Jump

Aceleradora Jump, do Porto Digital, completa um ano

A Jump Brasil, aceleradora do Porto Digital, está completando um ano de existência. Para comemorar o aniversário, vai rolar uma edição especial do Jump Sessions com trilhas de conteúdo sobre tecnologia e empreendedorismo. O evento acontece na próxima quarta-feira (27), a partir das 9h e é gratuito. Mas os interessados devem realizar a inscrição antes, clicando aqui.

BALANÇO

O BitBlog conversou com Pedro Henrique, superintendente de aceleração da Jump Brasil. Ele destacou que a aceleradora já se consolidou como a mais relevante do Norte e Nordeste. “Isso quem diz é o próprio mercado. Rodamos a nossa primeira turma de aceleração e as empresas que participaram começaram a despertar interesse dos investidores. Eles olham para a Jump como um lugar que forma empresas interessantes do ponto de vista de serem investidas com capital de risco”, analisa.

Ao longo de 12 meses, a aceleradora teve êxito em apoiar o ecossistema empreendedor da capital pernambucana. Pedro Henrique recorda parcerias com programas da IBM e Amazon para oferecer algum tipo de suporte aos empreendedores da região. “Ainda tivemos vários eventos, workshops e encontros, mantendo uma postura sempre aberta. Ajudamos a organizar o executar o Mangue.bit, por exemplo”, pontua.

NÚMEROS

A assessoria de comunicação do Porto Digital divulgou alguns números da primeira turma de startups aceleradas na Jump:

Archimedes
Fechou 2015 com R$ 300.000,00 de faturamento
10 universidades pagantes

Clapme
A Clapme fechou um aporte de R$ 250 mil com o grupo de investidores-anjo TripleSeven e lançou modelo de assinatura B2C

Coteaqui
Multiplicou 5x o número de clientes
R$ 20 milhões transacionados com suporte da plataforma

Teslabit
De 0 a 10 clientes
Pipeline de 100 clientes até o final de 2016
Meta de faturamento recorrente de R$ 100.000,00 por mês
Em negociação com pelo menos 3 fundos de Venture Capital para investimento

Flowup
Chegou a 100 empresas cadastradas na plataforma

PROGRAMAÇÃO

TECNOLOGIA

(9:00 às 9:45)
Desenvolvimento Mobile: Maneiras para Melhorar a Monetização de Jogos e Aplicativos | com Luís Medeiros, In Loco Media

(10:00 às 10:45)
A vez dos game devs: VR (virtual reality) e a oportunidade de bilhões para gamers | com Paulo Souza, evangelista da Unreal Engine

(11:00 às 11:45)
Melhores ambientes para desenvolver e codar: mesa redonda com grupos de devs no Recife | Convidados: Joselito Júnior (Google Developers Group), Petros Barreto (Cocoaheads), Jeftar Mascarenhas (FEMUG-PE), Gileno Filho (PUG-PE) e Guilherme Cavalcante (Frevo on Rails)

EMPREENDEDORISMO

(14:00 às 14:45)
Investimento x Empresa: o que muda depois? | com Cristiano Lincoln, CEO da Tempest Security Intelligence

(15:00 às 15:45)
Diálogo do Mangue: mesa redonda entre gerações para desenvolvimento do ecossistema empreendedor | Convidados: Ed Dantas (Cesar.labs), Hiro Miyakawa (Jump Brasil), Alcides Pires (Softex) e Italo Nogueira (Assespro)

(16:00 às 16:45)
Report de 1 ano da Jump Brasil | com Pedro Henrique, Head da Jump Brasil

JUMP SESSIONS!

(18:30)
Abertura

(19:00)
Papo com Egon Daxbacher, Gerente Sênior responsável pela implantação do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e Engenharia Automotiva da FCA LatAm.

(20:00)
Networking, beer and foodies!

Executivo da FriSabor dá lição de empreendedorismo na aceleradora Jump

A aceleradora do Porto Digital, a Jump Brasil, abre as portas para mais um encontro com a comunidade local de empreendedores. Na próxima quinta-feira (25), das 18h às 22h, acontece a quarta edição da Jump Sessions, que desta vez vai trazer Marcelo Mayer, diretor-executivo da FriSabor. Na ocasião, ele vai contar sua história de empreendedorismo e detalhar o plano de expansão da rede pernambucana, que já possui mais de 30 unidades espalhadas pelo Nordeste. Há quase 60 anos no mercado brasileiro, a FriSabor investiu, no final de 2014, R$ 1,5 milhão em um centro de distribuição em Fortaleza. A entrada em territórios cearenses também contou com a inauguração de uma loja própria no Shopping Iguatemi.

O que também chama a atenção na trajetória profissional de Marcelo Mayer é que ele deixou um cargo de direção na Coca-Cola para empreender. De acordo com Hiro Miyakawa, da Jump Brasil, trazer um empreendedor do cenário tradicional – que não enveredou pelo caminho das startups – será uma experiência diferente para o público da Jump Sessions. Uma das características do encontro é o formato que favorece um clima mais informal, com direito a bebida e foodtruck, mas sem deixar de lado conteúdo relevante.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas clicando aqui.

Neste outro link você pode participar do evento no Facebook, o que é uma boa forma de ampliar seu networking.

Jovens empreendedores discutem o que deu errado no Momento Crítico

Quem disse que empreender e abrir uma startup é só glamour? A bem da verdade – e digo baseado em várias entrevistas – ser dono do próprio negócio é um desafio tão recompensador quanto dolorido. Num processo contínuo de tentativa e erro, muitos negócios acabam fechando e os empreendedores, com frequência, acumulam experiências e perdem dinheiro.

O que não é, necessariamente, algo ruim.

A aceleradora Jump Brasil convida o público a conhecer cases de fracasso. Nesta edição, a organização promete uma sessão de aprendizado com André Araújo e Emerson Silva através das experiências empreendedoras da Ogilvy no Recife. O segundo case será apresentado por Rafael Palermo, com as histórias de altos e baixos da startup RoofTOP.

O bate-papo é na noite desta quinta-feira (04), às 18h45, quando acontece o Momento Crítico 2016, um encontro que encerra as programações do Recife Summer School do Porto Digital. As inscrições para o evento custam R$ 20 e podem ser feitas neste link.

Interesse notar que no Vale do Silício – o maior polo de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo – prevalece a cultura do fail fast e smart fail. Quanto mais fracassos você acumula, mais conhecimento possui para não repetir os mesmos erros. É o tipo de experiência que chama a atenção dos investidores lá fora. Desde que não se esbarre sempre nas mesmas barreiras – daí o smart (inteligente).

Aqui no Brasil, essa lógica ainda é vista com desconfiança. Não é fácil entender, de imediato, por que o fracasso deve ser valorizado. Felizmente existem iniciativas que brotam da própria comunidade, como o Momento Crítico, e servem de farol para guiar a nova geração de empreendedores.

Abertas inscrições para o Startup Weekend Women Recife

Março, mês em que se comemora o Dia da Mulher, será marcado também por um evento muito especial para o ecossistema de tecnologia e economia criativa do Recife. A capital pernambucana voltará a receber uma edição do Startup Weekend com foco nas mulheres – um público que costuma enfrentar barreiras impostas pelo machismo de uma indústria que inova muito em tecnologia, mas às vezes patina em questões sociais.

As inscrições já estão abertas e o encontro acontecerá entre os dias 18 e 20 de março, na Jump Brasil, aceleradora do Porto Digital. Oitenta empreendedoras, designers e desenvolvedoras vão unir forças para transformar ideias em negócios dentro de 54 horas. O primeiro lote promocional de ingressos é vendido a R$ 100 e encerra-se no próximo domingo (07).

Será a segunda edição de um Startup Weekend Women no Recife. Confira aqui como foi a primeira edição, em outubro do ano passado. Abaixo, colocamos também um vídeo do evento realizado em 2015.

Recife recebe workshop sobre Unreal Engine

Como parte do Recife Summer School, vem aí mais um evento interessante para os desenvolvedores de jogos e curiosos. Um workshop sobre a Unreal Engine 4, organizado pela Epic Games, acontecerá nesta terça, 26/01, a partir das 13:30, nas instalações da Jump Brasil (Rua Capitão Lima, 420 – Santo Amaro).

O evento é gratuito e as inscrições são feitas pela internet. Às 14h, será ministrada uma palestra sobre a poderosa engine, com a participação de Paulo Souza, da Epic. Em seguida, um caso real: a Kokku Games apresenta Bacon Run, um título mobile que usou a UE4. Logo após, um tutorial mostrando como desenvolver um endless runner.

Paulo Souza Epic GamesPaulo Souza é evangelista da Epic e estará presente no evento

É importante lembrar: com o sistema de Blueprints da UE4, desenvolver um game passou a ser uma tarefa mais fácil. Portanto, não apenas programadores, mas também artistas e designers serão bem-vindos no evento.


Leia mais: Epic Games revela planos para o Brasil

E mais ainda: Recife recebe Global Game Jam, de 29 a 31 de janeiro de 2016

Recife recebe Global Game Jam de 29 a 31 de janeiro

Vem aí mais uma Global Game Jam em Recife. Para quem não conhece, o evento gratuito é aberto aos interessados em desenvolver jogos. Não apenas veteranos, mas também os curiosos, que nunca fizeram um game. Esta edição será parte do Recife Summer School, que acontece na Jump Brasil (Rua Capitão Lima, 420 – Santo Amaro), de 29 a 31 de janeiro. O IGDA Recife é responsável pela realização. Serão 48 horas seguidas de maratona, com direito a refeições, muito café e um espaço para dormir – dormir, inclusive, é extremamente recomendável. E sim, pode trazer seu colchão e travesseiro.

Um dos organizadores desta edição da GGJ, Leonardo Carvalho, aponta para a importância de envolver pessoas com perfis diferentes: artistas, programadores, game designers, sound designers, entre outros. “No entanto, mesmo sem experiência nessas áreas, ainda é possível contribuir, havendo iniciativa e disposição. Poderá ser feito qualquer tipo de game, inclusive de tabuleiro”. Ou seja: se você está fora da indústria, mas é um curioso, também é bem-vindo para a maratona, que começa às 19h da sexta-feira (29).

Entre as Jams organizadas pelo IGDA Recife, esta é a que teve mais inscritos até aqui – 101, para ser mais exato. Destes, 31 estão na fila de espera, já que são 70 vagas. Mas não precisa desanimar: Leonardo diz que é comum haver desistências, pois confirmará presença com cada participante nos próximos dias. Ainda dá para entrar na fila através da página no Eventick. A infraestrutura desta edição será bastante robusta, graças ao apoio dos patrocinadores.

GlobalGameJam-Recife-2015-2Global Game Jam é sinônimo de networking

Formação das equipes

O lema da GGJ é “inovação, experimentação e colaboração”. Leonardo destaca que “os participantes são incentivados a inovar, criando jogos que fujam de qualquer padrão”, além de proporcionar o networking. E quanto ao tamanho das equipes? “Se todos os 70 participantes quiserem fazer uma equipe gigante para trabalhar em um grande jogo, também é possível. No entanto, o mais convencional é termos times com 3 a 8 pessoas”.

Tenho uma dúvida, e agora?

Durante as 48 horas, certamente vão surgir dúvidas técnicas das equipes. Mas a GGJ estará preparada para ajudar. Tanto no sábado (30) quanto no domingo (31), do início da manhã até o final da tarde, haverá desenvolvedores experientes dispostos a ajudar os participantes. Além disso, durante todo o evento, um representante do IGDA Recife estará presente para oferecer apoio.

Networking

Leonardo acredita que a GGJ é o evento mais importante daqueles promovidos pela IGDA, pois o cenário local ainda falha bastante em networking. “No cenário de games no Recife, temos desde empresas com mais de 10 anos de experiência até desenvolvedores independentes que começaram há pouco tempo, mas ninguém se conhece. O mais importante, na Jam, não é chegar ao fim das 48 horas e ter um título pronto, mas conhecer pessoas e trocar experiências.”

IGDARecife-Workshop-2014Outros eventos, como workshops, fazem parte do calendário do IGDA Recife para 2016

Próximos eventos

O IGDA Recife promove diversos eventos. Em 2016, haverá 14 deles, sendo 11 com fins educacionais/instrutivos (palestras, workshops, post-mortems ou Game Jams) e 3 happy hours. Os eventos educacionais ocorrem mensalmente, de janeiro a novembro. Os happy hours são distribuídos ao longo do ano. O calendário do primeiro semestre da IGDA Recife será revelado durante a abertura da Global Game Jam. Ou seja, não perca a oportunidade de se engajar!


O site do IGDA Recife na Global Game Jam 2016 tem o patrocínio da Epic Games e Unreal Engine, BigHut Games, Manifesto Games, Raid Hut, Ikewai e São Braz. O apoio é do Porto Digital e Jump Brasil.

Aceleradora Jump promove happy hour para falar de empreendedorismo

A Jump Brasil, aceleradora do Porto Digital que fica no bairro de Santo Amaro, no Recife, vai promover um happy hour nesta quarta-feira (18). De acordo com os organizadores, será “uma oportunidade massa para um encontro regado a conteúdo de qualidade sobre inovação e empreendedorismo com sonzinho, comidinhas e cerveja”. Parece interessante, concordam?

Será aberto ao público e começa a partir das 18h. Haverá também uma palestra com Efrem Maranhão Filho, fundador da startup Escorebu, que traz a palestra “Frustrações do Big Data. De Rio a São Francisco”. Pelo que pesquisei, a Escorebu se propõe a organizar e analisar o fluxo de informações que circula nas plataformas de comunicação das empresas. Aqui você lê um pouco mais sobre ela. E aqui está o link para o evento, batizado de Jump Sessions.

Para quem estiver com preguiça de olhar o endereço no Google, a aceleradora funciona na Rua Capitão Lima, 420.

Jump Sessions