Super Lucky’s Tale

Conheça os melhores games da E3 2017, segundo o BitBlog!

A E3 2017 acabou na última quinta-feira, 15 de junho. O BitBlog ainda tem uma tonelada de conteúdo para escrever: prévias, entrevistas e bastidores da feira e de novos games. Mas não podemos perder o timing: jogamos muita coisa e queremos, nesta segunda E3 que cobrimos, reconhecer os jogos que chamaram mais atenção. Conheça o Melhores da E3 2017, via BitBlog!


Evento pré-E3 mais divertido

Roda gigante da Bethesda, no meio das atrações, dava o tom divertido que a conferência teria

Roda gigante da Bethesda, no meio das atrações, dava o tom divertido que a conferência teria

A Bethesda montou um parque de diversões em plena Los Angeles, com direito a uma roda gigante, barraquinhas de comida típica e estações com demos de Elder Scrolls. Cada franquia representava uma área do espaço no LA Center Studios. Ainda rolou show de The Chainsmokers logo após a conferência. Fica difícil não eleger o Bethesdaland como o evento pré-E3 mais divertido. Leia aqui a nossa cobertura do evento, incluindo bastidores!

Melhor conferência pré-E3

Essa aqui foi concorrida, mas ficamos com a Ubisoft. Ela trouxe o que queríamos ver, além de surpresas como Skull & Bones, Starlink: Battle for Atlas (nossas impressões aqui), Beyond Good & Evil 2 e Transference. Teve até Shigeru Miyamoto no palco!

Melhor game de plataforma

Mario pulando corda na cidade do game

Mario tá até pulando corda agora

Que E3 para o gênero! Concorrentes maravilhosos não faltaram, mas o prêmio vai mesmo para Super Mario Odyssey. A nova aventura do mascote injeta um ar de novidade no gênero, ao mesmo tempo em que resgata a essência que consagrou Super Mario 64 e Super Mario Sunshine. Veja as nossas impressões!

Melhor game de ação/aventura

Esta tende a ser uma categoria super concorrida, mas Super Mario Odyssey leva mais um prêmio. Explorar New Donk City, assim como o estágio do deserto, despertou sorrisos na cara de quem curtiu a demo jogável na feira. Isso sem falar dos vários colecionáveis espalhados pelos cenários, missões principais e side-quests.

Melhor game de corrida

Diversidade das missões traz um brilho maior a The Crew em seu segundo game

The Crew 2 pode ter muitos elementos de MMO, mas – em sua base – é um título de corrida arcade. A diversidade de veículos e ambientes é impressionante! Veja nossa prévia aqui.

Melhor RPG

Protagonista Adol Christin corre em uma praia junto a colegas

Ys VIII é o primeiro da série principal para o PS4

Em uma E3 onde os RPGs estiveram basicamente em portáteis, Ys VIII: Lacrimosa of Dana (para PS4 e Vita) é um sucessor à altura de Ys: Memories of Celceta. O RPG de ação apresentou dungeons com a essência de exploração da franquia, ao mesmo tempo em que desenvolve um enredo mais profundo com o esquecidinho Adol Cristin. Veja aqui a nossa prévia!

Melhor FPS (tiro em primeira pessoa)

Stormtroopers correndo

Battlefront 2 quer trabalhar em cima dos erros do predecessor

Não faltou concorrência, mas Star Wars Battlefront II representa um pacote completo para garantir horas e horas (e, por que não, anos) de jogatina. É um game que fala para todos os fãs de Star Wars, passando pelas três eras, com missões novas e clássicas em um visual caprichado. Isso sem contar os heróis (com visão em terceira pessoa)! Veja aqui a nossa prévia.

Melhor game de estratégia

Mario lançando Rabbid Peach em direção a uma parte segura do tabuleiro

Se proteger em posições estratégicas é essencial para vencer as batalhas

Parceria da Ubisoft com a Nintendo, Mario + Rabbids: Kingdom Battle traz o mundo colorido dos mascotes para o gênero. É preciso ver como a narrativa vai se desenvolver, mas – a julgar pela demo da E3 (veja nossas impressões aqui) – gostamos muito da mecânica de combate por turnos. Há ainda elementos de RPG entre combates.

Melhor game esportivo

Usian Bolt comemorando gol

Até Usian Bolt apareceu em PES 2018

Com melhorias na Master League, modo MyClub compartilhável com outra pessoa, mais fidelidade na representação de estádios e jogadores e ainda o retorno de mecânicas que funcionavam (como os pênaltis na era PS2), Pro Evolution Soccer 2018 mostra o empenho da Konami em revitalizar o gênero – uma missão difícil, dados os lançamentos anuais.

Melhor multiplayer online

Zumbis são levados embora via balões

No final da missão, não fica nada fácil manter-se seguro

Surpresa! Metal Gear Survive é muito divertido. Não fui o único com essa impressão, vários jornalistas falaram o mesmo ao sair da sessão hands-on em um espaço a portas fechadas montado pela Konami. Com uma mecânica descompromissada com a realidade, ao mesmo tempo em que mostra alguma preocupação com o legado da série, Survive não penaliza novatos e traz uma mecânica cooperativa que agrada. Veja aqui a nossa prévia.

Melhor game de realidade virtual

Protagonista andando pelos cenários futuristas do game, em meio a puzzles

Star Child é, basicamente, uma obra de arte

Um título de plataforma compatível com o PlayStation VR, onde a câmera acompanha o personagem por cenários caprichados, usando movimentação 2.5D. Este é Star Child, anunciado na conferência pré-E3 da Sony e jogável na feira. Com diversos puzzles espalhados pelas fases, o título é uma experiência relaxante e inovadora. Veja aqui nossas impressões!

Melhor game para PlayStation 4

Suspeito de assassinar esposa fazendo a filha em refém, em cena do game

Filme ou game?

Falamos que ele parece um filme jogável, e Detroit: Become Human não esconde isso. Não é o game onde você sai atirando em tudo e correndo desesperadamente pelos cantos, mas sim um enredo que te obriga a pensar – e que joga uma grande responsabilidade nas decisões que você toma. Candidato a jogo do ano!

Melhor game para PS Vita

Em uma plataforma que ainda se recusa a morrer, Ys VIII: Lacrimosa of Dana brilha bastante.

Melhor game para Nintendo Switch

Com Xenoblade Chronicles 2 e outros títulos AAA não estando jogáveis, sobrou para Super Mario Odyssey representar (super) bem o Switch.

Melhor game para 3DS

Protagonista Tathu em combate

Este (a) é Tathu, herói/heroína em suas aventuras pelo deserto

Embora esteja prestes a ser lançado, Ever Oasis estava na feira e impressionou pela mecânica à la Zelda. Metroid: Samus Returns não estava jogável e poderia ter sido um bom competidor.

Melhor game para Windows

Protagonista golpeando inimigos em pleno deserto

Egito é palco de novo jogo da série

Com um enredo envolvente e um visual ainda mais realista, Assassin’s Creed Origins é o retorno da série multiplataforma.

Melhor game de Xbox One

Protagonista Lucky em cenário colorido do seu reino

Vem aí mais um mascote de plataforma – do jeito que a gente gosta

Já nasceu clássico. Super Lucky’s Tale representa uma mistura de Banjo-Kazooie, Mario e Crash Bandicoot ao mesmo tempo em que traz originalidade. Veja aqui a nossa prévia.

Melhor game da E3 2017

Caixinha do game, com Mario lançando seu boné em meio à cidade de New Donk City

Até a caixinha é linda

Super Mario Odyssey. A Nintendo não decepciona com a série principal do bigodudo e Odyssey é a prova disso! Há muito conteúdo, ao mesmo tempo em que a essência de Mario é mantida.


Se você acha que a cobertura da E3 2017 no BitBlog terminou, está enganado! Tem muito, muito conteúdo ainda por vir. Fiquem atentos em nosso site e redes sociais! Não deixe de acompanhar também o que rolou nas conferências da Nintendo e PlayStation.

Jogamos: Super Lucky’s Tale traz o melhor do gênero plataforma

Jogos de plataforma, ao lado de RPGs, sempre travaram uma disputa acirrada em meu coração de gamer. O páreo é duro. Eu poderia facilmente listar inúmeros títulos que me cativaram nas últimas duas décadas. Ouso dizer que Sonic, Mario, Bubsy e Yoshi’s Woolly World me fizeram tão feliz quanto Secret of Mana, Chrono Trigger, Persona 4 Golden e Dragon Age. Mas se depender de Super Lucky’s Tale, que promete um futuro brilhante, a balança pode começar a pender para um lado. A equipe do BitBlog passou no estande do Xbox e jogou o game de plataforma da Playful Corporation – que, vale dizer, já me conquistou com Star Child no PlayStation VR. Não é exagero dizer que Super Lucky’s Tale traz o que há de melhor no gênero.

E o que faz um jogo de plataforma ser muito bom?

Bem, vou correr o risco de tentar adivinhar os ingredientes da fórmula – embora eu deteste com todas as forças quando esta palavra é associada a videogames. Mas, na minha opinião, 50% da receita é composta por: um personagem carismático, jogabilidade simples, fator replayable, exploração, ambientação envolvente e trilha sonora marcante. Os outros 50% correspondem ao toque de Midas – e a Nintendo é uma especialista nisso. É saber misturar muito bem todos esses elementos na dose certa para que a versão final do jogo seja vitoriosa no objetivo de fisgar os jogadores.

Ao contrário de vários títulos apresentados na E3 2017, a demo de Super Lucky’s Tale teve duração bem generosa. Antes de colocar as mãos no joystick, foi dito a mim que a experiência deveria durar cerca de 15 minutos, mas tenho certeza que levei mais ou menos o dobro do tempo (para quem estava na fila, sorry). Eu lembro que a cada transição de mapa ou desafio concluído eu ficava triste acreditando que veria a mensagem de fim da demo na tela. A todo momento eu queria continuar jogando mais. E, honestamente, escrevo este texto horas depois do gameplay e ainda me arrepio só de pensar nisso.

O mais estranho, porém, é que Super Lucky’s Tale é tão simples e intuitivo que com cinco minutos parecia que eu tinha passado uma vida inteira jogando ele. Talvez seja porque a raposa Lucky, mascote da franquia, evoca em mim a imagem de Tails. Já Diego, que também é editor do BitBlog, lembrou de Crash. Ou talvez a explicação para essa familiaridade seja ainda mais simples: Super Lucky’s Tale é MUITO bom.

De forma resumida, os comandos envolvem pular sobre os inimigos, acertá-los com a cauda, rolar e cavar túneis. É muito fácil se acostumar com eles. Os gráficos são de um colorido vívido que fica perfeito rodando a 4k no novíssimo Xbox One X. A propósito, o título em 3D será lançado no mesmo dia que o poderoso console, em 7 de novembro de 2017. Seguindo a prática adotada pela Microsoft na nova geração, ele também ganhará uma versão para Windows 10.

Super Lucky’s Tale também agrada quem gosta de exploração nos games. Parte do motivo de meu gameplay ter demorado mais que o previsto foi minha mania de vasculhar todos os cantos do cenário. Descobri caminhos ocultos. Onde não era possível chegar, fiz questão de usar a câmera para dar uma boa olhada. Acredite em mim, o visual é tão fascinante que você também vai querer reservar um tempinho só para olhar ao redor de Lucky. Aliás, aproveite para tentar localizar as cinco letras que formam o nome do personagem, ganhando uma vida extra. Tipo como acontecia com Donkey Kong.

Mas, apesar da breve comparação, vale ressaltar que Lucky tem originalidade e carisma próprio. Conversei com Shawn Ketcherside, da equipe responsável pelo jogo, e ele contou sobre como surgiu a ideia. “Nós queríamos fazer um mascote que realmente gostássemos e assim nasceu esta raposa fofinha e bastante expressiva. A alegria é uma característica do personagem”, contou.

De acordo com Shawn, o time está preparando várias fases e não tem como precisar agora a quantidade de horas de gameplay que a versão final terá, mas os jogadores podem esperar fases especiais em que pulos superprecisos serão fundamentais. Assim como mostrado na demo, outras boss arenas vão aparecer no decorrer do jogo e ao longo da narrativa o jogador conseguirá desbloquear novas coisas para fazer. Uma das dúvidas é sobre o que fazer com as moedas que serão coletadas nas fases. Atualmente uma certa quantidade delas adiciona uma vida extra, mas o time da Playful pensa em talvez implementar novas funções, como a possibilidade de também usá-las para destravar colecionáveis in-game. “Vamos oferecer o melhor conteúdo que temos”, frisou.