Mario

Veja documentário que revela bastidores da Nintendo nos anos 90

Não é fácil entrar na sede da Nintendo. Já tentamos em visita a Kyoto e ouvimos um sonoro “não”. O que você acharia de ver imagens da empresa em meados de 1994, no auge do Super Nintendo (ou Super Famicom, como conhecido entre os nipônicos)?

Um documentário alemão com legendas em inglês vem chamando atenção. A produção conta com Masayuki Uemura, um dos designers chefe do NES e SNES, além de um papo com o lendário Shigeru Miyamoto, criador de Mario, Donkey Kong, Zelda, Pikmin e outras franquias. O vídeo traz desde as origens da empresa até o sucesso “recente” de Super Mario All-Stars e do console 16-bit.

Acompanhe abaixo a produção de 10 minutos:

Super Mario Run não trouxe lucros satisfatórios para a Nintendo

Sim, nós gostamos de Super Mario Run, a estreia do mascote no iOS e Android. Mas o modelo bizarro de monetização (trial gratuito, 10 dólares para liberar o resto) causou revolta na comunidade gamer. Isso impactou na avaliação do jogo na App Store, inclusive. Agora, com a chegada ao Android, a Nintendo aumentou o conteúdo da edição gratuita, mas ainda não conseguiu fugir das críticas.

Super Mario Run não é o número 1 da Nintendo no iOS?!

Em conversa com o Nikkei, o presidente da Nintendo, Tatsumi Kimishima, revelou que o título “não alcançou as expectativas (de lucro)”. Enquanto isso, Fire Emblem Heroes adotou um modelo freemium (grátis para jogar, com itens especiais pagos) e se tornou o título mobile mais rentável da empresa. Ainda assim, um executivo afirmou ao Nikkei que a casa de Mario ainda não acredita completamente nesta forma de monetização e insistirá em Super Mario Run do jeito que é hoje.

Telas do game: mapa, conclusão de fase e gameplay em mansão assombrada

Super Mario Run: um game bem interessante, mas que sofreu com uma péssima estratégia de marketing e monetização

Se a chegada do jogo ao Android vai mudar a situação, nós não sabemos. Mas Nintendo, vem cá: deixa de ser teimosa!

Super Mario Run: decepcionante ou injustiçado?

Desde que foi lançado para o iOS na semana passada, Super Mario Run tem sido comparado a Pokémon GO de uma forma nada elogiosa. Uma parcela considerável da crítica especializada – e também do público – acredita que o game mobile da Nintendo não vai durar uma longa temporada e dificilmente sobreviverá às primeiras semanas de hype. Para usar uma expressão bem brasileira, ele é visto como “fogo de palha”. Mas esta não é a maior reclamação dos jogadores sobre o runner que foi maciçamente propagandeado pela gigante japonesa e ganhou até destaque no programa do comediante norte-americano Jimmy Fallon. O preço cobrado – US$ 10, o equivalente a R$ 33 na cotação atual – desagradou para valer e teve impacto negativo nas ações da Nintendo, que sofreram uma queda abrupta.

Mas, afinal de contas, Super Mario Run é realmente tão decepcionante assim ou está sendo injustiçado?

As avaliações do título revelam que o descontentamento não pode ser ignorado. No Metacritic, enquanto a nota da imprensa ficou em 77/100, os jogadores se mostraram impiedosos, dando reviews que resultaram na fraca pontuação de 5.5/10. Apesar disso, outro número não poderia ser omitido desta análise: Super Mario Run ultrapassou 40 milhões de downloads nos quatro primeiros dias, o que quebrou o recorde da App Store de número de downloads para aplicativos gratuitos.

Bem… Acontece que, como já foi dito aqui, o jogo não é realmente gratuito.

O download pode ser feito na App Store e, a partir do ano que vem, provavelmente até março, o game desembarca no Android. A grande questão é que somente três fases do primeiro mundo estão disponíveis gratuitamente. Para liberar todo o resto do conteúdo, o jogador precisa desembolar os US$ 10 já mencionados aqui. Ao todo, são seis mundos e cada um deles possui quatro fases que levam em média dois a três minutos para que o gamer chegue ao final. Façamos a conta mais otimista: 6 x 4 x 3 = 72 minutos.

Ou seja, com pouco mais de uma hora, um jogador casual torra seus R$ 33 e zera Super Mario Run. Talvez duas ou três horas, se a pessoa for realmente muito ruim e morrer com frequência – mas muito ruim mesmo, já que o título possui um nível baixíssimo de dificuldade. Se você for o perfil de jogador para qual o game acaba ao resgatar a princesa Peach, de fato, o custo-benefício deixa a desejar. Some isso ao fato de Super Mario Run exigir conexão com a internet e sugar os dados como um vampiro esfomeado e é fácil perceber o motivo da rejeição.

Dito isso tudo, aqui vai minha opinião: eu sou um defensor de Super Mario Run e pendo a achar que ele está sendo injustiçado. Não tanto, só um pouquinho. E por mais que eu seja fã assumido da Nintendo, as críticas fazem sentido.

Vamos, agora, às minhas considerações:

Além das mecânicas clássicas de um runner, existe o modo Corrida em que o jogador pode competir com outros amigos e pessoas do mundo inteiro. A Nintendo também deve ter absorvido alguma inspiração de simuladores como Animal Crossing e deu aos jogadores a possibilidade de criar e customizar seus próprios reinos, com casas, canos e cogumelos coloridos. O fator replayable está presente e não pode ser desconsiderado. Cada fase do modo Mundo de Super Mario Run possui cinco moedas rosas que desafiam o jogador a serem coletadas. Uma vez que isso é feito, a missão é conseguir cinco moedas roxas. E, por fim, cinco moedas pretas. A cada mudança de cor, maior a dificuldade.

Se você for um jogador mais casual, talvez nada disso funcione como atrativo ao ponto de justificar a quantia acima da média para um game de celular. Mas se o desafio de reunir todas as moedas especiais e desbloquear os personagens do jogo te motivam a continuar pulando nos inimigos e desviar de obstáculos, possivelmente as críticas vão soar exageradas. É o meu caso.

Tentar pegar todas as moedas especiais e vencer as corridas com outros jogadores para aumentar o reino transforma Super Mario Run e faz o jogo pular de um título de fácil digestão para um game que exige paciência e muita destreza. Adicione isso ao fato de que Mario é um dos personagens mais populares da indústria dos videogames. E, inegavelmente, Super Mario Run é visualmente bonito e diverte.

Olhando por este lado, talvez os dez dólares tenham sido um investimento até que justo.

Veja os games já confirmados para o Nintendo Switch

2017 marca o lançamento do famoso híbrido de console e portátil. O Nintendo Switch terá maiores detalhes revelados em um evento online no dia 12 de janeiro, mas não precisa esperar: o BitBlog consolidou todos os games já confirmados para a plataforma, além daqueles que estão só aguardando um empurrãozinho para se tornarem oficiais. Confira!

Confirmados

Link correndo de explosões

Breath of the Wild foi o primeiro game confirmado para o Switch

  • Just Dance 2017 (Ubisoft, março de 2017)
  • Project Sonic 2017 (Sega, 2017) – título provisório
  • Sacred Hero (Simplistic, 2018)
  • Seasons of Heaven (Any Arts, 2018)
  • Super Mario (Nintendo, sem data) – título provisório
  • The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Nintendo, 2017)

Demonstrados, aguardando confirmação

Dragão com montanhas ao fundo

A Bethesda tá esperando algo inexplicável para confirmar Skyrim

  • Dragon Quest XI (Square Enix)
  • Mario Kart 8 (Nintendo) – título provisório
  • NBA 2K17 (2K Games)
  • Splatoon (Nintendo) – título provisório
  • The Elder Scrolls V: Skyrim (Bethesda)

Rumores “fortíssimos”

Robô (doll) voando o universo de Mira

Clássico do Wii U, Xenoblade Chronicles X poderá ter uma nova chance no Switch

  • Animal Crossing (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Dark Souls 3 (From Software)
  • Luigi’s Mansion (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Final Fantasy VII Remake (Square Enix)
  • Mario RPG: Invasion of the Rabbids (Ubisoft)
  • Mass Effect Andromeda (EA Games)
  • Sphinx and the Cursed Mummy (THQ Nordic)
  • Super Mario Maker (Nintendo) – relançamento do Wii U
  • Super Mario Sunshine (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • Super Smash Bros. Melee (Nintendo) – relançamento do GameCube
  • The Binding of Isaac Afterbirth+ (Nicalis)
  • Xenoblade Chronicles X (Monolith) – relançamento do Wii U

Nintendo 3DS: veja 13 jogos que virão em 2017

Atualização (15/06): nova atualização, com mais detalhes de Ever Oasis, Pokémon e Mario & Luigi!


O Nintendo 3DS passará por um desafio: conviver no mercado ao lado do Nintendo Switch, híbrido de console e portátil. Por mais que a gigante japonesa afirme que um não substitui o outro, é evidente que o 3DS deve ficar para segundo plano. No entanto, não se desespere: o próximo ano ainda aguarda surpresas para o portátil mais vendido na atualidade. Veja abaixo alguns lançamentos de jogos em 2017 para o 3DS.

13) Yo-kai Watch 2: Psychic Specters

Data de lançamento: entre agosto e outubro de 2017

Arte promocional do jogo

O sucessor espiritual de Pokémon está de volta no Nintendo 3DS em 2017

De olho nas vendas, a Level 5 resolveu trazer uma edição melhorada de Yo-kai Watch 2, com novos Yo-kai, missões e áreas para explorar. Já a terceira aventura “oficial” da série pode desembarcar no 3DS em 2018.

12) Mario & Luigi: Superstar Saga + Bowser’s Minions

Data de lançamento: 6 de outubro de 2017

Exército de Goombas

Visualmente, o jogo é idêntico ao do GBA

Uma das surpresas da E3 2017, disponível em formato jogável, este é um remake do primeiro Mario & Luigi, de 2003, para Game Boy Advance. O visual está praticamente idêntico ao do GBA e isso, de certa forma, incomodou. Por outro lado, um novo modo (o tal Bowser’s Minions) terá missões adicionais e suporte aos amiibos de Boo, Koopa Troopa e Goomba.

11) RPG Maker Fes

Data de lançamento: 27 de junho de 2017

Heróis andando em fila em um vilarejo

Momento nostalgia

O retorno da série RPG Maker vai além da fórmula clássica ao permitir o compartilhamento de criações online. Leia mais sobre o jogo aqui.

10) Poochy & Yoshi’s Wooly World

Data de lançamento: 3 de fevereiro de 2017 (já disponível)

Yoshi pulando em cenário de lã

Yoshi ganha um companheiro no relançamento de Wooly World para o 3DS em 2017

Relançamento do game do Wii U, este possui todos os níveis do título original, além de fases bônus e o modo Time Attack. Um novo amiibo para o cãozinho Poochy permite a Yoshi montar no animal e percorrer as fases mais rapidamente. Veja a nossa análise aqui!

9) Mario Sports Superstars

Data de lançamento: 24 de março de 2017 (já disponível)

Tela de entrada do jogo, listando as modalidades esportivas

5 em 1: tentador

Esqueça Super Mario Strikers, Mario Baseball, Mario Tennis e Mario Golf: a Nintendo resolveu juntar todas estas modalidades em um único título, além de adicionar corrida de cavalos, suporte a amiibo e competições online.

8) Story of Seasons: Trio of Towns

Data de lançamento: 28 de fevereiro de 2017 (já disponível)

Uma das vilas do game em destaque

A novidade da vez é a exploração de três vilarejos

Trio of Towns é o mais novo capítulo de Story of Seasons – o Harvest Moon que nós conhecemos, mas que foi obrigado a trocar de nome devido a disputas judiciais. O destaque do título é a exploração de três vilarejos: Lulucoco, com um clima meio tropical; Tsuyukusa, com fortes influências da cultura asiática; além de Wes, com a cara dos faroestes americanos.

7) Pokémon Ultra Sun & Ultra Moon

Data de lançamento: 17 de novembro de 2017

Dois Pikachus... em um trailer Pikachu

Dois Pikachus… em um trailer Pikachu

Com enredo alternativo a Sun & Moon, os games terão monstrinhos clássicos que não estão presentes nas edições originais. Ainda assim, são as mesmas cidades e, em alguns casos, personagens. Por isso que não está no topo da lista!

6) Dragon Quest VIII: Journey of the Cursed King

Data de lançamento: 20 de janeiro de 2017 (já disponível)

Protagonistas em cena de gameplay

Game deve ficar mais bonito no Nintendo 3DS que na versão original

A aventura do bandido Yangus, Jessica e Angelo está de volta. Lançada originalmente no PS2 – e recentemente no iOS e Android – Dragon Quest VIII teve a sua versão definitiva no 3DS. Além de gráficos melhorados e trilhas orquestradas, o jogo possui uma área extra no mapa com novos desafios.

5) Ever Oasis

Data de lançamento: 23 de junho de 2017

Protagonista Tathu em combate

Este (a) é Tethu, herói/heroína em suas aventuras pelo deserto

Uma das surpresas da Nintendo para o 3DS, Ever Oasis é feito por um estúdio especialista na plataforma: a Grezzo é responsável pelas edições portáteis de Ocarina of Time e Majora’s Mask, além de um novo Zelda, o Tri-force Heroes. No papel principal, um homem ou uma mulher (você escolhe) em uma saga pelo deserto com combates durante o dia e a noite. Veja as nossas impressões, direto da E3 2017, aqui.

4) Hey Pikmin!

Data de lançamento: 28 de julho de 2017

Cena de gameplay, com Captain Olimar e seu exército de Pikmin

Quem diria…

A Nintendo resolveu transformar Pikmin em um jogo de plataforma 2D. A mecânica da série de usar os monstrinhos Pikmin para resolver puzzles e liberar o acesso a novas áreas permanece, mas agora com outra perspectiva. Será que vai dar certo?

3) Miitopia

Data de lançamento: 28 de julho de 2017

Avatares Mii com roupas de personagens da Nintendo, como Link (The Legend of Zelda) e Isabelle (Animal Crossing)

Pra que Chrono, Cloud ou Tidus? Joga um Mii nesse RPG e vê no que dá

Uma aventura RPG épica, mas com os famosos avatares da Nintendo no comando. Com uma campanha que dura 30 horas e já disponível no Japão, Miitopia chamou atenção pela excentricidade. Conta com parte do time que trabalhou em Tomodachi Life. Jogamos ele na E3 2017 e achamos… excêntrico, porém original.

2) Monster Hunter Stories

Data de lançamento: entre agosto e outubro de 2017

Herói montado em dragão explorando uma densa floresta

Ambientes de MH Stories serão vastos e coloridos

Spin-off da cultuada franquia, Stories é um RPG de turnos com um enredo mais cativante. Com três tipos de ataques (Power, Speed e Technique), é preciso conhecer o adversário para vencer as batalhas. Homenagens a clássicos como The Legend of Zelda estarão presentes.

1) Metroid: Samus Returns

Data de lançamento: 15 de setembro de 2017

Samus na telinha de um New 3DS

Samus, sua linda

Surpresa! Foi o evento pré-E3 da Nintendo terminar que o Reggie Fils-Aimé fez a revelação de Samus Returns. Reimaginação de Metroid II do Game Boy, o jogo está sendo desenvolvido pela MercurySteam (a mesma de Castlevania: Lords of Shadow), com supervisão do diretor de longa data da série Yoshio Sakamoto.

Nintendo 64 completa 20 anos; veja os jogos mais vendidos

Em 29 de setembro de 1996, o Nintendo 64 chegava ao mercado norte-americano. Disponibilizado no Brasil mais de um ano após, o console marcou a perda da liderança do mercado pela Nintendo, que só veio recuperar a dianteira com o Wii. Mesmo com tais adversidades e ainda as limitações dos antiquados cartuchos, o aparelho recebeu grandes jogos.

Em mais uma edição do Console do Mês, conheça os 5 games mais vendidos do N64:

Super Mario 64

Quem não lembra dessa cena?

Quem não lembra dessa cena?

Com 11,89 milhões de cartuchos vendidos, SM64 foi uma revolução na indústria. A transição do mascote para o 3D foi impecável, servindo de base para inúmeros títulos de plataforma naquela geração. Quase recebeu uma continuação, devido ao enorme sucesso que teve.

Mario Kart 64

Essa pista era sensacional

Essa pista era sensacional

Eu desafio você a indicar um Mario Kart ruim. Não existe, não é mesmo? E MK64 foi muito importante para a série, pois trouxe mudanças na mecânica que permaneceram nas sequências: nunca foi tão fácil controlar os karts, dessa vez em ambientes completamente tridimensionais. MK64 foi o segundo game mais vendido da plataforma, com 9,87 milhões de unidades.

GoldenEye 007

O melhor multiplayer de todos os tempos

O melhor multiplayer de todos os tempos

A aventura de tiro em primeira pessoa (FPS) da Rare é cheia de segredos. No entanto, as lembranças que ficam são as risadas durante as partidas multiplayer, ou até o ódio por Natalya nas missões em que é preciso defendê-la… GoldenEye provou que é possível, sim, ter experiências FPS fantásticas fora do PC. Com 8,09 milhões de unidades, quase ganhou um relançamento no Xbox 360 e Wii.

The Legend of Zelda: Ocarina of Time

Saudades, Epona

Saudades, Epona

Na quarta colocação, com 7,6 milhões, Ocarina of Time ainda é considerado, por muitos, o melhor jogo já lançado na história. E não faltam motivos para isso: a aventura é cheia de curiosidades, mas representa com fidelidade em 3D a mesma sensação dos lançamentos anteriores. Com várias side-quests e cenas surpreendentes, estamos falando de um jogo obrigatório. Se você ainda não zerou Ocarina, crie coragem e comece a jogar agora mesmo.

Super Smash Bros.

Link e Mario lutando entre si: quem acreditaria nessa cena?

Link e Mario lutando entre si: quem acreditaria nessa cena?

5,55 milhões de cartuchos em todo o mundo. É, foi uma bela estreia para a mais nova franquia da Nintendo. Colocar personagens como Mario, Samus, Link e Fox para brigar entre si era algo, até então, inimaginável, ainda mais se tratando de uma empresa com postura tão familiar. Mas o HAL Laboratory fez Smash ser para o gênero de luta o que Mario Kart foi para os títulos de corrida: uma experiência despretensiosa com a realidade, porém muito divertida.

Super Mario Run: bigodudo chega ao iPhone e iPad

Por essa você não esperava. A Nintendo anunciou nesta quarta-feira, durante a revelação do iPhone 7, o jogo Super Mario Run. Ele chegará primeiro ao iOS, em dezembro, e trata-se de mais uma aventura side-scroller do famoso mascote.

Mario encara Bowser

Sim, vai ter Bowser mais uma vez

O game será pago, não contando com micro-transações. Dois modos estarão disponíveis: uma campanha, onde o objetivo é terminar as fases e coletar moedas, e uma competição contra o tempo contra os “fantasmas” de outros jogadores.

Com o anúncio, as ações da Nintendo dispararam 25%. Ao contrário de Pokémon GO, que teve a parceria da Niantic, Super Mario Run é um dos quatro títulos feitos junto à japonesa DeNA e conta com a supervisão de Shigeru Miyamoto.