí?

Isso por si só seria suficiente, mas o BitBlog também teve a oportunidade de conversar com Alan Costa, Gerente de PR da NIS America – a empresa que está trazendo Ys VIII: Lacrimosa of Dana ao Ocidente no PS4, Vita e Windows (via Steam). O RPG de ação foi um dos títulos que mais curtimos na feira, então, nada mais justo do que falar sobre ele! E, claro, o futuro do PS Vita, já que a NIS America é uma das maiores apoiadoras do portátil. Veja abaixo o que rolou neste papo!


A nova saga de Adol Christin

Adol, Laxia e Sahad encontram um monstro gigante

Adol, Laxia e Sahad têm um problema sério para resolver…

BitBlog: Para começar, você pode falar sobre o enredo de Ys VIII e como ele se conecta com os outros games da série?

Alan Costa: Cronologicamente, o título se passa logo após Memories of Celceta. Sobre o enredo, (o protagonista) Adol está em um barco que termina virando. Ao invés de descer em um continente como nos anteriores, ele encontra uma ilha deserta, a Ilha de Seiren. Adol tem dois objetivos: a curto prazo, encontrar as outras pessoas que estavam navegando com ele até o incidente. A outra meta é, obviamente, encontrar uma forma de ir embora do local. O herói terá ainda sonhos com uma garota de cabelos azuis longos chamada Dana. Você poderá jogar com ela. A partir daí, é spoiler!

Ys VIII será o mesmo jogo no PS4 e PS Vita em termos de conteúdo?

Boa pergunta! Ambos os jogos têm a mesma narrativa e final, mas a edição do PS4 tem conteúdo extra relacionado a Dana. Você vai jogar mais capítulos relacionados a ela, se envolvendo mais com a estória de Dana. Obviamente, o jogo visualmente está bem melhor no PS4, rodando a 60 frames por segundo, com texturas melhores. Esta versão terá entre 5 e 10 horas a mais de campanha.

O jogo terá personagens de Ys anteriores?

(Ys VIII) é uma nova estória. Ela se passa logo após a Memories of Celceta. Teremos provavelmente o retorno de Dogi, mas nada extraordinário. Serão muitas faces novas.

Em uma praia, os três heróis do jogo estão encarando um dragão

Esse dragãozinho não é nada pro trio de heróis

Ys VIII terá cross-buy ou cross-save entre PS4 e Vita?

Sem planos para isto.

Após o lançamento haverá algum DLC?

Teremos novidades em breve. Saiu algo no Japão e estamos trabalhando na logística de trazer para cá (Ocidente), então teremos mais atualizações depois. Mas adianto que é mais algo relacionado a roupas, por exemplo, e não uma nova saga ou um DLC que adicione horas de jogo.

Podemos esperar o game em outras plataformas?

Teremos a versão do Steam, com lançamento mundial. Em relação a outras plataformas, neste momento não há planos.

Futuro do PS Vita e parceria com Falcom

Capa mostra Adol e Dana, um de costas pro outro

Capa japonesa do game

O que podemos aguardar para os próximos Ys? A série está, aos poucos, migrando para os consoles e PCs? Ou os portáteis ainda receberão lançamentos?

Honestamente, eu não tenho como te dizer. Nós apenas publicamos o jogo, não desenvolvemos ele. Pelo que tenho ouvido da Falcom, pretende-se manter todas as portas abertas. Quem sabe o que vai acontecer, não é mesmo?

Falando sobre o lançamento, percebi que vocês (NIS America) seguraram o lançamento de Ys VIII no Vita para coincidir com a chegada da edição japonesa do PS4, disponibilizando os dois juntos no Ocidente. Procede? Como foi cooperar com a Falcom?

Sim, procede. Trabalhar com a Falcom tem sido fantástico, eles têm oferecido bastante suporte, fornecendo tudo o que precisamos e fazendo aprovações rapidamente. O único desafio para o lançamento ocidental foi o curto prazo de tempo: a versão PS4 está chegando em apenas sete meses após o lançamento no Japão. Nós ainda nos importamos com os usuários do Vita, queremos deixá-los felizes. Infelizmente, não podemos voltar no tempo e adicionar todo o conteúdo extra na edição portátil, mas o mínimo que pudemos fazer foi trazer a edição do Vita também em mídia física, com direito à Collector’s Edition – que também estará disponível para PS4.

Seria Ys VIII o último grande RPG que vocês pretendem lançar no Vita?

Neste momento, não há nada para anunciar. Em julho, teremos um grande evento em Los Angeles, o Anime Expo, então deveremos ter algo interessante para revelar por lá. (Nota: a NIS America lançou esta página para falar que alguns desenvolvedores parceiros, de séries japa renomadas, estarão no Anime Expo para fazer alguns anúncios)


Ys VIII: Lacrymosa of DANA chega ao PlayStation 4, PS Vita e Windows (via Steam) em 12 de setembro. Siga acompanhando o site e redes sociais do BitBlog para mais entrevistas, prévias e notícias!

Nintendo Switch: vendas superam expectativas de analistas

Lançado nos principais mercados em 3 de março, o Nintendo Switch teve seus primeiros dados de vendagem revelados.

No Japão, a revista Famitsu antecipou que o console híbrido superou 330 mil unidades em seus dois primeiros dias nas prateleiras. O título número 1 – como era de se esperar – foi The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que ficou na casa de 193 mil unidades vendidas em edição física. Com o melhor lineup de títulos para o lançamento, os japoneses superaram os números de estreia do Wii U (308 mil) e PS4 (322 mil), mas ficaram abaixo do Wii (371 mil).

Nos EUA, a situação parece ter sido ainda melhor, de acordo com o The New York Times. Em seus dois primeiros dias no mercado, o Switch teve a melhor estreia da história da Nintendo em termos de vendas de hardware (incluindo os portáteis). Até então, quem tinha esse posto era o Wii. O novo Zelda também foi o game com o lançamento de maior vendagem – de todos os tempos – para a empresa, considerando títulos stand-alone (isso é, jogos que não vêm em pacotes promocionais com hardware). A nova saga de Link teve números superiores até mesmo em relação a Super Mario 64 em seus primeiros dois dias.

No Reino Unido, também contabilizando a sexta-feira e o sábado do lançamento, o Switch alcançou mais de 80 mil unidades, o dobro do Wii U em 2012. No entanto, este indicador ainda está abaixo do PS4 (250 mil) e Xbox One em 2013 (150 mil), além do 3DS em 2011 (113 mil) e o Wii em 2006 (105 mil).

Com as boas notícias acima, a Nintendo teve um aumento significativo no valor de suas ações, 4%, deixando os investidores mais otimistas. Resta saber se o momento será mantido com os próximos lançamentos de software.

Vaza a abertura de Tales of Berseria, para PS4 e PC

A série Tales of é uma das melhores do gênero RPG. Com o sucesso alcançado no Ocidente após Symphonia (GameCube), está cada vez mais frequente recebermos os novos jogos da série, que muitas vezes ficavam restritos ao Japão.

Tales of Berseria, que chega no primeiro trimestre de 2017 ao Ocidente, já terá o seu lançamento nipônico já nesta semana. O game terá o mesmo universo do recente Zestiria, embora esteja situado algum tempo antes. Confira abaixo a abertura.

via Destructoid

Parque de diversões da Nintendo abre em 2020

Em maio de 2015, a Nintendo anunciou uma parceria para levar seus personagens aos parques de diversão da Universal. Algo bem-vindo, já que a empresa japonesa não conseguiu ainda ter muito êxito fora dos videogames com Mario, Samus, Link e companhia.

Mario Party 10 - 2 Quem sabe agora o parque de Mario Party 10 não vira realidade

Nesta semana, finalmente, foram revelados mais detalhes do acordo através do site Sankei. A primeira localidade a receber as atrações da Nintendo será Osaka, no Universal Studios Japan. Uma grande área está reservada para as atrações, que ficam prontas em 2020 após investimento de US$ 350 milhões. Será um espaço similar ao de Harry Potter atualmente.

Parque da Nintendo no Universal Studios Japan - OsakaMario e sua turma vão ocupar o espaço em vermelho, uma área considerável do parque (em verde)

A ideia é que as obras fiquem prontas antes dos Jogos Olímpicos de 2020, que serão sediados em Tokyo. Antes que você me pergunte, é muito fácil ir a Osaka a partir da capital nipônica. O trem bala Shinkansen faz o percurso várias vezes por dia em menos de 3 horas, com bastante estabilidade e conforto. Falo por experiência própria!

No final de 2015, estive em Osaka, entre outras cidades japonesas, e claro que fui visitar o Universal Studios local. O parque tem fácil acesso através das linhas de trem da Japan Railways, conectadas a trechos de metrô e ônibus. O espaço dedicado a Harry Potter hoje contém um enorme Castelo de Hogwarts – com um passeio incrível que usa realidade virtual – além de montanha russa, várias lojas, restaurantes e espaço para mágicas. Para a Nintendo, portanto, não poderíamos estar mais ansiosos.

Parque de Harry Potter no Universal Studios Japan - OsakaFoto que tirei do Castelo de Hogwarts em Osaka, só para efeitos de comparação

O BitBlog fez uma lista de 5 atrações que gostaríamos de ver no parque da Nintendo. Vai que ela nos lê, não é mesmo?

  • Uma grande arena composta por minigames, no melhor estilo Mario Party;
  • Passeio pelo planeta Tallon IV usando realidade virtual, homenageando Metroid;
  • Montanha russa temática de F-Zero, com bastante velocidade;
  • Percurso de bote por uma floresta cheia de animais, com a cara de Donkey Kong;
  • Pista de Mario Kart, com até 12 pessoas correndo por vez. Uso de tecnologia para simular o efeito dos itens.


O “Mario Kart real” não precisa ser bizarro desse jeito, mas tá valendo

PS Vita TV é descontinuado no Japão

Conhece o PlayStation TV?

Trata-se de um aparelho minúsculo (cabe na palma da mão), com o hardware do PS Vita, mas plugável na TV. Assim como o portátil, tem suporte a um grande catálogo digital do PS1 e PSP. Isso para não falar do suporte parcial aos jogos do próprio Vita, inclusive em mídia física. Na minha opinião, foi uma boa ideia da Sony, mas que não emplacou comercialmente.

PlayStation TV - portasEntre comprar uma Apple TV e um PS TV, sinceramente, ficaria com a segunda opção

O Japão foi o primeiro país a descontinuar o dispositivo. Na página oficial do produto por lá, consta um aviso, indicando que a fabricação foi encerrada. Com isso, o estoque do PS Vita TV – como é conhecido em terras nipônicas – não será reabastecido nas lojas, que vão tentar se desfazer das unidades existentes. O aviso no site foi inserido neste final de semana pela Sony, sem alarde, e pode indicar o fim de vida do produto nos outros países, já que as vendas do mesmo são, simplesmente, decepcionantes.

Leia mais: o que esperar do PS Vita para o futuro?

Prévia: Pokkén Tournament (Wii U)

Em viagem recente ao Japão, um dos meus principais objetivos foi – além de conhecer lugares fantásticos – jogar um pouco o que, até então, era exclusividade de lá. Uma passagem por Tokyo não seria a mesma se eu não tivesse ido a Akihabara, o bairro nerd da cidade. Lá, visitei as lojas da Sega, onde pude experimentar Mario Kart: Arcade GP 2, Luigi’s Mansion Arcade e, claro, Pokkén Tournament.

Já disponível em terras nipônicas para arcade, com uma versão global a caminho para Wii U (agendada para março), o título em questão é uma mistura de Pokémon e Tekken. Desenvolvido pelo mesmo time da série de luta da Bandai Namco, Pokkén Tournament é divertido, principalmente no modo multiplayer. A mecânica é parecida com a de Tekken, mas com novas possibilidades que aumentam o fator replay – principalmente para os fãs dos monstrinhos. Confira a prévia exclusiva do BitBlog.

Pokkén TournamentSuicune é o mais “rockstar” dos Pokémon disponíveis

Gameplay

Com movimentação tridimensional, é possível andar por arenas que lembram Pokémon Stadium, do N64. A versão jogável tinha Blaziken, Pikachu, Charizard, Lucario, Machamp, Suicune, Gardevoir, Sceptile e Weavile. A edição de console terá ainda Mewtwo, Chandelure, Garchomp, Braixen e Shadow Mewtwo (este último apenas para quem adquirir o título em pré-venda). Cada criatura tem golpes únicos e requer prática. Charizard, por exemplo, era bastante lento, mas tinha um dos movesets mais eficientes: o Seismic Toss que o diga, pois me ajudou a vencer um dos torneios disponíveis na campanha solo.

Pokkén Tournament - arcade japonês 2No arcade, uma tentativa custava 100 ienes, o equivalente a quase R$ 3,50

É possível chamar um Pokémon de suporte, no meio das batalhas, para ajudar nos combates. Lembro de ter invocado Ninetales, que soltava várias chamas em direção ao oponente, e Emolga, que eletrocutava o inimigo e reduzia sua velocidade. Após usar este recurso, é preciso aguardar um certo tempo para chamar um parceiro novamente.

Controles

Fiquei surpreso ao perceber que a única forma de jogar Pokkén Tournament – pelo menos no arcade – era com um controle similar aos dos consoles mais antigos. Com um direcional digital e quatro botões (ataque leve, ataque forte, ataque especial e pulo), o acessório se mostrou simples e ágil. Uma versão similar chegará também ao Wii U.

Da mesma forma que em Tekken, é possível se defender dos golpes. Exceto do ataque especial, que pode ser fatal.

Pokkén Tournament - arcade japonêsO controle chamava a atenção de quem estava na loja da Sega


Não espere um Super Smash Bros.: Pokkén Tournament traz uma experiência mais hardcore. Leva-se algum tempo até a se acostumar com a mecânica. Não há itens pelo cenário, apenas você e o oponente. Isso pode afastar um pouco os casuais. De qualquer forma, este é o título que o console da Nintendo precisava para tentar ganhar mais fôlego no mercado. No arcade ou no Wii U, o game vale a pena. Mas tenha um amigo por perto, pois a campanha single-player enjoa logo.

Jogador deixa SNES ligado por 20 anos para manter save

Quem teve um Super NintendoMega Drive ou outros videogames por muito tempo já sabe: não se deve confiar nos cartuchos. Já nem lembro quantas vezes perdi meu progresso em alguns jogos, simplesmente porque as baterias embutidas neles não eram confiáveis. Quem sabe um dia eu recupero meu save de Super Mario Kart!

No Japão, um jovem teve essa preocupação e tomou uma medida extrema: não desligar mais o console. Resultado: ele alega que seu SNES está ligado há mais de vinte anos, seis meses e duas semanas. O jogador era louco por Umihara Kawase, um título de plataforma que só saiu em terras nipônicas, e não aceitava a possibilidade de começar tudo de novo.

Abaixo, veja o tweet do japonês, que foi publicado em setembro, mas só ganhou popularidade na internet recentemente. E você, tem algum relato parecido para contar?