Quantic Dream

Jogamos: Detroit Become Human é o grande jogo do PS4

Revelado na conferência da Sony na E3 2016, Detroit: Become Human só veio ter mais detalhes revelados no evento de 1 ano depois. Jogável na E3 2017, finalmente pudemos entender o que o estúdio Quantic Dream busca alcançar com o título exclusivo do PS4. Confira abaixo as nossas impressões!


Escolhas e suas consequências

Em uma Detroit alternativa no futuro, a demo traz o jogador no papel de Connor, um androide que trabalha para a polícia, em setor investigativo da cidade. Tudo começa com ele em um apartamento onde supostamente está havendo um crime: um pai ameaça atirar na filha e lançá-la do alto do prédio. É uma situação tensa. Os policiais estão a postos, ameaçando atirar no homem. Neste momento, a liberdade do jogador é notada: é possível explorar o ambiente e encontrar pistas do que realmente houve.

Connor pode observar fotos da família e usar sua base de conhecimento para ter acesso a nomes e idades, por exemplo, do homem e da recém-morta mulher. O policial androide vai, aos poucos, aumentando a porcentagem de sucesso na negociação com o suspeito, até o momento em que decide confrontá-lo e negociar paz. No decorrer do papo, é preciso jogar psicologicamente, buscando evitar uma situação trágica, e a porcentagem de sucesso aumenta ou diminui dependendo das suas escolhas. Ele pediu pro helicóptero policial se afastar? Cabe a você acatar ou não, por exemplo.

Liberdade demais é bom!

Ansioso do jeito que fui, parti pro embate cara a cara com o suspeito com apenas 53% de sucesso previsto. Foi preciso ir construindo a confiança no decorrer da negociação, chegando a 79% e salvando a criança. A liberdade de Detroit abre margem para infinitas possibilidades!

A jogabilidade é um pouco travada, pesada: não é um jogo feito para você correr, mas sim explorar o que for possível. O analógico direito é usado para algumas interações com o cenário. Vale ressaltar o clima de “filme jogável”: Become Human não parece ser um título acelerado com muita ação, mas – ao invés disso – um thriller interativo onde é impossível não se envolver. Quando consegui sucesso com a negociação, ainda assim, fiquei assustado e nervoso com a forma como terminou. É dessa imersão que estou falando.


Sem data prevista ainda, com 2017 parecendo cada vez mais improvável, Detroit: Become Human é candidato ao posto de melhor jogo da E3, e certamente o melhor no estande do PlayStation. Tal interação nunca foi tão bem executada em um game e estamos ansiosos pelo resultado final, assim como mais detalhes do enredo!