PlayStation 2

7 curiosidades sobre o clássico GTA 3

Em outubro de 2001, um lançamento para PlayStation 2 viria a esfriar a chegada do GameCube e Xbox nos EUA. Que jogo seria capaz de causar tanto impacto? “Apenas” Grand Theft Auto III – ou GTA 3, como ficou conhecido entre os fãs. O game revolucionou a sexta geração de consoles, inovou em seu gênero e levantou diversas polêmicas com o público conservador. Conheça alguns fatos curiosos sobre este grande game, que está prestes a completar 15 anos, na edição desta semana da coluna Bastidores.


O efeito 11 de setembro

Sobrou até para os carros de polícia

Sobrou até para os carros de polícia

O lançamento original de GTA 3 no PS2 seria em 19 de setembro de 2001. No entanto, após o ataque terrorista aos EUA, que aconteceu no dia 11 do mesmo mês, a produtora Rockstar logo viu que não era o melhor momento para lançar um game tão polêmico. GTA 3 só veio chegar ao mercado norte-americano três semanas depois da data prevista originalmente. Mas não foi apenas uma questão de sensibilidade: o título carregava várias referências que precisaram ser retiradas às pressas.

As cores dos carros de polícia foram alteradas, de forma a não lembrar o modelo usado em Nova York. O caminho de um avião que surgia no cenário foi trocado, para não passar perto de grandes prédios. Inúmeros diálogos foram modificados, assim como a caixinha do game, que era considerada muito “provocativa”. Quem contou tudo isso foi o executivo Dan Houser, da Rockstar, à revista britânica Edge. Em contrapartida, ele minimizou as alterações: “não mexemos em mais que 1% do jogo“.

Polêmicas e mais polêmicas

É isso mesmo que você tá pensando

É isso mesmo que você tá pensando

O site GameSpy considerou GTA 3 “o lançamento mais ofensivo de 2001”. A enorme sensação de liberdade (prostituição, atropelamentos e armas) causou a ira de um público conservador no mundo todo, que teimava em associar a imagem do jogo a assassinatos que teriam acontecido nos anos seguintes. Engraçado que ninguém quer censurar filme, nem novela, mas jogo é coisa do “capeta”, né?

Na Austrália, funcionalidades foram removidas por ordem judicial, provocando o recall do game. No Brasil, houve um movimento para banir o título, mas que terminou não acontecendo.

Os clones

True Crime era um clone descarado de GTA, mas com um policial como protagonista

True Crime era um clone descarado de GTA, mas com um policial como protagonista

As inúmeras possibilidades do game da Rockstar causaram inveja em outros estúdios, que criaram os chamados “clones de GTA”. True Crime: Streets of LA, Driv3r, The Getaway, Saints Row e Crackdown são os exemplos mais famosos.

Curiosamente, após o sucesso da franquia, a própria Rockstar passou a investir em outros títulos semelhantes. Red Dead Redemption incorpora várias mecânicas de “mundo aberto”, embora se passe no velho oeste.

Visão em primeira pessoa

GTA 3 - visão do Sniper Rifle

Aquele momento “sniper”

GTA V veio a ser o primeiro da série com visão total em primeira pessoa. Mas essa ideia já tinha surgido durante o desenvolvimento de GTA 3. Seria possível mudar o ângulo a qualquer momento. No entanto, ficou difícil implementar isso com os prazos estabelecidos. Na versão final, este modo de visão surge apenas ao dirigir, ou ao mirar usando uma M16 ou Sniper Rifle.

Multiplayer online

Esse trambolho servia pra conectar o PS2 original à internet

Esse trambolho servia pra conectar o PS2 original à internet

Com os serviços online do PS2 estreando, além de diversos títulos deste tipo fazendo sucesso no PC, era grande a vontade de incorporar um modo online no terceiro Grand Theft Auto. No entanto, o prazo do projeto tornou impossível este desejo.

Quem descobriu esta ideia “descartada” foram alguns hackers, após analisar o código-fonte de GTA 3 para PC. A própria Rockstar se pronunciou anos depois, afirmando que preferiu fazer Vice City a implementar o modo online.

Visual “cartoon”

GTA 3 - visual cartoon

A ideia original era adotar gráficos mais “leves”

Em vez de ser realista, o conceito original de GTA 3 envolvia um visual mais light, lembrando um desenho animado. Não se sabe o motivo pelo qual a Rockstar mudou de ideia, mas vários fãs vieram a criar mods para ressuscitar a ideia, na edição de PC.

Teve um prólogo

GTA Liberty City Stories - gameplay

Liberty City está quase intacta em Stories

Como forma de apoiar o portátil estreante da Sony, o PSP, foi lançado Liberty City Stories, prólogo de GTA 3. Os cenários são quase os mesmos, com pequenas exceções. Como Stories se passa em 1998, anos antes da trama principal, ainda não há alguns prédios gigantescos, enquanto pontes e túneis se encontram em construção. Interessante, né? Algum tempo depois, Stories foi relançado para PS2, iOS e Android.

 

10 fatos sobre Final Fantasy X que poucos conhecem

Terminei, enfim, a versão HD Remaster de Final Fantasy X. Que grande jogo. Não poderia haver um melhor momento para trazer aqui curiosidades sobre o título, disponível no PS2, PS3, PS Vita, PS4 e, mais recentemente, PC (via Steam). Veja abaixo alguns fatos que poucos conhecem, afinal, é mais uma edição da nossa coluna Bastidores.

OBS: não tem nenhum spoiler significativo neste artigo, exceto pela menção aos nomes dos Aeons e por uma cena bizarra entre os protagonistas. Se considera isso um spoiler, fica o aviso.


A Buster Sword, de FF7, estaria de volta

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

A famosa espada de FF7 foi encontrada em FFX

Um dos pontos marcantes de Final Fantasy VII é a Buster Sword. A espada do protagonista Cloud Strife, no entanto, estava prevista para retornar em FFX. Alguns jogadores descobriram que o equipamento gigantesco está no código do game, como uma espada compatível apenas com Tidus. Não se sabe o motivo pelo qual a Square retirou a Buster da versão final, sendo necessário o uso de cheats (como o acessório Action Replay) para obtê-la.

Haveria um modo online

Já ouviu falar do PlayOnline? O serviço foi uma tentativa da Square de criar uma plataforma única para os seus jogos online, como Front Mission Online e EverQuest II. Final Fantasy X, no PS2, seria um dos primeiros games compatíveis. No entanto, os recursos online foram descartados no decorrer do desenvolvimento, pois o projeto já estava bem ambicioso. Tais funcionalidades foram migradas para Final Fantasy XI, o único game que ainda mantém o PlayOnline ativo em 2016 (em sua versão para PC).

A inspiração para o mundo de Spira

O designer de personagens Tetsuya Nomura revelou a inspiração para Spira. Segundo ele, o Japão, Tailândia e a região do Pacífico Sul determinaram a ambientação e a cultura do mundo de FFX, principalmente nas ilhas de Besaid e Kilika, presentes no início do jogo.

Uma longa jornada

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O mundo de Spira é imenso, pelo menos para a época (2001)

O script de Final Fantasy X é 10 vezes maior que a média dos filmes hollywoodianos. São tantas reviravoltas no enredo que até os dubladores se impressionaram. Matt Mckenzie e Hideo Ishikawa, as vozes de Auron nas edições americana e japonesa – respectivamente – ficaram “imensamente chocados” com o final daquele personagem, por exemplo.

Arrancando lágrimas

Em uma pesquisa feita pela revista Famitsu no Japão, divulgada em 2012, FFX foi eleito o jogo que mais emocionou os jogadores. De fato, o final é muito tocante. Mas não vou falar nada, vamos conter os spoilers… Se não jogou ainda, tá perdendo tempo!

Desafio adicional

As edições europeia e International do jogo no PS2, lançadas algum tempo após a norte-americana, trouxeram vários desafios adicionais, incluídos também no recente HD Remaster (PS3, Vita, PS4 e PC). O mais notável: todos os Aeons ganharam versões “Dark”, que surgem durante as side-quests no intuito de atrapalhar o jogador. De Dark Valefor até as Dark Magnus Sisters, é preciso ter paciência para derrotá-los (ou pagar muito pro Yojimbo)…

Teve cena virando meme

Em um momento do jogo, Tidus sugere a Yuna rir bem alto, como forma de motivá-la e esquecer os problemas. Foi algo bizarro (veja acima), que gerou piadas entre os jogadores. O site USGamer fez uma entrevista recente com três tradutores do game e ouviu a seguinte resposta:

Em um momento, conversei com o escritor Nojima-san sobre essa cena, e perguntei: “o que diabos é isso? o que devo dizer ao ator? Porque essa cena é bem incomum”. E o Nojima basicamente disse que ele estava praticando a ideia de rir forçadamente, e que isso inclusive era algo feito em aulas de atuação. Então, foi algo estranho, tanto na versão em inglês quanto em japonês. Não foi algo relacionado à tradução.

O retorno dos Summons

Summons, Eidolons, Espers… Embora tenham nomes diferentes no decorrer da série Final Fantasy, todos eram formas de invocar “entidades” para auxílio nas batalhas. Em FFX, eles se chamam Aeons e podem ser controlados pelo jogador, sendo invocados por Yuna. Vários deles aparecem em outros jogos da série, exceto por Valefor (o Aeon preferido de Yuna) e os 3 secretos. Em outras palavras, você verá aqui os clássicos Ifrit, Ixion, Shiva e Bahamut.

Teve, pela primeira vez, uma continuação direta

Até então, todos os Final Fantasy da série principal eram independentes. Mas o sucesso de X foi tão grande que veio Final Fantasy X-2 em 2003, a primeira continuação direta em formato jogável. Embora não tenha vendido tanto quanto X, a sequência X-2 também foi um sucesso de crítica, sendo incluído nos relançamentos recentes em HD.

Tentou-se criar um elo com FF7

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

O jovem al-bhed Shinra, cientista de FFX-2

Os produtores do jogo tentaram criar conexões com o universo de Final Fantasy VII, mas só conseguiram implementar em X-2, quando Shinra e Rin discutem o potencial do Farplane como uma fonte de energia. O primeiro afirma que a possibilidade de refinar tal energia de forma segura só poderia ser feita “muitas gerações após”. Foi daí que viria a origem da Shinra Electric Power Company de FF7, viabilizada através da viagem espacial.

TY the Tasmanian Tiger será relançado na Steam

Você jogava videogame em 2002? Se respondeu “sim”, talvez se lembre de um tal tigre australiano que estava em uma jornada para salvar sua família. O simpático mascote em questão é o TY the Tasmanian Tiger, mesmo nome do jogo para PS2, GameCube e Xbox. Desenvolvido pelo Krome Studios e publicado na época pela EA, este foi um título de plataforma muito interessante, ganhando duas continuações para os consoles citados.

Depois de TY, o Krome Studios se tornou uma empresa bastante requisitada para desenvolver bons jogos de franquias conhecidas, como Star Wars: Force Unleashed e The Legend of Spyro: A New Beginning. No entanto, após alguns trabalhos duvidosos, o estúdio resolveu voltar às suas origens, com o relançamento do TY original na Steam.

TY The Tasmanian Tiger - gameplayO visual em HD ficou um pouco antiquado, mas o game não perdeu o charme

O relançamento está disponível, por R$ 19, em modo early access. Ou seja, nem todos os recursos estão disponíveis agora, mas os jogadores podem colaborar e fornecer feedback para o lançamento final, que será entre julho e setembro. Pode ser uma boa oportunidade para conhecer um mascote que anda sumido…

40 fatos sobre videogames que vão fazer você se sentir muito velho

Nesta quinta-feira (21), uma das franquias mais conhecidas dos videogames completa 30 anos de existência. Estamos falando de Zelda, que, pasme, chegou ao Nintendinho em 21 de janeiro de 1986. Você achava que fazia tanto tempo assim? Nós também não. Por isso preparamos uma lista – ficaremos muito felizes se você compartilhar – com 40 fatos sobre videogames que vão fazer você se sentir muito velho. Não se preocupe: o tempo passa, mas a saudade fica.


Há 10 anos – 2006

PlayStation 3 - modelo original

1. O PlayStation 3 era lançado no Japão e Estados Unidos. Um ano antes, a Sony tinha demonstrado ele com o Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots.

Wii

2. Há uma década também era lançado o revolucionário Wii pela Nintendo. O nome brinca com o pronome “we” (nós, em inglês) e os dois “is” simbolizam duas pessoas.

Star Wars Empire at War

3. Já que Star Wars é o filme do momento, sabia que já tem 10 anos do lançamento do game Star Wars: Empire at War? O jogador poderia lutar tanto ao lado do Império como da Aliança Rebelde.

Half-Life 2 - Episode One

4. A Valve lançava Half-Life 2: Episode One, mais um título da famosa franquia e que servia como pacote de expansão para o Half-Life 2. Aqui, Gordon e Alyx são resgatados pelos vortigauns.

Neverwinter Nights 2

5. RPG muito cultuado pelos jogadores fãs do gênero, Neverwinter Nights 2 chegou às prateleiras também em 2006. A mecânica era baseada em Dungeons & Dragons (D&D).

Call of Duty 3 - PS2

6. Praticamente todo ano tem um novo Call of Duty, certo? Há dez anos a bola da vez era o Call of Duty 3, ambientado na Segunda Guerra Mundial e com uma história que remetia à invasão da Normandia. Um detalhe curioso é o que o game não saiu para PC.

Gears of War

7. Também foi em 2006 que jogamos o primeiro título de Gears of War, da Epic Games. O jogo de tiro em terceira pessoa estreou como exclusivo do Xbox 360.

The Legend of Zelda - Twilight Princess

8. Na mesma época, a Nintendo lançava para GameCube e Wii mais uma história com Link, Epona, Zelda e Ganondorf, além de trazer um novo vilão – o rei Zant. O Twilight Princess é considerado por muitos um Zelda mais sombrio.

Há 15 anos – 2001

GameBoy Advance

9. Lembra do Game Boy Advance? O portátil da Nintendo, que era tratado pelo codinome Projeto Atlantis, foi lançado há 15 anos. É o primeiro portátil da gigante japonesa com processador 32-bit.

GameCube preto

10. O GameCube é o videogame favorito de Diego von Söhsten, que também é editor do BitBlog. Foi lançado no Japão em 14 de setembro de 2001. Os botões de ombro dele tinham 256 níveis de pressão (L e R).

Xbox - original - 2001

11. A Nintendo não foi a única companhia a lançar consoles em 2001. Foi neste ano que a Microsoft deu um grande passo em direção à indústria dos videogames, com o lançamento do Xbox.

RuneScape

12. Um dos MMORPGs mais jogados de todos os tempos, RuneScape deu o ar da graça há 15 anos. Estima-se que mais de 200 milhões de jogadores já se aventuraram no universo de Guilenor.

Phantasy Star Online

13. A febre do Phantasy Star Online começava há 15 anos na Europa e América do Norte, embora tivesse chegado ao Japão em dezembro de 2000. O action RPG da Sega vem de uma série que nasceu no Master System.

Paper Mario

14. Os europeus e os australianos se divertiram com Paper Mario há 15 anos. Segundo título de RPG do personagem icônico da Nintendo, o visual, fazendo jus ao nome, imitava folhas de papel – desde o cenário aos personagens.

Max Payne 1

15. Max Payne quer vingar o assassinato de sua família desde 2001, quando foi lançado. Uma curiosidade é que ele usa muito o efeito bullet time, que ganhou fama com o filme Matrix.

Silent Hill 2 - Pyramids Head

16. Muita gente tomou uns sustos há 15 anos com o survival Silent Hill 2, da Konami. Foi no segundo game da franquia que surgiu o terrível Pyramid Head.

Devil May Cry

17. Devil May Cry fez sua primeira aparição em 2001. O game da Capcom – que trazia a história de Dante, um caçador de demônios – foi dirigido por Hideki Kamiya, que também trabalhou em Resident Evil e Viewtiful Joe.

GTA 3

18. Grand Theft Auto III chegou primeiro ao PlayStation 2, em outubro de 2001. Foi o primeiro game em 3D da franquia e as missões acontecem em Liberty City, inspirada em Nova Iorque. A cidade tridimensional teria as Torres Gêmeas, mas elas foram removidas de última hora por conta dos atentados terroristas ocorridos um mês antes.

Halo - Combat Evolved

19. O primeiro Halo saiu em novembro de 2001, desenvolvido pela Bungie e publicado pela Microsoft Game Studios. Foi desde então que os jogadores puderam viver as aventuras do supersoldado Master Chief.

Pikmin 1

20. Criação do lendário Shigeru Miyamoto, a franquia Pikmin surgiu há 15 anos. Os monstrinhos coloridos precisavam ajudar o Capitão Olimar, um astronauta cuja nave caiu em um misterioso planeta.

Há 20 anos – 1996

Duke Nukem 3D

21. Dá para acreditar que Duke Nukem 3D já tem 20 anos? O sarcástico e musculoso personagem detonava alienígenas enquanto passava pelos cenários inspirados em Los Angeles.

Radical Dreamers

22. Radical Dreamers, da Square, foi lançado em 1996. O game japonês ganhou projetos de tradução independente e tentou pegar carona no sucesso de Chrono Trigger, que saiu um ano antes. O jogo, com uma mecânica bastante focada em textos, ajudou a construir o enredo de Chrono Cross.

Pokemon Red e Blue

23. As versões Red e Blue (Green) de Pokémon também completam 20 anos. Os jogadores tinham, logo no início, uma dura decisão: escolher entre Charmander, Bulbassauro e Squirtle.

Super Mario RPG

24. Um dos meus favoritos do Super Nintendo, Super Mario RPG também deu o ar da graça em 1996. Parceria entre Square e Nintendo, o título tirava onda com a franquia Mario e introduziu novos personagens – como o chato Mallow e o incrível Geno.

Resident Evil 1 - PS1

25. Foi o mesmo ano do lançamento do primeiro Resident Evil, que fez grande sucesso. A história mesclava assassinato, canibalismo, zumbis e, claro, muitos sustos.

Final Doom

26. Alguém aí sabe o que é Final Doom? Ele foi lançado em 1996 e considerado um dos jogos mais violentos da época. Easter eggs também conferiam ao game uma aura de “jogo do demônio”, que deixava os pais de cabelo em pé.

Quake

27. Outro jogo bem famoso na época era Quake, que pertencia ao gênero tiro em primeira pessoa. Aliás, foi um dos primeiros jogos de tiro com gráficos realmente modelados em 3D. Teve trilha sonora composta por Trent Reznor, do Nine Inch Nails.

Crash Bandicoot

28. Crash Bandicoot, um dos principais jogos do PlayStation, foi lançado há 20 anos. Os jogadores precisavam se esforçar para conseguir diamantes que habilitavam um final secreto.

Diablo

29. O primeiro Diablo foi lançado no último dia do ano de 1996. O ápice do game é a entrada no inferno, onde alguns níveis depois ocorre a luta com o Diablo.

Sonic 3D Blast

30. Tenho um carinho especial por esse, já que a franquia clássica do Sonic marcou minha infância. O 3D Blast teve uma recepção péssima e reconheço que o visual tridimensional tinha limitações, mas confesso que gosto do game. Quem lembra dos flickies?

Há 25 anos – 1991

Sonic the Hedgehog

31. Em junho deste ano, Sonic vai completar 25 anos de existência. O querido e veloz mascote da Sega rivalizou com Mario durante anos e destronou o posto de Alex Kidd. Acaba com o Robotnik, Sonic!

Super Mario World

32. Clássico dos clássicos, Super Mario World aportava na Europa e na América do Norte há 25 anos. Foi nele a primeira aparição do dinossauro Yoshi.

The Legend of Zelda - A Link to the Past

33. The Legend of Zelda: A Link to the Past é focado nos ancestrais de Link e Zelda. Muito querido pelos fãs da franquia, foi lançado em novembro de 1991 no Japão. Os jogadores alternam entre Hyrule e a Terra Dourada (no passado).

Civilization 1 - Sid Meier

34. Civilization era tipo um Age of Empires, só que não. Chegou em 1991, lançado originalmente para o DOS. Sim, você não leu errado: DOS.

Street Fighter II

35. Nos arcades, o sucesso ficava por conta de Street Fighter II, lançado no mesmo ano. O game de luta da Capcom trazia Ryu e Ken, mas introduzia novos personagens, como Chun-Li e Blanka.

Há 30 anos – 1986

The Legend of Zelda - NES

36. O primeiro Zelda de todos os tempos completa 30 anos no dia em que esta postagem é escrita. Foi lançado em 21 de fevereiro de 1986 para o Nintendinho (NES) e já trazia os personagens Link, Zelda e Ganon, além da Triforce da Sabedoria.

Metroid - NES

37. Outra franquia da Nintendo muito respeitada completa 30 anos em 2016: Metroid.

Alex Kidd in Miracle World

38. Já deu para perceber que 1986 foi um ano realmente marcante, né? Quem também surgiu no mesmo período foi Alex Kidd, primeiro mascote da Sega.

Sega Master System

39. Há 30 anos, o Master System fazia sua estreia na Europa. Um ano antes ele havia sido lançado no Japão, mas com outro nome: Sega Mark III. No Brasil, só veio chegar em 1989, com a Tec Toy.

Atari 7800

40. Ok, esse é realmente antigo: O Atari 7800 foi lançado em junho de 1986 e é considerado o primeiro videogame retrocompatível da história.

Games antigos de Star Wars chegam ao PS4

Há dois meses, a EA tinha disponibilizado na Europa 3 jogos clássicos de Star Wars para o PlayStation 4. Lançados originalmente para PS2, estamos falando de Racer Revenge, Bounty Hunter e Jedi Starfighter.

Nesta semana, sem alarde, os 3 games chegaram à PSN brasileira, custando R$ 30,90 cada um – ver links acima. Todos são interessantes e valem a pena, com destaque para Racer Revenge – o sucessor do saudoso Star Wars: Racer.

Leia também: 7 jogos de Star Wars para entrar no clima do novo filme

#BitSound99 – Final Fantasy X

Final Fantasy X é mais do que uma obra-prima da Square. É um dos melhores – se não o melhor – RPGs do PlayStation 2. E, para a felicidade da nação, ganhou versões remasterizadas em HD para PS3, PS4 e PS Vita, ficando mais acessível do que nunca. Totalmente dublado, é o primeiro da série a ter expressões faciais realistas, além de uma continuação direta.

O game se passa no mundo de Spira, que concentra diversas raças. Tidus, o protagonista, tem sua cidade natal destruída pelo maligno monstro Sin e é teletransportado para o futuro. Ele se junta então à jovem Yuna em uma batalha para derrotar o vilão, encontrando amigos no caminho, como o guerreiro Kimahri Ronso, o esportista Wakka e a misteriosa Lulu, entre outros.

Final Fantasy X HD Remaster

Todo mês o BitBlog traz, na coluna BitSound, uma trilha sonora de um game. Tem alguma sugestão para o próximo homenageado? Pode sugerir nos comentários.

7 games de Star Wars pra você aguardar o novo filme

Enquanto Star Wars: The Force Awakens não chega aos cinemas, que tal ir entrando no clima jogando videogame? O BitBlog listou 7 títulos memoráveis de Star Wars, desde a época 16-bit até as gerações de consoles recentes, passando pelo PC.

7) Star Wars Episode I: Racer

Ano de lançamento: 1999
Plataformas: PC, Nintendo 64, Dreamcast, Mac OS, Arcade

No clima do Episódio 1, que chegava aos cinemas na mesma época, a LucasArts lançou um game inspirado em suas corridas de pod racer. A ideia era reviver uma das melhores partes do filme no conforto de casa. E deu certo. Racer é um belo jogo de corrida futurista. A trilha sonora era, no mínimo, sensacional (tanto que homenageamos aqui no BitBlog). E o multiplayer era motivo pra passar horas e horas em frente à TV.

6) Star Wars Jedi Knight: Dark Forces II

Ano de lançamento: 1997
Plataforma: PC

Exclusivo para Windows, Jedi Knight surpreendeu pelo visual caprichado para a época, além de duas visões de jogo: em primeira e em terceira pessoa. Com o uso de armas e do tradicional sabre de luz – que rebate tiros e ilumina ambientes – o título trouxe 21 fases para exploração, em uma narrativa paralela a dos filmes. Além disso, tinha multiplayer online, o que era um diferencial naquele momento.

5) Star Wars: Shadows of the Empire

Ano de lançamento: 1996
Plataformas: Nintendo 64 e PC

Star Wars Shadows of the Empire

Ambicioso. Isso define Shadows of the Empire. Misturando veículos terrestres e aéreos com o gênero de ação/plataforma em 3D, o game era daquele tipo “ame ou odeie”. Dividiu opiniões por ter estágios variados: uns eram entediantes, enquanto outros eram surpreendentes. Uma hipótese seria a pressão da Nintendo para ter o jogo pronto no lançamento do N64, mas não importa. No geral, Shadows of the Empire merece ser jogado – mesmo com a câmera atrapalhada ou a falta de polimento em alguns aspectos. No mínimo, você vai lembrar das suas aventuras voando com um jetpack pelos cenários grandiosos.

4) Star Wars: The Force Unleashed

Ano de lançamento: 2008
Plataformas: PS3, PSP, PS2, Xbox 360, Wii, Nintendo DS, PC, Mac OS X, N-Gage, iOS

Situado entre os episódios III e IV dos filmes, The Force Unleashed é protagonizado por um aprendiz de Darth Vader, que descobre seu caminho durante o enredo. Se adapta bem a diferentes estilos de jogo: seja você um apressadinho – que sai destruindo tudo, sem pensar duas vezes – ou um jogador mais estratégico. Vendeu milhões de cópias, passando por quase uma dúzia de plataformas.

3) Star Wars: Knights of the Old Republic

Ano de lançamento: 2003
Plataformas: Xbox, PC, Mac OS X, iOS, Android

Star Wars Knights of the Old Republic

O que você esperaria de um game de Star Wars desenvolvido pela BioWare, de Mass Effect e Dragon Age? Mesmo no início dos anos 2000, o estúdio canadense já fazia trabalhos reconhecidos pela indústria. KOTOR – como o título é chamado pelos fãs – colecionou prêmios e mostrou que era possível incorporar o gênero RPG ao amado universo de George Lucas. Ganhou versões para iOS e Android quase uma década após.

2) Super Star Wars

Ano de lançamento: 1992
Plataformas: SNES, Wii, PS4, PS Vita

Super Star Wars

Super Star Wars marcou a primeira adaptação fiel do Episódio IV para o mundo dos videogames. No comando de Luke Skywalker, Han Solo ou Chewbacca, seja a pé ou no comando de uma X-Wing, inaugurou as aventuras da série no SNES. Fez tanto sucesso que foi relançado muitos anos após para o Wii e, mais recentemente, no PS4 e PS Vita.

1) Star Wars Rogue Squadron III: Rebel Strike

Ano de lançamento: 2003
Plataforma: GameCube

Para muitos, Rogue Squadron II é a melhor adaptação para videogames de Star Wars. Mas nem todos lembram do lançamento seguinte. Rogue Squadron III: Rebel Strike trazia todas as fases do seu antecessor em modo multiplayer cooperativo, além de contar com uma campanha inédita. Não se limitou a combate aéreo, já que alguns estágios tinham uma “pegada” de ação em terra, com resquícios da série Battlefront original. Foi um dos melhores títulos do GameCube e é uma pena que tenha ficado ali, em 2003. Queremos uma continuação já!