Steam

Entrevista: NIS America traz os bastidores da localização de Ys VIII

Tá achando que fomos a Los Angeles participar da E3 2017 só pra jogar alguns dos games que vêm por aí?

Isso por si só seria suficiente, mas o BitBlog também teve a oportunidade de conversar com Alan Costa, Gerente de PR da NIS America – a empresa que está trazendo Ys VIII: Lacrimosa of Dana ao Ocidente no PS4, Vita e Windows (via Steam). O RPG de ação foi um dos títulos que mais curtimos na feira, então, nada mais justo do que falar sobre ele! E, claro, o futuro do PS Vita, já que a NIS America é uma das maiores apoiadoras do portátil. Veja abaixo o que rolou neste papo!


A nova saga de Adol Christin

Adol, Laxia e Sahad encontram um monstro gigante

Adol, Laxia e Sahad têm um problema sério para resolver…

BitBlog: Para começar, você pode falar sobre o enredo de Ys VIII e como ele se conecta com os outros games da série?

Alan Costa: Cronologicamente, o título se passa logo após Memories of Celceta. Sobre o enredo, (o protagonista) Adol está em um barco que termina virando. Ao invés de descer em um continente como nos anteriores, ele encontra uma ilha deserta, a Ilha de Seiren. Adol tem dois objetivos: a curto prazo, encontrar as outras pessoas que estavam navegando com ele até o incidente. A outra meta é, obviamente, encontrar uma forma de ir embora do local. O herói terá ainda sonhos com uma garota de cabelos azuis longos chamada Dana. Você poderá jogar com ela. A partir daí, é spoiler!

Ys VIII será o mesmo jogo no PS4 e PS Vita em termos de conteúdo?

Boa pergunta! Ambos os jogos têm a mesma narrativa e final, mas a edição do PS4 tem conteúdo extra relacionado a Dana. Você vai jogar mais capítulos relacionados a ela, se envolvendo mais com a estória de Dana. Obviamente, o jogo visualmente está bem melhor no PS4, rodando a 60 frames por segundo, com texturas melhores. Esta versão terá entre 5 e 10 horas a mais de campanha.

O jogo terá personagens de Ys anteriores?

(Ys VIII) é uma nova estória. Ela se passa logo após a Memories of Celceta. Teremos provavelmente o retorno de Dogi, mas nada extraordinário. Serão muitas faces novas.

Em uma praia, os três heróis do jogo estão encarando um dragão

Esse dragãozinho não é nada pro trio de heróis

Ys VIII terá cross-buy ou cross-save entre PS4 e Vita?

Sem planos para isto.

Após o lançamento haverá algum DLC?

Teremos novidades em breve. Saiu algo no Japão e estamos trabalhando na logística de trazer para cá (Ocidente), então teremos mais atualizações depois. Mas adianto que é mais algo relacionado a roupas, por exemplo, e não uma nova saga ou um DLC que adicione horas de jogo.

Podemos esperar o game em outras plataformas?

Teremos a versão do Steam, com lançamento mundial. Em relação a outras plataformas, neste momento não há planos.

Futuro do PS Vita e parceria com Falcom

Capa mostra Adol e Dana, um de costas pro outro

Capa japonesa do game

O que podemos aguardar para os próximos Ys? A série está, aos poucos, migrando para os consoles e PCs? Ou os portáteis ainda receberão lançamentos?

Honestamente, eu não tenho como te dizer. Nós apenas publicamos o jogo, não desenvolvemos ele. Pelo que tenho ouvido da Falcom, pretende-se manter todas as portas abertas. Quem sabe o que vai acontecer, não é mesmo?

Falando sobre o lançamento, percebi que vocês (NIS America) seguraram o lançamento de Ys VIII no Vita para coincidir com a chegada da edição japonesa do PS4, disponibilizando os dois juntos no Ocidente. Procede? Como foi cooperar com a Falcom?

Sim, procede. Trabalhar com a Falcom tem sido fantástico, eles têm oferecido bastante suporte, fornecendo tudo o que precisamos e fazendo aprovações rapidamente. O único desafio para o lançamento ocidental foi o curto prazo de tempo: a versão PS4 está chegando em apenas sete meses após o lançamento no Japão. Nós ainda nos importamos com os usuários do Vita, queremos deixá-los felizes. Infelizmente, não podemos voltar no tempo e adicionar todo o conteúdo extra na edição portátil, mas o mínimo que pudemos fazer foi trazer a edição do Vita também em mídia física, com direito à Collector’s Edition – que também estará disponível para PS4.

Seria Ys VIII o último grande RPG que vocês pretendem lançar no Vita?

Neste momento, não há nada para anunciar. Em julho, teremos um grande evento em Los Angeles, o Anime Expo, então deveremos ter algo interessante para revelar por lá. (Nota: a NIS America lançou esta página para falar que alguns desenvolvedores parceiros, de séries japa renomadas, estarão no Anime Expo para fazer alguns anúncios)


Ys VIII: Lacrymosa of DANA chega ao PlayStation 4, PS Vita e Windows (via Steam) em 12 de setembro. Siga acompanhando o site e redes sociais do BitBlog para mais entrevistas, prévias e notícias!

Jogamos: Metal Gear Survive é inesperadamente divertido

O anúncio de Metal Gear Survive no ano passado deixou alguns fãs preocupados: será que trazer a franquia para um espaço mais inquieto, com mais ação e menos espionagem, terminaria bem?

Jogamos o game na E3 2017 na edição para PS4. Veja as nossas impressões abaixo!


Portais, zumbis e dimensões

Dezenas de zumbis atacando de uma vez só

No final da missão não fica nada fácil manter-se seguro

Em uma realidade alternativa, zumbis são transportados entre dimensões. Resta a você sobreviver ao ataque de um exército de criaturas estranhas. Esta é a trama do modo multiplayer do título, pelo menos, já que a campanha solo segue guardada a sete chaves. Em grupos de 4 pessoas, é preciso usar estratégia e muita conversa para orquestrar as missões, que são todas cooperativas.

Na demo da E3, estávamos em um cenário que lembrava ruínas de uma fortaleza, com um gerador que precisa ser protegido do ataque dos mortos-vivos. Com a missão dividida em três momentos, tínhamos pessoas de perfis diferentes: o game permite o uso de um homem ou mulher especialista em combate a curto alcance e outro(a) a médio alcance. Cada um tinha kits de armamento diferentes.

Em um primeiro momento, a ideia era infiltrar na fortaleza. Para isso, havia duas formas: com muita paciência, passando-se despercebido entre os poucos zumbis que ali estavam, ou partindo pro tiroteio e quebrando tudo. Em seguida, preparar terreno (e plantar machine guns!) para eliminar criaturas que eram transportadas de um portal para lá, dessa vez incluindo Bombers: cabeçudos, resistentes a tiros, porém explosivos ao serem derrotados. Na última etapa, usar robôs para proteger o gerador de um ataque massivo, mantendo-o operacional até um contador de tempo se esgotar.

Dividir para conquistar

Zumbis indo embora em balões

Adeus, jovens

Para quem curte e admira Metal Gear Solid, é difícil aceitar a ideia de a série ter tiroteios online com bichos excêntricos. Mas acredite: funciona, pelo menos no multiplayer. Na demo que joguei, outro jornalista brasileiro e mais dois gringos se juntaram a mim nesta missão cooperativa e conseguimos chegar com sucesso ao fim. Há, sim, elementos de MGS: a ideia de recuperar energia tratando partes do corpo com itens específicos, os balões que levam inimigos pro espaço ou um pouco de espionagem que ainda resta.

Após morrer uma vez e fazer algumas customizações de armas primárias e secundárias, além de entender como o D-pad funciona para plantar machine guns, barricades e até selecionar granadas, a experiência melhorou. Muito. Embora o novo medidor de resistência pare o seu personagem quando ele corre bastante, esgotando o mesmo, dá para lidar com isso e dividir para conquistar.

Enquanto alguns companheiros se organizavam no combate a curto alcance, eu plantei machine guns e fiquei agindo a nível mais estratégico, impedindo zumbis e bombers de se aproximarem do espaço do gerador. Na etapa final, larguei de vez o plano, subi em um robô e saí chutando (literalmente) a galera. Sim, chutes são bem efetivos contra alguns tipos de inimigos. Quando a partida terminou, teve aplausos e bastante comemoração. Sim, foi divertido.


Para curtir Survive, o melhor conselho que podemos dar é: abra sua mente. Pense que este é um spin-off da amada série e, se você curtir, será uma oportunidade nova de explorar o universo de Metal Gear, desta vez online com amigos (e desconhecidos). A campanha solo ainda é uma interrogação e pode prejudicar o pacote final, mas estamos otimistas.

Metal Gear Survive chega no início de 2018 ao PS4, Windows (via Steam) e Xbox One.

Ys VIII: Lacrymosa of Dana chega em setembro ao ocidente

Ys VIII: Lacrymosa of Dana é o nosso jogo de PS Vita mais esperado para 2017 (veja a lista completa aqui). Também disponível para PS4 no Japão, o título ainda não tinha sua data de lançamento ocidental revelada. Duas semanas antes da E3, a NIS America se antecipou e fez o anúncio oficial: o RPG de ação chega em mídia física e digital no dia 12 de setembro, para PS4 e PS Vita. Uma versão digital no Steam (Windows apenas) sai na mesma data!

O jogo terá a opção de áudio em japonês e inglês, assim como as legendas. Enquanto você espera, aproveita e dá uma olhadinha na arte da capa, que tá bem interessante! Abaixo, o clipe de abertura. E se você não conhece a série, dá uma lida em nossa análise de Ys: Memories of Celceta pra ter uma ideia do que vem por aí!

DLC de Dead Rising 4, Frank Rising ganha data de lançamento

Dead Rising 4 chegou no fim de 2016 ao Windows 10 e Xbox One. Em março de 2017, foi disponibilizado no Steam. Com grandes chances de receber uma versão no PS4 e encerrar por aí (já que o Xbox 360 e o PS3 estão agonizando), o que ainda podemos esperar do game? Felizmente, um DLC está a caminho: Frank Rising.

Prolongando a curta campanha de Dead Rising 4

Com uma campanha solo que dura cerca de 11 horas, além da ausência de um modo multiplayer cooperativo, o fator replay (a vontade de jogar de novo) parece não ser um ponto forte do game. No entanto, o DLC Frank Rising chega em 4 de abril, buscando trazer os fãs de volta.

Custando o equivalente a 10 dólares, o conteúdo para download traz o protagonista Frank infectado por zumbis. O jogador precisará encontrar uma cura para o herói. Se for divertido que nem o jogo original (veja nossas impressões durante a E3 2016 aqui), tem tudo para dar certo!

O pior está por vir

Um outro DLC, sem data definida, é Super Ultra Dead Rising 4 Mini Golf. Sim, a Capcom vai adicionar um minigame de golfe, com multiplayer online, em meio a uma cidade apocalíptica. Bizarro é pouco…

Protagonista Frank jogando golfe

Quem nunca sonhou em jogar golfe em um mundo apocalíptico?

Senran Kagura retorna ao Steam com Estival Versus

Já ouviu falar de Senran Kagura? A franquia de games, que também teve adaptações para mangá e anime, traz a saga de mulheres ninjas contratadas pelo governo japonês enfrentando mafiosos que representam interesses de grandes corporações e políticos. Para estar na academia de lutadoras, é preciso ter um histórico criminal limpo. Quem se envolve em assassinatos não pode representar o governo.

Popular entre fãs de cultura japonesa, a série foi criada em 2011 e, desde então, recebe lançamentos praticamente anuais. O mais recente, Estival Versus (PS4 / PS Vita), recebeu avaliação positiva (32/40) da revista Famitsu e alcançou quase meio milhão de unidades. Com isso, a Marvelous e a Xseed se juntaram novamente para relançar o jogo de ação no Windows, via Steam. A edição PC de Estival Versus já está disponível por lá e figura entre os mais vendidos.

Cena de gameplay, com ninjas na praia em roupas de banho

Ninjas de biquíni lutando na praia – algo que só podia vir de um game japa…

A edição Steam é basicamente a mesma do PS4, mas com suporte a conquistas, leaderboardssaves na nuvem e trading cards, além de supportar 1440p e 4K, rodando a 60 fps. O modo online para até 10 jogadores continua presente. Mas só uma observação para os (as) desavisados (as): o game não é recomendado para menores de 18 anos, pois inclui nudez.

Quer mais dicas de títulos para Steam? Siga o BitBlog. Recentemente, falamos de um FPS online com piratas (Blackwake), a versão de Nier Automata, o retorno de Constructor e até mesmo uma nova aventura de Yu-Gi-Oh!.

Blackwake é uma aventura pirata no Steam

Antes que você nos pergunte, sim, nós conhecemos Sea of Thieves, um game multiplayer de piratas para Xbox One e PC/Windows. Inclusive jogamos ele na E3 2016. Eis que a temática ressurge em Blackwake, um jogo nos mesmos moldes, mas que já está disponível para Windows via Steam. Figurando entre os mais vendidos, inclusive.

Personagem, em navio pirata, observa o horizonte

Só não dá pra pular no mar – não ainda

De acordo com o seu estúdio, o Mastfire, a produção do game começou em 2013 com um time bem reduzido, dois anos antes da revelação de Sea of Thieves. Logo, acho que vale a pena dar um crédito, não é mesmo?

Blackwake é um FPS (tiro/ação em primeira pessoa) online, onde – no papel de um pirata – o jogador precisa cooperar com outros companheiros do mundo real e destruir os barcos dos oponentes. Estão disponíveis partidas 1X1 e 3X3, com cada embarcação tendo até 16 pessoas. É possível também personalizar o seu próprio navio pirata.

Quem comprou o título no Steam, em maioria, aprovou. As animações, a comunidade de jogadores e a trilha sonora vêm sendo apontados como os principais destaques de Blackwake. A queda brusca na taxa de frames por segundo ainda preocupa, mas o Mastfire promete melhorar esse aspecto em próximas atualizações. Veja abaixo um pouquinho do game!

7 jogos para adultos com temática de sexo e violência

Nos EUA, o órgão Entertainment Software Rating Board (ESRB) é famoso por fazer a classificação etária de videogames desde 1994. Nos anos anteriores, uma enxurrada de jogos para adultos – com bastante violência e temáticas sexuais – dividiu o país e justificou criar uma instituição para regular este tipo de entretenimento.

Em meio a tantos selos de classificação, um chama atenção: o Adults Only (AO), que é o mais “durão” da ESRB e identifica jogos para adultos – pessoas com 18 anos ou mais, de acordo com o órgão. Até hoje, menos de 30 títulos nesta situação foram lançados. Na maioria das vezes, os estúdios fazem o possível para não receber esta classificação, pois sua comercialização é impedida em lojas físicas americanas. GTA San Andreas, por exemplo, tinha a categoria Mature (indicado para pessoas com 17 anos ou mais), mas foi reclassificado para “cima” quando hackers descobriram um minigame comprometedor no código-fonte. A Rockstar o retirou às pressas, solicitando uma nova avaliação e reconquistando o Mature.

Conheça agora alguns jogos para adultos nesta temida (ou, algumas vezes, intencional) categoria. As notas do Metacritic não são muito boas, então você decide se joga ou não.

Leisure Suit Larry: Magna Cum Laude (Uncut and Uncensored)

PS2, Xbox, Windows
Metacritic: 60 (PS2), 62 (Xbox), 59 (Windows)
Data de lançamento: 26 de outubro de 2004

Protagonista Larry, nu, no meio de um colégio

Minigames bizarros fazem parte da “saga”

O estudante Larry Lovage sonha em participar de um programa de namoro na TV. Para chegar lá, o requisito é comprovar seu talento de sedução, adquirindo tokens que comprovam as suas conquistas amorosas. Em plena faculdade, Larry vai se envolver em fraternidades (típicas nos EUA) para se relacionar sexualmente com garotas.

Minigames bizarros no decorrer da “saga” dão direito aos tokens, aumentam a confiança do estudante ou até mesmo fornecem dinheiro como prêmio. A edição Uncut and Uncensored veio, de fato, sem censura, mostrando os personagens completamente nus. Daí veio o selo Adults Only, que não estava presente na versão original.

Playboy The Mansion: Private Party

Windows
Metacritic: N/A (a versão original recebeu 59 no PS2 e Windows e 61 no Xbox)
Data de lançamento: 2006

Mulher quase nua junto ao protagonista do jogo

Private Party tem, como objetivo, conquistar garotas e fazer dinheiro

No Playboy The Mansion, o jogador controla Hugh Hefner – o famoso fundador da revista – com a missão de erguer o império que ele construiu, desde o início. Conforme se avança no jogo erótico, é possível viver em mansões luxuosas, com festas rolando diariamente.

Private Party é um pacote de expansão disponível apenas na edição para PC, que traz novas festas e um recurso onde – em relações sexuais – os personagens tiram a roupa de baixo. Uma distorção é aplicada para embaçar algumas regiões do corpo, mas ainda assim o pacote de expansão recebeu o Adults Only da ESRB.

Fahrenheit: Indigo Prophecy Director’s Cut

Windows, Linux, Mac OS X, iOS, Android e PlayStation 4
Metacritic: N/A (o relançamento de 2015 tem nota 61 no PC e 75 no iOS)
Data de lançamento: 2005 na edição original para Windows (relançamento em 2015 para todas as plataformas mencionadas acima)

Cena de sexo no game

Os protagonistas Carla e Lucas bem à vontade

Em 2005, Fahrenheit chegava ao PS2, Xbox e Windows, mas apenas a última (com o subtítulo “Director´s Cut”) não tinha nenhuma espécie de censura. Dez anos depois, um relançamento baseado na Director´s Cut desembarcou no Windows, Linux, Mac OS X, Android, iOS e PS4, mas curiosamente não recebeu o selo Adults Only da ESRB. Vai entender…

Fahrenheit é considerado uma espécie de prólogo para Heavy Rain, sendo feito inclusive pelo mesmo estúdio. Se passa em Nova York, onde surgiram relatos de pessoas comuns sendo possuídas e cometendo assassinatos. Os protagonistas precisam desvendar o mistério sobrenatural. Várias cenas de sexo estão presentes, justificando a classificação etária máxima na versão de 2005 para PC.

Hatred

Windows (Steam)
Metacritic: 43
Data de lançamento: 1 de junho de 2015

Herói do jogo atirando em inimigo deitado no chão

A violência em Hatred é gratuita, até mesmo desnecessária

Embora contenha conteúdo sexual, Hatred recebeu o selo Adults Only por causa da violência extrema presente do início ao fim. É também um curioso caso onde a crítica avaliou mal (vide a média 43 no Metacritic), mas os usuários elogiaram no Steam. Por falar nisso, o título foi até mesmo removido do serviço Steam Greenlight, gerando críticas à Valve e voltando algum tempo em seguida.

O jogo é um festival de cenas de mal gosto, geradas a partir de um enredo ridículo: um sociopata desiste de acreditar no futuro da humanidade e começa a cometer crimes – um atrás do outro. Faz sentido desenvolver algo assim? Será que, neste caso, não estamos falando de algo extremamente desnecessário? Diferente de GTA, este aqui não é um tipo de arte, mas uma desculpa esfarrapada para mostrar o que existe de pior na cabeça de alguns desenvolvedores…

Manhunt 2 (uncut version)

Windows
Metacritic: N/A (versão censurada é 62 no PS2)
Data de lançamento: 6 de novembro de 2009

Protagonista prestes a acertar uma pessoa com um taco de baseball

Melhor mostrar a cena antes do golpe

O título de sobrevivência poderia não ter chegado ao Wii, PS2 e PSP, já que Nintendo e Sony não permitiam produções Adult Only em suas plataformas. O jeito que a Rockstar encontrou para receber a classificação “Mature”, mais leve, foi censurar as cenas de violência extrema, “embaçando” parte da imagem. Ainda assim, a edição Uncut chegou ao Windows pouco tempo depois, trazendo a visão original do estúdio para o game.

Em Manhunt 2, considerada uma aventura de “sobrevivência”, o jogador incorpora Daniel Lamb, uma pessoa com problemas mentais, que tenta recuperar suas memórias, até descobrir que fez parte de um programa financiado pelo governo para “fabricar” assassinos que poderiam ser comandados remotamente, através de um sistema.

Singles: Flirt Up Your Life

Windows
Metacritic: 58
Data de lançamento: 5 de outubro de 2003

Homem e mulher, ambos nus

Singles tenta ser um The Sims mais “assanhadinho”

Controle personagens em suas rotinas diárias: acordar, tomar banho, comer, trabalhar e etc. Essa temática pode te fazer lembrar de The Sims, mas também se aplica a Singles, que dá ênfase aos relacionamentos amorosos que o (a) protagonista pode ter. Uma sequência, Singles 2: Triple Trouble, permite relacionamentos sexuais homoafetivos.

Ef – A Fairy Tale of the Two

Windows
Metacritic: N/A
Data de lançamento: 24 de dezembro de 2014

Uma das personagens sem roupa

Ef lembra os típicos animes sem censura

Considerada uma visual novel adulta – ou um jogo erótico (como preferir) – esta é uma coletânea com os dois Ef originais, que foram lançados para o PS2 japonês mais de uma década atrás, mas agora para Windows e sem censura. Disponibilizado em conjunto com uma série em mangá e anime, Ef conta uma típica trama japa sem sentido, envolvendo um triângulo amoroso. O jogador toma decisões que afetam a narrativa.