Master System

O retorno de Streets of Rage que (quase) ninguém viu

Você conheceu Streets of Rage? Composta por três jogos, a série beat’em up (“destrua o que vier”) 2D foi um dos grandes sucessos do Mega Drive na década de 90. Com conversões para Game Gear, Master System, Sega CD e Arcade, a trilogia foi relançada posteriormente no PS2, GameCube, Wii, Xbox 360 e PS3. O que poucos sabem é que houve duas tentativas de resgatar a franquia, ambas malsucedidas. Na coluna No Limbo, desta vez, falaremos da segunda (e mais “conhecida”) delas, feita pelo estúdio Ruffian Games.

Tentando reviver a série

O charme "anos 80" tava bem visível no gameplay

O charme “anos 80” tava bem visível no gameplay

Criada em 2008, a escocesa Ruffian Games foi formada por pessoas que trabalharam em Project Gotham Racing, Fable e o primeiro Crackdown. De acordo com rumores, a Microsoft teria injetado dinheiro na empresa para que ela desenvolvesse Crackdown 2. Após este projeto, embora bem-sucedido, o estúdio não teve mais trabalhos AAA, focando suas atenções em títulos para o Kinect original. Em paralelo a tudo isso, surgiu uma ideia: reviver a franquia Streets of Rage. Para isso, obviamente, seria preciso convencer a Sega de que o esforço valeria a pena.

Em poucas semanas, a equipe da Ruffian montou um protótipo considerado “pre-pre-pre alpha” pelo diretor do estúdio, o inglês Gary “Gaz” Liddon. Em 2012, vazou um vídeo que mostra o gameplay desta versão, com a primeira fase sendo jogada pelo level designer Sean Noonan, que também participou do projeto. A ideia original era a de um reboot da série, que seria vendido apenas em formato digital para o PlayStation 3, Xbox 360 e PC. A Sega, no entanto, cancelou os trabalhos, alegando que era preciso focar em suas principais propriedades intelectuais, como Sonic the Hedgehog e Football Manager. O jogo nunca foi terminado.

Futuro?

O futuro de Streets of Rage pertence apenas à Sega. A companhia japonesa, no entanto, tem sido bastante questionada pelos fãs nos últimos anos. Desde o fim do Dreamcast, as maiores franquias clássicas da empresa (exceto por Sonic) foram subaproveitadas. Phantasy Star virou algo restrito ao Japão, Crazy Taxi foi reformatado para os smartphones em formato free-to-play, Skies of Arcadia e as demais foram engavetadas… Com o seu atual posicionamento, é muito improvável ver  a Sega trazendo Streets of Rage de volta, infelizmente.

Quer ver mais jogos que foram cancelados? Veja a nossa coluna No Limbo. Aproveite e confira o post que fizemos sobre Star Wars 1313, o game de ação que nós nunca poderemos jogar.

Master System completa 30 anos

O tempo voa… Neste 20 de outubro, o xodó da Sega completa 30 anos de seu lançamento no Japão. Com várias edições e um grande legado no Brasil, o Master System (ou SMS) tem muita história pra contar. De artigo de luxo até o título de console mais vendido no Brasil, ele é o Console do Mês de outubro aqui no BitBlog!

A Sega não desiste

Adaptação de Sonic para o 8-bit da Sega é bem diferente do original (para Mega Drive), mas igualmente divertida

Após o fiasco do SG-1000 e do SG-1000 II, tentativas da empresa de ingressar no mercado de consoles domésticos, eis que veio o primeiro passo concreto. Disponibilizado a partir de 1985 em terras nipônicas, o Mark III era mais forte do que o concorrente Famicom (conhecido como NES na América, ou Nintendinho para os íntimos). Entretanto, as políticas agressivas de exclusividade da Nintendo impediram a plataforma 8-bit da Sega de voar mais alto. O Mark III foi redesenhado para um lançamento ocidental, com a marca Master System. Eis que nos EUA a recepção não foi tão positiva e o console fez sucesso moderado em seu lançamento, estando bem abaixo das vendas do NES.

O sucesso de verdade só veio acontecer mesmo quando o aparelho chegou à Europa, em 1987. Com um marketing agressivo e a falta de divulgação do seu concorrente, o SMS rapidamente desbancou o NES  e se tornou o líder de mercado por lá. Situação similar aconteceu dois anos depois, com o lançamento no Brasil. Por aqui, foram mais de 5 milhões de unidades vendidas através da parceria – bem-sucedida, por sinal – com a empresa Tectoy. Por acaso, a última ainda fabrica o console, que já passou por dezenas de novas edições.

Convivendo com o sucessor

O Master System passou por uma situação inusitada: competiu por muito tempo com o seu próprio sucessor, o Mega Drive. No Japão e EUA, este chegou ao mercado apenas dois anos após o Master System, tirando bastante divulgação do 8-bit. O primeiro Sonic the Hedgehog foi o último título a ser lançado nos EUA para o SMS. Entretanto, o sucesso na Europa e no Brasil fez com que versões de Sonic 2 e Sonic Chaos (do Game Gear), entre outros jogos, chegassem ao aparelho da Sega nestes territórios.

Master System 2Master System II trouxe um design mais compacto

Se teve algo que permitiu manter em alta a competitividade da plataforma por tanto tempo, foram os relançamentos. O Master System II, por exemplo, impulsionou as vendas na França e na Inglaterra no início da década de 90. Os 45 modelos (sim, isso mesmo) fabricados pela Tectoy aqui no país também fizeram do SMS o console fabricado por mais tempo no mundo, já que ainda se encontra em produção no Brasil. No entanto, com o passar dos anos, as edições nacionais deixaram de lado a entrada para cartuchos e passaram a trazer dezenas de jogos na memória. O design mais recente é o Master System Evolution, de 2011.

Master System EvolutionMaster System Evolution, modelo atual da plataforma no Brasil

Games

Apesar de pequeno, o catálogo do SMS tem grandes clássicos, como Alex Kidd in Miracle World. O protagonista do game, originalmente, seria o mascote da Sega, até que veio o sucesso avassalador de Sonic no Mega Drive, que roubou o posto. Não tem como esquecer dos games de Mickey Mouse (Castle of Illusion e Land of Illusion, principalmente), além de Mônica no Castelo do Dragão. Não tem como esquecer também de Phantasy Star, o grande RPG do Master System, que deu origem a uma das séries mais cultuadas até hoje no mundo dos videogames. Abaixo, veja os títulos mais vendidos no Brasil para a plataforma até 2004, de acordo com anúncio da Tectoy. Veja se você lembra de algum:

1) Castle of Illusion
2) Jogos de Verão (California Games)
3) Double Dragon
4) Great Soccer
5) Mortal Kombat II
6) Rambo III
7) After Burner
8) Indiana Jones
9) Sonic the Hedgehog 2
10) Black Belt

Mônica no Castelo do Dragão era uma adaptação de Wonder Boy in Monster Land, da própria Sega

Após nossa homenagem ao Master System, não custa nada lembrar: o Console do Mês é uma coluna mensal do BitBlog, que fala sobre plataformas famosas, que marcaram a vida de muitos leitores. Em novembro tem mais. Não deixe de ler o nosso post comemorativo ao PlayStation original.

#BitSound93 – Mickey Mouse: Land of Illusion

O BitSound deste sábado traz um clássico do Master System. Mickey Mouse: Land of Illusion foi o sucessor do saudoso Castle of Illusion. No game, Mickey precisa recuperar um cristal roubado, que mantinha a paz em sua cidade. Personagens como o Pato Donald estão presentes e ajudam o herói na aventura.

Escute a faixa Intro, que pertence à trilha sonora do jogo:

Toda semana o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.

‪#‎BitSound45‬: Golden Axe – The Wilderness


O ‪‎BitSound‬ de hoje traz mais um clássico da Sega. Golden Axe veio ao mundo em 1989, inicialmente para Arcades, mas logo depois ganhou versões para Master System e Mega Drive. O enredo não era nada revolucionário: o jogador, no papel de um guerreiro, enfrenta uma jornada para resgatar o rei e a rainha de um poderoso vilão.
Jogar Golden Axe em modo multiplayer, certamente, foi algo que fez parte da infância de muitos curtidores do ‪BitBlog‬. A Sega bem que podia reviver a franquia, não é mesmo?

Escute a trilha:

Todo dia o BitBlog traz uma trilha sonora de um game. Tem uma sugestão para a gente? É só deixar nos comentários.