Plataforma

Jogamos: Super Mario Odyssey é candidato ao melhor jogo da E3

Um dos momentos mais aguardados por nós – e um dos motivos para cobrir a E3 2017 – era jogar Super Mario Odyssey, novo game do mascote para o Switch. Desde Super Mario Galaxy 2 (Wii, 2010), o bigodudo não estrelava uma aventura em 3D não-linear, com um hub central e diversos mundos em torno dele. Não, pelo menos, em sua série principal, que inclui obras primas como Super Mario 64 (N64, 1996) e Super Mario Sunshine (GameCube, 2002).

O resutlado final é um título que encanta, coloca um sorriso na cara do mais sério dos jogadores e traz a magia de Mario de volta. Confira abaixo as nossas impressões da demo disponível na feira!


O boné e o impacto no gameplay

Em Sunshine, o bigodudo tinha o apoio de F.L.U.D.D., uma bomba de água simpática que permitia flutuar e atingir inimigos. Em World, Yoshi dava novas possibilidades de jogo. O que esperar de Odyssey? A demo não explicava como, mas o herói ia parar em uma cidade chamada New Donk City. Também não soubemos como, mas o boné de Mario tinha dois olhos e podia ser lançado em qualquer direção. Jogá-lo em uma pessoa ou inimigo sem chapéus permite personificá-lo (a), o que aumentava exponencialmente as possibilidades de gameplay: imagine lançar o acessório em um bullet bill: com isso, você voa pelo cenário e alcança plataformas até então impossíveis.

Os movimentos comuns de Mario (wall jumpback fliplong jump) estão de volta, bastando conciliar o botão de pulo (A) e o ZL. Eles são mais necessários do que nunca para se aventurar nas duas áreas da demo: New Donk City (a cidade que mencionamos acima) e um estágio no deserto. Na primeira, é pular em táxis e alcançar lugares mais altos. No segundo, lançar o boné em bullet bills é praticamente obrigatório para descobrir todos os segredos.

Vale mencionar que, em Odyssey, o mascote tem um medidor de energia, similar a 64 e Sunshine. Morrer gasta apenas 10 moedas, retornando à última bandeira onde foi feito check-in. O objetivo é coletar luas espalhadas pelas fases. Moedas comuns e roxas podem ser usadas para adquirir novas habilidades e recuperar energia.

Sorrindo à toa

Odyssey traz a volta da ideia de um palco central com ligação com outros mundos. Fases não tão lineares, porém com múltiplas possibilidades, estão disponíveis. Logo, a exploração volta a fazer parte de um Mario. Foi fácil curtir o game, com exceção das piruetas que fiz no alto dos prédios – tenho medo de altura!

Se por um lado o visual não está tão caprichado assim, o fator “diversão” fala mais alto. Odyssey está longe de ser linear e explorar o vasto mundo do título é uma tarefa muito interessante. A trilha sonora remete aos anos 60, provável passagem do game. Quanto ao fator replay, é difícil afirmar agora com a ausência de informações.


Odyssey é o Mario que aguardamos desde 2010. As novidades (boné, cenários trazendo interações com humanos) são bem-vindas e acrescentam bastante ao pacote. De fato, estamos falando de um jogo candidato a melhor da E3 2017.

Análise: Poochy & Yoshi’s Woolly World (3DS) é encantador

Yoshi é um dos personagens mais queridos dos videogames. Desde a sua aparição em Super Mario World, o mascote já correu de kart, jogou tênis e golfe… Nada mais justo do que ter aventuras solo, como é o caso de Yoshi’s Story (N64) e Yoshi’s Woolly World (Wii U). Eis que o último ganhou uma edição para o 3DS.

Poochy & Yoshi’s Woolly World é uma aventura fiel à original. Veja abaixo a nossa análise!


Mais bonitinho impossível

Assim como na versão do Wii U, o magikoopa Kamek transforma quase todos os Yoshis de uma simpática vila em novelos de lã, em oferenda ao seu mestre, Bowser Jr. “Quase todos” porque dois Yoshis consegue se salvar. Dessa forma, eles partem em uma aventura para encontrar os colegas e salvá-los, enfrentando diversos chefes espalhados por mundos diferentes.

O visual de lã do Wii U está mantido no 3DS. Mesmo com uma resolução bem menor, o game consegue passar a mesma experiência, preservando a sua identidade. Embora seja fácil, há muito o que colecionar no game: novelos e flores estão espalhados por cada estágio e – se você tiver o objetivo de conquistar todos – o título se torna mais desafiador. Em relação ao mapa mundi do jogo, ele foi simplificado para uma versão 2D, mais linear, sem a liberdade de exploração do original. No 3DS original, o título usa 30 frames por seguindo. Já no New 3DS, a experiência é mais fluida, com 60 fps.

Novos modos

Para jogadores mais jovens, o Mellow Mode permite voar pelo cenário com Yoshi, enquanto os Poochy Pups correm pelo cenário e combatem inimigos e encontram segredos. Além disso, o novo modo Poochy Dash traz o cachorrinho do Yoshi em alta velocidade por diversas fases, coletando diamantes. A compatibilidade com amiibos está mantida, liberando novas roupas. Outra novidade são animações curtas com Poochy e Yoshi, destraváveis diariamente. Elas mostram o “dia a dia” dos mascotes. Ficou faltando o multiplayer cooperativo da edição do Wii U, uma falta notável.

Para jogadores mais hardcore, os novos modos não trazem tanto conteúdo assim. A aventura principal do jogo termina se sobressaindo e, felizmente, é um port bem competente da edição do Wii U. A Nintendo e a Good Feel souberam driblar as limitações de hardware do 3DS para oferecer uma experiência de plataforma 2.5D tão interessante quanto à versão original.


Visual: 4 / 5

Mesmo em resolução inferior, o game continua lindo. O estilo visual com personagens e cenários de lã continua atraente.

Jogabilidade: 3.5 / 5

O Wii Remote faz alguma falta na hora de lançar ovos pelos cenários. Mas, no geral, a mecânica continua a mesma.

Som: 4 / 5

A trilha segue a mesma vibe do título e, de certa forma, é memorável. Você talvez se encontre com as músicas na cabeça quando estiver no trabalho, na faculdade…

Replay: 3.5 / 5

Há muito o que se colecionar, mas a ausência de modo multiplayer incomoda um pouco. Sem ele, o jogo corre o risco de se tornar repetitivo, dependendo do perfil de jogador que você é.


Se você não tem Wii U e quer jogar um game bonito, relaxante e envolvente de plataforma no 3DS, aqui está uma boa opção.

Nota geral: ★★★★☆ (7.5/10)

Data de lançamento: 3 de fevereiro de 2017
Plataforma: 3DS
Desenvolvedora: Good Feel
Publisher: Nintendo
Jogadores: 1