Rollercoaster Tycoon

7 jogos de consoles e PC que chegam ao iOS e Android em 2017

Em 2015, um post nosso sobre 10 jogos de consoles que chegaram aos smartphones fez bastante sucesso. Agora, o BitBlog agora lista alguns games de consoles e PC, mas que vão desembarcar no iOS e Android no decorrer de 2017. Tem para todos os gêneros! Afinal, jogar no smartphone não se resume a Candy Crush.

7) RollerCoaster Tycoon Touch

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: já disponível (iOS), março (Android)
Preço: gratuito, com conteúdo adicional a partir de US$ 2,99

RollerCoaster Tycoon, franquia do PC, tem jogo no Android e iOS

RollerCoaster Tycoon, franquia do PC, tem jogo no Android e iOS

RollerCoaster Tycoon é uma das franquias mais adoradas pelos jogadores de PC, em especial para aqueles que viveram os anos 90 e 2000. A série abraçou as plataformas móveis e o novo lançamento, Touch, é uma versão feita do zero para o iOS e Android. É possível criar parques de diversão, decorá-los e inclusive construir a sua própria montanha russa com um editor especial.

6) Injustice 2

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: 2017
Preço: a definir

Pouco se sabe sobre a versão de Injustice 2 para celular

Pouco se sabe sobre a versão de Injustice 2 para celular

O Injustice original saiu para todas as plataformas possíveis. Antes mesmo de especularmos se a sequência também chegaria ao iOS e Android, a própria Warner confirmou a informação. Esperamos que seja uma adaptação mais fiel à edição para consoles, já que o título anterior ficou bem atrás.

5) Lineage II: Revolution

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: 2017
Preço: a definir

Lineage II fez sucesso no PC e vai ganhar versões para Android e iOS

Lineage II fez sucesso no PC e vai ganhar versões para Android e iOS

Clássico dos MMOs, Lineage fez (e ainda faz) bastante sucesso, inclusive no Brasil. Revolution é a nova aposta da coreana NCsoft, dessa vez em plataformas móveis através da Unreal Engine 4. O spin-off de Lineage 2 já está disponível na Ásia, onde segue faturando milhões. Enquanto isso, o Ocidente aguarda a versão em inglês…

4) Animal Crossing

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: 2017
Preço: a definir

Villager, o humano que reside em uma vila de animais, explora o ambiente

Sim, Animal Crossing pode funcionar muito bem em smartphones

Nascida no GameCube, a série Animal Crossing é uma espécie de simulador onde o recém-chegado protagonista, em uma vila habitada por animais, precisa pagar suas contas. O game segue o relógio da vida real e fez bastante sucesso por onde passou – em especial, no DS, Wii e 3DS. A adaptação para iOS e Android promete vender horrores, em especial no Japão.

3) Grand Theft Auto IV

Plataformas: Android (a confirmar)
Data de lançamento: 2017, a confirmar
Preço: a definir

Protagonista explora a cidade do jogo em meio a entardecer

O imenso mundo de GTA 4 saiu do computador para os celulares

Em uma recente transmissão pela internet, foi vazado o momento em que um dos desenvolvedores da Rockstar testava GTA IV no Android. Além disso, o estúdio lançou algumas telas do jogo, em evidente downgrade, no perfil do Twitter. Aguardando apenas uma confirmação oficial, GTA IV para smartphones é um dos projetos atuais da empresa e, se seguir a tendência das adaptações anteriores, será tão bom quanto o original!

2) Bravely Default: Fairy’s Effect

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: 2017
Preço: a definir

Heróis do game em destaque

Spin-off da saga do 3DS promete muitas horas de gameplay em smartphones Android e iOS

Ninguém imaginava que Bravely Default, a franquia de RPG da Square Enix para o 3DS, chegaria tão cedo ao iOS e Android. Fairy’s Effect é um spin-off dos títulos principais e, fora isso, não temos muitas informações ainda.

1) Final Fantasy XI Online

Plataformas: iOS e Android
Data de lançamento: 2017
Preço: a definir

Cena de gameplay, com personagem em uma vila

Imagem vazada de apresentação é tudo o que temos, neste momento, de FFXI para smartphones

Final Fantasy XI foi lançado no início dos anos 2000 para PS2 e Windows, desembarcando algum tempo depois no Xbox 360. O primeiro MMO da série fez bastante sucesso, tanto que os servidores da edição para Windows continuam ativos. Criado após uma tentativa frustrada de tornar FFX online no PS2, o game teve uma versão para iOS e Android anunciada em 2016. Pouco se sabe até agora, além da tela vazada acima e que o título chega em 2017 pelas mãos do estúdio Nexon. Com interfaces redesenhadas para dispositivos móveis, o jogo está sendo reconstruído usando a Unreal Engine 4.

Planet Coaster: um simulador de parques de diversão no Steam

Há algum tempo, falamos brevemente de Rollercoaster Tycoon aqui no BitBlog. É curioso como um game feito originalmente por uma única pessoa tornou-se febre, criando um novo gênero de simulação. Embora a franquia tenha esfriado com o passar do tempo, o estúdio Frontier Developments – que colaborou com a mesma – está prestes a lançar um sucessor espiritual. Planet Coaster promete ser o simulador definitivo de parques de diversão. Em 17 de novembro, quando será lançado para Windows via Steam, vamos descobrir se o projeto merece todo esse hype.

Independência

“Nós estaremos publicando, por conta própria, Planet Coaster. Ninguém vai interferir no nosso trabalho. Estamos fazendo o game que nós queremos.”

A frase acima veio de Jonny Watts, diretor criativo do estúdio, em conversa com a edição inglesa da MCV. A declaração remete a alguns lançamentos passados da série Rollercoaster Tycoon, que precisou da grana de empresas como a Atari e a LucasArts para se tornar realidade. Planet Coaster nasceu como projeto indie, teve campanha no Kickstarter (levantando mais de £35.000), e contou com o feedback dos financiadores para evoluir até o produto final. O pessoal da Frontier está bem otimista, a propósito.

Imagem de montanha-russa sob o oceano

O visual lembra um pouco a arte de Sea of Thieves, da Rare

Gerando hype

Quais as inovações, precisamente, deste game? Em primeiro lugar, a ideia é se aproximar da realidade: qualquer ação realizada no parque de diversões que você gerencia vai refletir, instantaneamente, na reação das pessoas. Se há milhares de indivíduos frequentando o parque, cada um deles vai expressar nitidamente o seu sentimento em relação a cada decisão sua, qualquer que seja. Logo, se você fizer besteira, vai saber bem rápido… É o chamado “gerenciamento de multidões”, algo ainda não explorado no gênero.

Imagem de montanha-russa vista de cima

Visual caprichado de Planet Coaster chama atenção

Qual a graça de construir seu próprio parque se não é possível compartilhar com outras pessoas? Este recurso estará presente via Steam Workshop e promete ser um dos pontos altos. Por enquanto, o jogo está previsto apenas para Windows, mas vai trazer suporte a português. O game está em pré-venda no Steam e quem adquirir poderá experimentar uma versão beta antes do lançamento em novembro. Abaixo, veja o trailer e tire suas próprias conclusões.

Conheça 5 games que foram desenvolvidos por uma única pessoa

A jornada de um desenvolvedor / designer de games é desafiadora, principalmente no Brasil, onde faltam incentivos. Embora vários cursos (inclusive de graduação) se popularizem cada vez mais, ainda são poucos os que prosperam por aqui. E quando o desenvolvimento é composto por uma única pessoa? O BitBlog listou, na coluna Bastidores desta quinzena, alguns títulos famosos que foram feitos por apenas um (isso mesmo) corajoso. Quem sabe o post não serve de motivação para você, não é mesmo?

Minecraft

Minecraft Education Edition

Minecraft tornou-se um universo próprio, sendo usado inclusive como ferramenta educativa

É difícil de acreditar que este aqui, um dos cinco games mais vendidos de todos os tempos, tenha começado de forma tão humilde. Markus Persson, um programador sueco, é o responsável por criar a famosa versão alpha de Minecraft. A partir daquele momento, o mundo conheceu o jogo, novas pessoas integraram o time e… Você sabe como termina: mais de 106 milhões de cópias vendidas (dados de julho de 2016) entre PC, consoles e smartphones.

Stardew Valley

Não, não tem RPG Maker aqui!

Não, não tem RPG Maker aqui! Brincadeiras à parte, Stardew Valley foi feito por uma única pessoa

Considerado por muitos o maior jogo indie de 2016, Stardew Valley é mais um exemplo da perseverança de uma alma solitária. O projeto demorou três anos, mas valeu a pena: em menos de seis meses, já são mais de 1,4 milhão de unidades vendidas. O trabalho do desenvolvedor Eric Barone lembra os melhores dias de Harvest Moon no SNES. Esqueça a cara “RPG Maker” – até porque o XNA foi a ferramenta usada – e você poderá descobrir um novo vício.

Tetris

tetris_main

Inocente e viciante: Tetris vem até instalado em televisão

O possível primeiro game que seus pais – ou até avós, no meu caso – jogaram também foi feito por uma pessoa. O designer russo Alexey Pajitnov trabalhava na Russian Academy of Science quando lançou seu projeto, em junho de 1984. A ideia do nome é uma combinação de “tetra” (os blocos que caem possuem, todos, quatro elementos) e “tênis”. O resultado é surpreendente: mais de 170 milhões de cópias vendidas em toda a franquia, sendo 70 milhões unidades físicas e os 100 milhões restantes em formato digital para smartphones. A maior parte do sucesso veio apenas com o lançamento do Game Boy, em 1989, que teve a sua própria versão e chacoalhou a indústria por inteiro. A propósito, Tetris vai ganhar filme em 2017. Bizarro é pouco…

Rollercoaster Tycoon

Aquele momento 1999 do post

Aquele momento 1999 do post

O simulador mais querido da década de 90 foi fruto do programador escocês Chris Sawyer, que modificou elementos de trabalhos anteriores para incorporar montanhas-russas. O jogo original saiu em 1999 para Windows PC, e logo ganhou versões para Xbox, Nintendo 3DS, Mac OS X, iOS e Android. Somando os cinco títulos da série, são mais de 9 milhões de cópias vendidas globalmente. Dá para acreditar que todo esse trabalhou começou com somente uma pessoa?

No Heroes

Para não ficar apenas nos games mais famosos, resolvi colocar um projeto que está sendo feito por um talentoso desenvolvedor. Tiago, um português, vem cuidando sozinho de No Heroes desde 2011. É um projeto em grande evolução, como é possível perceber em suas atualizações no YouTube. Fazer um FPS (tiro em primeira pessoa) não é para qualquer um. O Unity foi o motor de jogo escolhido. O título será free-to-play sem microtransações (!), havendo apenas a venda de skins para os equipamentos. Ainda não há data de lançamento prevista para o game, que chegará à Steam “em breve” como Early Access.

Bônus: o multiplayer de GoldenEye 007 (N64)

Goldeneye 007 - N64 - Multiplayer

Eita, saudade

Para muitos, GoldenEye 007 é o melhor FPS de todos os tempos. Mas você sabia que o famoso modo multiplayer foi feito por um único desenvolvedor, e em apenas um mês? Escondido da Nintendo, Steve Ellis implementou tudo e só avisou quando o modo estava pronto, em cima da data de lançamento do game. O cara é, no mínimo, talentoso, concorda?


Algo em comum entre os projetos acima (exceto o “bônus” de GoldenEye): todos eles demoraram. Portanto, se você quer desenvolver jogos sozinho de qualquer jeito, lembre: persistência e auto-motivação são as chaves para o sucesso.