Minecraft

Conheça 5 games que foram desenvolvidos por uma única pessoa

A jornada de um desenvolvedor / designer de games é desafiadora, principalmente no Brasil, onde faltam incentivos. Embora vários cursos (inclusive de graduação) se popularizem cada vez mais, ainda são poucos os que prosperam por aqui. E quando o desenvolvimento é composto por uma única pessoa? O BitBlog listou, na coluna Bastidores desta quinzena, alguns títulos famosos que foram feitos por apenas um (isso mesmo) corajoso. Quem sabe o post não serve de motivação para você, não é mesmo?

Minecraft

Minecraft Education Edition

Minecraft tornou-se um universo próprio, sendo usado inclusive como ferramenta educativa

É difícil de acreditar que este aqui, um dos cinco games mais vendidos de todos os tempos, tenha começado de forma tão humilde. Markus Persson, um programador sueco, é o responsável por criar a famosa versão alpha de Minecraft. A partir daquele momento, o mundo conheceu o jogo, novas pessoas integraram o time e… Você sabe como termina: mais de 106 milhões de cópias vendidas (dados de julho de 2016) entre PC, consoles e smartphones.

Stardew Valley

Não, não tem RPG Maker aqui!

Não, não tem RPG Maker aqui! Brincadeiras à parte, Stardew Valley foi feito por uma única pessoa

Considerado por muitos o maior jogo indie de 2016, Stardew Valley é mais um exemplo da perseverança de uma alma solitária. O projeto demorou três anos, mas valeu a pena: em menos de seis meses, já são mais de 1,4 milhão de unidades vendidas. O trabalho do desenvolvedor Eric Barone lembra os melhores dias de Harvest Moon no SNES. Esqueça a cara “RPG Maker” – até porque o XNA foi a ferramenta usada – e você poderá descobrir um novo vício.

Tetris

tetris_main

Inocente e viciante: Tetris vem até instalado em televisão

O possível primeiro game que seus pais – ou até avós, no meu caso – jogaram também foi feito por uma pessoa. O designer russo Alexey Pajitnov trabalhava na Russian Academy of Science quando lançou seu projeto, em junho de 1984. A ideia do nome é uma combinação de “tetra” (os blocos que caem possuem, todos, quatro elementos) e “tênis”. O resultado é surpreendente: mais de 170 milhões de cópias vendidas em toda a franquia, sendo 70 milhões unidades físicas e os 100 milhões restantes em formato digital para smartphones. A maior parte do sucesso veio apenas com o lançamento do Game Boy, em 1989, que teve a sua própria versão e chacoalhou a indústria por inteiro. A propósito, Tetris vai ganhar filme em 2017. Bizarro é pouco…

Rollercoaster Tycoon

Aquele momento 1999 do post

Aquele momento 1999 do post

O simulador mais querido da década de 90 foi fruto do programador escocês Chris Sawyer, que modificou elementos de trabalhos anteriores para incorporar montanhas-russas. O jogo original saiu em 1999 para Windows PC, e logo ganhou versões para Xbox, Nintendo 3DS, Mac OS X, iOS e Android. Somando os cinco títulos da série, são mais de 9 milhões de cópias vendidas globalmente. Dá para acreditar que todo esse trabalhou começou com somente uma pessoa?

No Heroes

Para não ficar apenas nos games mais famosos, resolvi colocar um projeto que está sendo feito por um talentoso desenvolvedor. Tiago, um português, vem cuidando sozinho de No Heroes desde 2011. É um projeto em grande evolução, como é possível perceber em suas atualizações no YouTube. Fazer um FPS (tiro em primeira pessoa) não é para qualquer um. O Unity foi o motor de jogo escolhido. O título será free-to-play sem microtransações (!), havendo apenas a venda de skins para os equipamentos. Ainda não há data de lançamento prevista para o game, que chegará à Steam “em breve” como Early Access.

Bônus: o multiplayer de GoldenEye 007 (N64)

Goldeneye 007 - N64 - Multiplayer

Eita, saudade

Para muitos, GoldenEye 007 é o melhor FPS de todos os tempos. Mas você sabia que o famoso modo multiplayer foi feito por um único desenvolvedor, e em apenas um mês? Escondido da Nintendo, Steve Ellis implementou tudo e só avisou quando o modo estava pronto, em cima da data de lançamento do game. O cara é, no mínimo, talentoso, concorda?


Algo em comum entre os projetos acima (exceto o “bônus” de GoldenEye): todos eles demoraram. Portanto, se você quer desenvolver jogos sozinho de qualquer jeito, lembre: persistência e auto-motivação são as chaves para o sucesso.

Xbox na E3: veja como foi a conferência

A conferência do Xbox One na E3 2016 foi bastante positiva, confirmando os rumores que já sabíamos. Abaixo, veja tudo o que aconteceu por lá. Durante a semana, teremos novos posts mostrando o que jogamos no One. Afinal, estamos em Los Angeles e temos presença confirmada no estande da Microsoft!

  • Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, começou a conferência prestando homenagem às vítimas do massacre em uma boate LGBT em Orlando.
  • Xbox One S é, enfim, apresentado. O controle terá uma “pegada” mais confortável e maior alcance. O console custará os mesmos US$ 299 do modelo atual e será lançado em agosto.

Xbox One S - E3 2016Estiloso e menor, o S deve aumentar significativamente as vendas de Xbox One

  • Rod Fergusson, do estúdio The Coalition, fala que Gears of War 4 terá suporte ao novo serviço Play Anywhere do Xbox. Com ele, um game adquirido no Xbox One poderá ser jogado em qualquer outro One ou PC com Windows 10, e vice-versa. Além disso, o progresso será salvo na nuvem.
  • Gears of War 4 terá cross-play entre Xbox One e Windows 10. Chega em 11 de outubro nas duas plataformas. Um controle Elite inspirado no game, na cor vermelha, também estará disponível.

  • Temporada 3 de Killer Instinct terá suporte ao Play Anywhere. O General Raam, de Gears of War, será personagem jogável.
  • Forza Horizon 3 será ambientado na Austrália. Com suporte ao Play Anywhere, o jogo terá carros de rally também. Uma campanha cooperativa, com recursos online, foi demonstrada. O título chegará em 27 de setembro ao One e Windows 10.
  • Foi apresentado um novo vídeo de ReCore.

  • Hajime Tabata e Mathew Kishimoto, da Square Enix, demonstraram no palco o sistema de combate de Final Fantasy XV, arrancando aplausos do público. Será lançado em 30 de setembro.
  • Uma atualização para The Division, Underground, será disponibilizada primeiro no Xbox One, em 28 de junho.
  • Patrick Bach, da DICE, anuncia que quem tem EA Access poderá jogar Battlefield 1 em 13 de outubro, um pouco antes do lançamento oficial.
  • Mike Ybarra, do Xbox Live, anuncia novas funcionalidades para a rede. Uma nova atualização permitirá ouvir músicas enquanto se joga online (Background music). O recurso de Clubs permitirá agrupar pessoas com interesses comuns em comunidades. Um recurso de pesquisa por Groups aproximará jogadores que tenham os mesmos objetivos em um jogo específico. Além disso, o Arena on Xbox Live suportará oficialmente a realização de campeonatos. Os novos Fifa usarão este recurso.
  • Saxs Persson e Lydia Winters, do time de Minecraft, anunciam um modo cross-play entre iOS, Android e Windows 10. Uma atualização chamada The Family Update permitirá compartilhar criações sem a necessidade de estar online. John Carmack, CEO da Oculus, demonstra o game usando o VR.
  • Um site chamado Design Lab, no portal oficial do Xbox, permitirá personalizar as cores do controle do One S e adquirir/encomendar as criações online. Serão 8 milhões de possibilidades de customização.

Xbox One S - Design Lab - customização de controlesNão sabemos ainda em quais países o Design Lab estará disponível

  • Limbo estará gratuito no Xbox One a partir de hoje. Inside, do mesmo estúdio e com lançamento em 29 de junho, é mais um game indie que chega ao One pelo programa ID@Xbox. Outros jogos independentes anunciados para os próximos meses: Cuphead, Outlast, Deliver Us the Moon, Flint Hook, Far, Slime Pencher, Shadow Tactics, Figment, The Culling, For The King, Stardew Valley, Beacon, Raiders, Bloodstained, Yooka-Laylee e Everspace.
  • Arc, já disponível no One, estará disponível no Play Anywhere a partir da primavera, permitindo jogá-lo no Windows 10 sem custo adicional. O Xbox One receberá primeiro o indie We Happy Few, que chega em julho e tem um clima que remete a Bioshock Infinite.
  • Da CD Projekt Red, Damien Monnier anuncia um card game inspirado no universo de The Witcher: trata-se de Gwent. Um open beta será disponibilizado em setembro.
  • Tekken 7 será lançado no início de 2017. Para divulgar, a Bandai Namco estará fornecendo gratuitamente o Tekken Tag Tournament 2 (jogão!) para os assinantes da Live Gold.

  • Dead Rising 4 ganha novo trailer. É novidade para o fim do ano no Xbox One e Windows 10.

  • Hideki Kamiya, da Platinum Games, mostra novo trailer de Scalebound, lançamento para Xbox One e Windows 10 em 2017.

  • Sea of Thieves, da Rare, enfim tem seu gameplay revelado. Com direito ao Play Anywhere, inclusive.

  • State of Decay 2 é anunciado para Xbox One e Windows 10. É uma boa surpresa! Fica para 2017.
  • Halo Wars 2 ganha trailer e é confirmado para One e Windows 10 em 21 de fevereiro de 2017. No entanto, um open beta já está disponível no One até 20 de junho.

  • Para encerrar, Phil Spencer retorna ao palco e confirma o Project Scorpio: o codinome do modelo mais poderoso do Xbox One que está sendo feito, visando suportar 4K e realidade virtual. Chegará no final de 2017, sem maiores detalhes.

Microsoft vai lançar versão educativa de Minecraft

A Microsoft anunciou, nesta terça-feira (19), que vai lançar uma versão educacional de Minecraft, popular game de mundo aberto desenvolvido pela Mojang. Desde que viu a luz do dia, em 2009, ele já totaliza mais de 100 milhões de usuários registrados em todo o mundo. O título, para os menos familiarizados, pertence ao gênero sandbox (caixa de areia), o que significa dizer que o jogador cria coisas dentro do ambiente digital – tipo SecondLife, lembra?

Minecraft é todo feito de cubinhos – ou blocos, chame como você preferir – com uma mecânica baseada em mineração e exploração que pega elementos de LEGO. Os jogadores precisam conseguir “material” dentro do game para desenhar cenários, casas e personagens. Ainda está meio perdido? Dá uma sacada no Google Images ou no YouTube para ver como funciona.

O sucesso de vendas de Minecraft e seu apelo criativo despertaram a atenção de professores, que passaram a vê-lo como uma ferramenta educativa. O jogo começou a ser utilizado em aulas de geometria e até em dinâmicas que simulam comércio de produtos.

E aí voltamos ao início desta publicação. A Microsoft, que comprou os direitos de Minecraft, vai lançar uma versão educacional de Minecraft desenhada justamente para facilitar a experiência entre professores e alunos. Um dos diferenciais da edição pedagógica é que ela vai trazer réplicas de ambientes que existem no mundo real (ou melhor, mundo offline, já que o termo mundo real anda em desuso).

Uma plataforma vai funcionar como rede social e ajudar os educadores a compartilhar lições. O Minecraft: Education Edition será disponibilizado gratuitamente para testes no segundo semestre deste ano.

Sequência falsa de Minecraft engana jogadores no iOS

Lá vem confusão… Um dos jogos mais vendidos no iTunes norte-americano é “Minecraft: Pocket Edition 2“, para iPhone e iPad. Mas se engana quem pensa que é uma sequência do sucesso da Mojang. Trata-se de um golpe.

Ao acessar a página do “produto” no iTunes (que, inacreditavelmente, ainda está no ar), é possível perceber por que tanta gente foi prejudicada: as telas e a descrição usadas são similares às oficiais, do primeiro (e até aqui, único) game. O desenvolvedor – que atende por “Scott Cawthorn”, um nome também falso – esconde a real mecânica do jogo, que é bem diferente. No papel de Scorpion, de Mortal Kombat, é preciso se defender de zumbis que surgem no cenário. Sério.

Minecraft 2 - jogo falso para iOS- iTunesA descrição do produto no iTunes comprova: é propaganda enganosa

A situação fica ainda mais grave quando se trata de um aplicativo pago. Custando o equivalente a 7 dólares ou 5 euros, dependendo do mercado, o golpe já conta com inúmeras reclamações. Para impulsionar as vendas, o desenvolvedor criou contas falsas, elogiando o título com 4 e 5 estrelas. Não demorou para avaliações de 1 estrela ocuparem a página no iTunes.

Minecraft 2 - jogo falso para iOS - ingameNem um pouco parecido com Minecraft, não é mesmo?

Em entrevista ao Eurogamer UK, a Mojang, estúdio responsável por Minecraft, alegou que a empresa está “ocupada com a questão”. De acordo com o funcionário Owen Hill, “quando um produto tenta enganar a comunidade, é de nossa responsabilidade se envolver nisso”.

Com milhares de aplicativos disponíveis, não é a primeira vez que algo desse tipo acontece no iTunes. Mesmo nas lojas concorrentes, como o Google Play, não há um sistema de controle rígido o suficiente para impedir que novos golpes como este aconteçam. A pergunta é: não está na hora de rever isso? Ou será que as empresas devem abrir mão de qualidade, em detrimento de números?

Nintendo anuncia Minecraft para Wii U

Com anos de atraso, finalmente Minecraft chega ao Wii U. O game será lançado globalmente no dia 17 de dezembro em formato digital, no Nintendo eShop, por US$ 29,99. O recurso Off-TV, que permite jogar o título apenas no Gamepad (sem uso da TV) estará disponível.

Minecraft: Wii U Edition terá ainda seis pacotes de DLC já inclusos gratuitamente:

  • Battle & Beasts Skin Pack
  • Battle & Beasts 2 Skin Pack
  • Natural Texture Pack
  • City Texture Pack
  • Fantasy Texture Pack
  • Festive Mash-up Pack

Outros 16 pacotes estarão disponíveis, porém, de forma paga:

  • Festive Skin Pack
  • The Simpsons Skin Pack
  • Doctor Who Skins Volume 1
  • Doctor Who Skins Volume 2
  • Star Wars Classic Skin Pack
  • Star Wars Rebels Skin Pack
  • Star Wars Prequel Skin Pack
  • Mass Effect Mash-up Pack
  • Skyrim Mash-up Pack
  • Plastic Texture Pack
  • Candy Texture Pack
  • Cartoon Texture Pack
  • Steampunk Texture Pack
  • Pattern Texture Pack
  • Greek Mythology Mash-up Pack
  • Halloween 2015 Mash-up Pack

A Nintendo anunciou que mais conteúdo estará disponível, envolvendo séries da própria empresa. É, parece que um DLC de Zelda no Minecraft pode virar algo real… Pelo menos no Wii U.