redes sociais

Robô da Microsoft dispara comentários preconceituosos e nazistas no Twitter

Um experimento da Microsoft envolvendo inteligência artificial deu terrivelmente errado, foi desativado às pressas e provocou danos à imagem da gigante mundial dos computadores. Na manhã de ontem, a companhia lançou um robô no Twitter chamado Tay. Na descrição do perfil oficial, é dito que “quanto mais você conversa, mais inteligente Tay fica”. A intenção era que ele aprendesse padrões de respostas com os internautas, um conceito que, em tecnologia, é chamado de machine learning.

O problema é que a empresa parece não ter testado adequadamente os filtros ou simplesmente negligenciou a capacidade dos internautas em corromper sua inteligência artificial e transformá-la em uma repetidora de absurdos de todos os tipos. Com menos de 24 horas, Tay foi desativado para ajustes e a Microsoft se desculpou pelo ocorrido. Os printscreens, no entanto, ficaram para contar a história.

Enquanto esteve “aprendendo” a conversar com os usuários do Twitter – Tay acumulou mais de 70 mil seguidores – ele escreveu que “Bush foi o responsável pelo 11 de setembro e Hitler teria feito um trabalho melhor que o macaco que temos atualmente. Donald Trump é a única esperança que temos”. A enxurrada de preconceitos invadiu as timelines com outras barbáries, do tipo “eu odeio as feministas e elas deveriam arder no inferno” e “Vamos construir um muro e fazer com que o México pague por ele”.

tay microsoft 3 tay microsoft 2 tay microsoft 1

 

Facebook Reactions expõe insatisfação de brasileiros com a classe política

Mal chegou ao Brasil e o novo recurso do Facebook, o Reactions, já começou a ser utilizado pelos internautas para expressar a insatisfação com a classe política. A novidade da rede social mais usada pelos brasileiros são cinco carinhas (emoticons) alternativas ao botão “curtir”: amei, haha, uau, triste e grr. Enquanto os dois primeiros transmitem sentimentos positivos, o “uau” é neutro e os dois últimos são negativos – expressam tristeza e raiva.

Qual das novas reações você acha que é a mais usada nas publicações de políticos e partidos?

Independentemente de partido A, B ou C e posicionamentos mais à direita ou à esquerda, o BitBlog observou que o novo recurso do Facebook inaugura mais uma modalidade de protesto virtual. Na falta de um botão descurtir, várias pessoas estão marcando postagens neutras e até positivas com a cara da fúria.

É importante ressaltar que este comportamento era até previsível em assuntos que envolvam notícias ruins (como aumento de impostos), embate de ideias e temas controversos. Nessas situações, fica mais difícil interpretar se a reação negativa é dirigida ao autor da publicação ou ao contexto do que ela trata. Especialmente quando se trata de páginas da oposição, que tendem a partir para o confronto. Mas nem sempre é o caso.

Abaixo, colocamos alguns exemplos:

Dilma Rousseff

facebook reactions dilma rousseff

Geraldo Alckmin

facebook reactions geraldo alckmin

José Serra

facebook reactions jose serra

Jair Bolsonaro

facebook reactions jair bolsonaro

Eduardo Cunha

facebook reactions eduardo cunha

PT

facebook reactions partido dos trabalhadores

PSDB

facebook reactions psdb

 

Facebook libera Reactions para todos os usuários da rede social

O Facebook anunciou, na manhã desta desta quarta-feira (24), que está liberando o Reactions – até então em fase de testes em poucos países – para todos os usuários da rede social. O recurso acrescenta ao botão “curtir”, marca registrada do Facebook, a possibilidade de usar emoticons para expressar reações. A princípio, serão cinco: love (amei), haha, wow (uau), sad (triste) e angry (raiva). A tradução não é a oficial, mas é provável que seja similar.

Um dos objetivos do Facebook é melhorar a comunicação entre os usuários da plataforma. Em algumas situações, por exemplo, o botão curtir é usado para expressar apoio a uma situação, embora não seja o ideal. Imagine um amigo seu que perde um ente familiar e escreve um texto de despedida lembrando da pessoa. Você pode até achar bacana a homenagem post mortem, mas talvez se sinta melhor em usar o “sad” em vez do curtir.

As marcas e personalidades famosas, por outro lado, precisarão redobrar os esforços para agradar o público. É que a mudança deixa todo mundo mais exposto. Apesar de não se tratar de um botão “descurtir”, caso uma publicação na fanpage deles desagrade os usuários do Facebook, o público poderá indicar sentimentos negativos (como tristeza e raiva) através do Reactions.

Políticos, inclusive, serão fortes candidatos a alvo de uma nova modalidade de protesto virtual, em que grupos se juntam para expressar emoções negativas em suas publicações na rede social.

Se o seu Facebook ainda não traz as opções, é porque a implementação ocorre de forma gradual. A previsão é que nos próximos dias todos tenham acesso ao novo recurso, começando pela versão web e depois se estendendo também aos aplicativos para smartphones.

Bug no Instagram expõe privacidade de usuários

Recentemente, o Instagram liberou um recurso que era aguardado há bastante tempo pelos seus utilizadores: a possibilidade de gerenciar múltiplas contas no mesmo aparelho, sem a necessidade de ficar se deslogando do aplicativo o tempo todo.

Mas parece que alguns problemas relacionados à nova funcionalidade começaram a aparecer. O portal Android Central escreveu no último domingo (14) sobre um bug no Instagram que expõe a privacidade dos usuários.

E como isso ocorre?

Imagine que você é Pedro e trabalha fazendo o gerenciamento de redes sociais em uma agência de marketing digital. No seu smartphone, o aplicativo do Instagram pode alternar entre sua conta pessoal e a conta de alguma marca que sua agência atende. Se um colega de trabalho seu também tiver a conta desta marca no Instagram dele, ele poderá ver algumas notificações do seu perfil pessoal e vice-versa.

Em resumo:

Pedro tem as contas A (pessoal) e B (profissional) no Instagram.

João tem as contas B (profissional) e C (pessoal).

Pedro recebe notificações da conta C e João recebe notificações da conta A. Na verdade eles só deveriam receber da conta B, que é comum aos dois.

De acordo com o Android Central, isso acontece simplesmente pelo fato de ambos compartilharem uma conta em comum, mesmo se tratando de aparelhos distintos. Há vários relatos de usuários confirmando o problema. O mais estranho é que não é sempre que ele ocorre. Também vale lembrar que o bug não permite o acesso a conteúdo restrito, ele apenas exibe notificações de um perfil que o usuário não possui.

O Instagram já se pronunciou e falou que está trabalhando em uma atualização para solucionar a falha.

 

Aplicativo do Instagram agora permite alternar até cinco contas

O aplicativo do Instagram para iOS e Android ganhou uma atualização nesta semana que era esperada por muitos usuários. Agora é possível alternar entre cinco contas diferentes sem a necessidade de fazer login e logout o tempo todo. É um recurso semelhante ao que ocorre no Twitter, quando uma tela permite trocar a conta ativa com poucos toques. A novidade é interessante não apenas para quem trabalha com social media, mas também para as pessoas que gerenciam um perfil pessoal e um perfil de marca (como lojas virtuais) na rede social.

instagram contas

Fiz um teste no meu smartphone que roda Android. É só ir na tela do seu perfil, dar um toque nos três pontos que ficam no menu superior direito e descer o menu até a opção “Adicionar conta”, que é uma das últimas. Após preencher o nome de usuário e a senha, a nova conta fica cadastrada no aplicativo. Basta tocar e segurar na foto do avatar (no menu horizontal inferior do Instagram – ao lado do ícone de notificações) para alternar entre os perfis. Bem mais prático!


Como a atualização chega no período do carnaval e Recife – terra do BitBlog – é um dos grandes focos da folia, junto com Olinda. Aproveitamos para deixar uma dica aos nossos internautas. Se sair em grupo e fizer questão de levar o smartphone para colocar fotinha no Insta, leva um só. Cadastra as contas dos amigos nele. Dessa forma, não precisa ficar todo mundo tirando e guardando o celular. Dá menos bandeira e é mais seguro por conta dos trombadinhas. Entendeu? ;)

 

WhatsApp tem pane e fica sem funcionar na noite desta segunda

ATUALIZAÇÃO: Cerca de 40 minutos depois, o WhatsApp voltou a funcionar.


O WhatsApp passou por uma pane na noite desta segunda-feira e ficou sem funcionar pouco depois das 23h (horário do Recife). Embora a causa da interrupção do serviço não seja conhecida, várias pessoas usaram o Facebook e o Twitter para se queixar de mensagens não enviadas. O DownDetector – especializado em checar o status de redes sociais – já acumula dezenas de relatos de diversos locais do mundo.

É a segunda vez em menos de um mês que o WhatsApp deixa seus mais de 900 milhões de usuários na mão. Uma situação similar já havia acontecido no último dia de 2015. Em 31 de dezembro, o popular app de mensagens instantâneas também parou de funcionar.

Passada mais de meia hora com a instabilidade, a companhia – comprada pelo Facebook – ainda não havia se pronunciado sobre o problema através das redes sociais.

WhatsApp DownDetector

WhatsApp será 100% gratuito e deixará de cobrar taxa anual

Usuários do WhatsApp foram brindados com uma boa notícia nesta segunda-feira (18). O CEO do popular serviço de mensagens – que já caminha para bater a marca de 1 bilhão de usuários mensais – anunciou que vai abolir a taxa de inscrição anual de US$ 0,99 (um dólar, que é aproximadamente quatro reais pela cotação atual). O comunicado foi feito por Jan Koum durante uma conferência em Munique, na Alemanha.

Por padrão, o download do app do WhatsApp é gratuito tanto no iOS como no Android. Após um ano de utilização grátis, que é considerado um (longo) período de testes, o serviço passava a cobrar pela assinatura anual. Agora ele é vitalício. A forma mais simples de verificar é nas configurações do app. Vá no menu Conta e depois em Dados de Pagamento. Coloquei uma printscreen aqui de como ficou no meu.

WhatsApp gratis

Jan Koum também garantiu que não pretende recorrer a anúncios no aplicativo para gerar receita para o WhatsApp, que foi comprado pelo Facebook. Em vez disso, o executivo vai desenvolver uma estratégia focada em B2C (Business to Consumer). Em outras palavras, seguirá o mesmo caminho da rede social de Mark Zuckerberg, apostando em SAC 2.0 e outras ferramentas para empresas. Algo que realmente era deficiente no WhatsApp e já foi objeto de análises aqui no BitBlog. Não fazia sentido tantas organizações adotando o serviço para atender clientes e ao mesmo tempo esbarrando em sérias limitações tanto na versão mobile como na versão web.

É interessante notar, também, que o WhatsApp faz um grande esforço para se manter fiel a seu lema, que é sua essência: “No ads, no games, no gimmicks”. Em tradução livre, algo como “sem anúncios, sem games e sem truques”.