Xbox One

Jogamos: Super Lucky’s Tale traz o melhor do gênero plataforma

Jogos de plataforma, ao lado de RPGs, sempre travaram uma disputa acirrada em meu coração de gamer. O páreo é duro. Eu poderia facilmente listar inúmeros títulos que me cativaram nas últimas duas décadas. Ouso dizer que Sonic, Mario, Bubsy e Yoshi’s Woolly World me fizeram tão feliz quanto Secret of Mana, Chrono Trigger, Persona 4 Golden e Dragon Age. Mas se depender de Super Lucky’s Tale, que promete um futuro brilhante, a balança pode começar a pender para um lado. A equipe do BitBlog passou no estande do Xbox e jogou o game de plataforma da Playful Corporation – que, vale dizer, já me conquistou com Star Child no PlayStation VR. Não é exagero dizer que Super Lucky’s Tale traz o que há de melhor no gênero.

E o que faz um jogo de plataforma ser muito bom?

Bem, vou correr o risco de tentar adivinhar os ingredientes da fórmula – embora eu deteste com todas as forças quando esta palavra é associada a videogames. Mas, na minha opinião, 50% da receita é composta por: um personagem carismático, jogabilidade simples, fator replayable, exploração, ambientação envolvente e trilha sonora marcante. Os outros 50% correspondem ao toque de Midas – e a Nintendo é uma especialista nisso. É saber misturar muito bem todos esses elementos na dose certa para que a versão final do jogo seja vitoriosa no objetivo de fisgar os jogadores.

Ao contrário de vários títulos apresentados na E3 2017, a demo de Super Lucky’s Tale teve duração bem generosa. Antes de colocar as mãos no joystick, foi dito a mim que a experiência deveria durar cerca de 15 minutos, mas tenho certeza que levei mais ou menos o dobro do tempo (para quem estava na fila, sorry). Eu lembro que a cada transição de mapa ou desafio concluído eu ficava triste acreditando que veria a mensagem de fim da demo na tela. A todo momento eu queria continuar jogando mais. E, honestamente, escrevo este texto horas depois do gameplay e ainda me arrepio só de pensar nisso.

O mais estranho, porém, é que Super Lucky’s Tale é tão simples e intuitivo que com cinco minutos parecia que eu tinha passado uma vida inteira jogando ele. Talvez seja porque a raposa Lucky, mascote da franquia, evoca em mim a imagem de Tails. Já Diego, que também é editor do BitBlog, lembrou de Crash. Ou talvez a explicação para essa familiaridade seja ainda mais simples: Super Lucky’s Tale é MUITO bom.

De forma resumida, os comandos envolvem pular sobre os inimigos, acertá-los com a cauda, rolar e cavar túneis. É muito fácil se acostumar com eles. Os gráficos são de um colorido vívido que fica perfeito rodando a 4k no novíssimo Xbox One X. A propósito, o título em 3D será lançado no mesmo dia que o poderoso console, em 7 de novembro de 2017. Seguindo a prática adotada pela Microsoft na nova geração, ele também ganhará uma versão para Windows 10.

Super Lucky’s Tale também agrada quem gosta de exploração nos games. Parte do motivo de meu gameplay ter demorado mais que o previsto foi minha mania de vasculhar todos os cantos do cenário. Descobri caminhos ocultos. Onde não era possível chegar, fiz questão de usar a câmera para dar uma boa olhada. Acredite em mim, o visual é tão fascinante que você também vai querer reservar um tempinho só para olhar ao redor de Lucky. Aliás, aproveite para tentar localizar as cinco letras que formam o nome do personagem, ganhando uma vida extra. Tipo como acontecia com Donkey Kong.

Mas, apesar da breve comparação, vale ressaltar que Lucky tem originalidade e carisma próprio. Conversei com Shawn Ketcherside, da equipe responsável pelo jogo, e ele contou sobre como surgiu a ideia. “Nós queríamos fazer um mascote que realmente gostássemos e assim nasceu esta raposa fofinha e bastante expressiva. A alegria é uma característica do personagem”, contou.

De acordo com Shawn, o time está preparando várias fases e não tem como precisar agora a quantidade de horas de gameplay que a versão final terá, mas os jogadores podem esperar fases especiais em que pulos superprecisos serão fundamentais. Assim como mostrado na demo, outras boss arenas vão aparecer no decorrer do jogo e ao longo da narrativa o jogador conseguirá desbloquear novas coisas para fazer. Uma das dúvidas é sobre o que fazer com as moedas que serão coletadas nas fases. Atualmente uma certa quantidade delas adiciona uma vida extra, mas o time da Playful pensa em talvez implementar novas funções, como a possibilidade de também usá-las para destravar colecionáveis in-game. “Vamos oferecer o melhor conteúdo que temos”, frisou.

 

Jogamos: Sonic Forces empolga, mas segue fórmula 3D do ouriço

Um dos games que eu mais queria jogar nesta E3 2017 tem nome e sobrenome: Sonic Forces. A nova aventura do mascote da Sega foi anunciada no ano passado em meio a bastante expectativa, após o fiasco de Sonic Boom: Rise of Lyric. Veja abaixo o que achamos, na edição do game para o PS4. Não deixe de ler também nossas impressões sobre Sonic Mania.

Demo: modos e fases

Ao iniciar a demonstração, é possível escolher entre Sonic, Classic Sonic e sua criação. O primeiro traz a versão moderninha do mascote (em uso desde Sonic Adventure) em um estágio parte 3D, parte 2.5D: a mesma cidade pegando fogo do trailer do jogo. O segundo vem com a edição clássica do ouriço em uma fase 2.5D mais confronto com Eggman. Já a terceira opção permite ao jogador controlar um personagem customizado. Sim, na versão final do jogo será possível criar o seu herói e jogar com ele!

Nossas impressões

Testamos o título com Sonic e Classic Sonic. Ambos lembram bastante as mecânicas de Sonic Generations. O primeiro, mais moderno, foi o que chamou mais atenção – seja pelo visual, seja pelo apelo do herói. Jogar com ele lembrou bastante Sonic Heroes no que diz respeito ao level design e à velocidade, além de Sonic Lost World com relação à jogabilidade.

É perigoso vender Sonic Forces como uma revolução na série, simplesmente porque nada mudou tanto assim. As referências que mencionamos acima (Heroes e Lost World) influenciam bastante o novo game e todos eles foram desenvolvidos pelo Sonic Team, o estúdio principal da série. Há quem ache Lost World morno – não é o meu caso – mas Heroes é cercado por elogios. Logo, se você é um fã deles, há vários motivos para aguardar o lançamento de Sonic Forces.


Sonic Forces será lançado em 2017 para Switch, PS4, Windows e Xbox One. Continue acompanhando a nossa cobertura da E3 no site e redes sociais do BitBlog!

Ubisoft na E3: veja aqui todos os anúncios da conferência

Em 2016, a conferência da Ubi foi bastante diversificada. Anunciou o primeiro game third-party do Switch, além de surpreender com uma nova franquia (Steep) e trazer mais das suas principais séries. No decorrer da feira, curtimos alguns dos destaques: For Honor, Steep e Eagle Flight VR.

O BitBlog foi convidado mais uma vez para cobrir o evento da publisher e, dessa vez, esperamos novamente algo bem variado. Foi o que aconteceu, com direito a várias surpresas! Não incomodou o vazamento semanas antes de Assassin’s Creed Origins e de Mario + Rabbids, crossover do mascote da Nintendo com os coelhos malucos para o Switch. Acompanhe abaixo o que rolou!


Finalmente a Ubi confirma a existência de Mario + Rabbids: Kingdom Battle para o Switch. Eis que Shigeru Miyamoto, criador do mascote, junto a Bill Trinen, surgem no palco representando a Nintendo, batendo um papo com o CEO da Ubisoft, Yves Guillemot. Cena emblemática.

Xavier Manzanares, produtor do jogo, revela alívio por finalmente poder falar do projeto, que já está há mais de 3 anos em desenvolvimento. A mecânica de combate por turnos, usando estratégia é revelada e agrada. Game chega em 29 de agosto.

Hora de Assassin’s Creed Origins. Demo jogável estará presente na feira.

The Crew 2 surge com um trailer cinematográfico. Expandindo para helicópteros, barcos e motos, o game pretende explorar novos ambientes, como selvas e rios, saindo do caos das metrópoles. Inscrições para uma versão beta estão abertas no site do jogo, que será lançado apenas em 2018.

South Park: A Fenda que Abunda Força (sim, esse é o nome do título no Brasil) tem novo trailer. Após o recente adiamento, é prometido para outubro.

Elijah Wood aparece em trailer do inédito Transference, em realidade virtual, aguardado para 2018.

Duelo de piratas! Partidas 5 vs 5 de barcos em alto mar são o tema de Skull & Bones, franquia inédita da Ubi. A direção do vento e muita estratégia devem ser levados em conta para vencer os combates! Público aplaude bastante.

Cantora pop americana Bebe Rexha canta no palco para promover Just Dance 2018, que terá músicas coreanas. Título será lançado para PS4, Xbox One, Switch, Wii U e – acredite – Wii!

South Park: Phone Destroyer será a nova aposta da série cômica no iOS e Android.

Mais uma surpresa. Starlink: Battle for Atlas vai ter combates espaciais e action figures acopláveis ao joystick liberando extras. Será um lançamento de 2018 no Switch, PS4 e Xbox One.

Steep: Road to the Olympics é uma expansão do jogo de esportes na neve. Chega em dezembro.

Far Cry 5 aparece, arrancando aplausos da platéia. O seu visual nunca foi tão realista.

Para fechar, Beyond Good & Evil 2! Quase virou lenda, mas o projeto foi confirmado e teve o seu criador, Michel Ancel (o mesmo de Rayman), se emocionando no palco. Sem mais detalhes revelados, infelizmente!


Obrigado por acompanhar a gente. Abaixo, o vídeo completo da conferência. Siga acompanhando o BitBlog para novos posts sobre EA Play e E3!

Bethesda: veja o que rolou na conferência da E3

Em 2017, cobrimos in loco – pela primeira vez – a conferência da Bethesda. Se por um lado estávamos muito empolgados, por outro, não tínhamos certeza do que mais está por vir. No convite enviado a imprensa, a empresa colocou uma arte que remete um parque de diversões, fazendo menções a The Elder Scrolls, Doom, Quake, Fallout, Dishonored, Prey e dois projetos secretos. E terminou que um espaço similar foi montado no Los Angeles Center Studios, onde cada franquia da empresa representava uma barraquinha de comidas ou bebidas para os jornalistas e convidados.

Todas as franquias mencionadas no convite foram mencionadas, de alguma forma, na apresentação. Veja abaixo um resumo do que rolou na cobertura do BitBlog, que transmitiu ao vivo!

Roda gigante da Bethesda, no meio das atrações, dava o tom divertido que a conferência teria

Roda gigante da Bethesda, no meio das atrações, dava o tom divertido que a conferência teria

A conferência começa com números: desde que a plataforma oficial de mods para Skyrim Special Edition e Fallout 4 foi lançada, mais de 300 milhões de customizações foram lançadas.

Hora de realidade virtual: Doom VFR é anunciado para o PS VR e HTC Vive com cenas de gameplay, fazendo a plateia ir ao delírio. Em seguida, teaser de Fallout 4 VR. Ambos os games estarão jogáveis na feira.

The Elder Scrolls Online ganhará atualização com novos mapas: Horns of the Reach e Clockwork City. Sem data específica revelada, apenas um vago “2017”.

Quanto a The Elder Scrolls Legends, o card game da série, vem aí uma expansão: Heroes of Skyrim adiciona 25 missões e 40 cards, estando disponível a partir de 29 de junho.

Vista do camarote da conferência, de onde fizemos a transmissão do BitBlog

Vista do camarote da conferência, de onde fizemos a transmissão do BitBlog

Trailer de Skyrim no Switch mostra suporte ao amiibo de Link em Breath of the Wild, que habilita a roupa do herói, além do Hylian Shield e Master Sword. Controle por movimentos com os Joy-cons será possível, dando mais realismo a movimentos de ataque e defesa.

Uma aventura complementar a Dishonored 2 vem aí. Dishonored: Death of the Outsider será lançado em 15 de setembro no PS4, Xbox One e Windows em formatos digital e físico. O conteúdo não é DLC, mas stand-alone: você não precisa de Dishonored 2 para jogar.

The Evil Within 2 ganha trailer com a saga de um pai para salvar a filha Lily. É o retorno do produtor Shinji Mikami, criador de Resident Evil. Título será lançado em uma sexta-feira 13, em outubro deste ano!

Quake World Champions é uma competição do famoso game a ser sediada no Texas neste ano, com prêmio de US$ 1 milhão para o vencedor.

Wolfenstein 2: The New Colossus é confirmado, após vazamento horas antes na Amazon. Com lançamento em 27 de outubro, trailer levou os jornalistas e convidados ao delírio. A aventura estará jogável na feira.

Com o encerramento da conferência, Bethesda chama o The Chainsmokers ao palco e libera todo mundo para andar pelo espaço do evento, onde há demos de The Elder Scrolls Online (com a atualização que leva os jogadores a Morrowind), além de comes e bebes. Valeu, Bethesda!


Obrigado por acompanhar a gente. Abaixo, um vídeo que lançamos em nosso Facebook com os bastidores do evento. Siga acompanhando o BitBlog para novos posts sobre EA Play e E3!

Jogamos: Star Wars Battlefront 2 é tudo o que os fãs esperam

O primeiro Battlefront, de 2015, é lindo e tem um multiplayer bastante competitivo. Mas os fãs queriam mais. A ausência de um modo estória foi bastante sentida e a EA mostrou que ouviu os feedbacks. Com isso, Star Wars Battlefront 2 foi anunciado e conta com uma saga entre os episódios VI e VII dos filmes. O BitBlog jogou a demo do game e traz as nossas impressões abaixo. Para ver o que rolou na conferência da EA Play, clique aqui!

Um multiplayer ainda mais envolvente

Já temos algumas informações do modo estória, mas o que nós jogamos na EA Play, em Los Angeles, foi uma demo multiplayer. Em partidas 20 x 20, dois times entram em combate: um exército de clones escolta um gigantesco tanque em direção a um templo, enquanto um grupo de stormtroopers precisa defender a área e explodir o tal veículo. A demo era dividida em três momentos da operação de ataque (ou defesa, dependendo de onde você está).

Pudemos escolher entre quatro classes de personagens: Assault (equilibrados), Heavy Assault (lentos, porém com grande poder explosivo), Officer (mais ágeis) e Specialist (com armas de longo alcance). Cada vez em que acertávamos – ou até mesmo eliminávamos – alguém, ganhamos pontos de combate. Estes pontos podem ser trocados pelo uso de veículos ou heróis (como Rey e Darth Maul).

A demo começou com a câmera invertida e, até conseguir mudar a configuração (em meio ao tiroteio), perdi algum tempo. Com a configuração ok, fui razoavelmente bem como o Specialist, até descobrir o critério do ranking no final da partida: não apenas quem morria menos e eliminava mais oponentes, mas também quem ganhava mais pontos. Mesmo na zona intermediária do placar no que diz respeito aos dois primeiros critérios, quando veio a questão dos pontos, fui parar lá no fundo! Triste fim.

A partida foi bem equilibrada e o mapa selecionado para a demo foi uma escolha acertada. O uso de habilidades secundárias estava lá e também trouxe valor para a experiência.

Resumo da ópera

Agressivo para iniciantes, Battlefront 2 premia os jogadores mais experientes com os mapas, que são grandes e cheios de detalhes. A jogabilidade parece bem natural, exceto pelo comando de aeronaves: para quem jogou a série Rogue Squadron, vai ser difícil se acostumar com os movimentos e curvas. Sim, Battlefront 2 é mais um Battlefield com os personagens de George Lucas no lugar.

O visual é bem realista, dado o poder do motor Frostbite. A trilha orquestrada é exatamente o que se espera de um jogo de Star Wars. A impressão que temos é que o game realmente traz muito conteúdo, com altíssimo fator replay. A notícia de que os DLCs serão gratuitos deixa ainda mais interessante o custo benefício. Resta saber se você está pronto para a curva de aprendizado que o título exige, pois este não é um Titanfall: é uma experiência puramente hardcore.


Star Wars Battlefront 2 chega ao Windows (via Origin), PS4 e Xbox One na primavera brasileira (entre setembro e novembro) de 2017. Siga acompanhando a EA Play 2017 e a E3 2017 aqui no BitBlog, direto de Los Angeles, para mais novidades!

Jogamos: Need for Speed Payback quer ser o mais envolvente

Misturar jogos de corrida com um enredo mais profundo é algo meio polêmico. Poucos conseguiram. Por isso, tanta resistência do público com o anúncio de Need for Speed Payback, que terá um modo campanha com uma pegada meio “cinematográfica”. Experimentamos o game durante a EA Play, direto de Los Angeles. Veja abaixo as nossas impressões – e aqui tudo o que rolou na conferência.

Cinema encontra os games

Tyler, Mac e Jess são jovens que se unem para derrubar um cartel em Fortune Valley. Eles estão dispostos a tudo: perseguições em alta velocidade, piruetas e outras manobras impossíveis arriscadas. Trazer este nível de imersão para os games é algo que muita gente já tentou, sem sucesso. A Ghost Games, em seu terceiro Need for Speed, quer impressionar desta vez e por isso Payback parece tão ambicioso.

Nossas impressões

Sim, Payback é lindo. Usando o poder do motor Frostbite, o game tem os gráficos mais atraentes da série até aqui. Isto ficou evidente na demo que jogamos durante a EA Play, na edição para Windows (com o joystick do Xbox One). O vídeo acima é uma versão reduzida da demo, que levou cerca de cinco minutos, e mostra uma perseguição onde o objetivo, primeiramente, é derrubar carros do cartel The House usando manobras e, em seguida, alcançar um caminhão suspeito.

Se o NFS anterior pecou pela falta de um modo offline, Payback quer ir na direção oposta e trazer o multiplayer online como uma espécie de bônus. Infelizmente, a demo foi muito curta, mas já dá pra elogiar os controles precisos e o visual. A impressão que tivemos é que a galera de Payback teve fortes influências de Velozes e Furiosos e da série Burnout para desenvolver o jogo, já que este é o NFS mais “explosivo” que me recordo. Resta saber se, com longas jogatinas, o título seguirá interessante e o enredo envolvente.


Need for Speed Payback chega ao Windows (via Origin), PS4 e Xbox One em 10 de novembro de 2017. Siga acompanhando a EA Play 2017 e a E3 2017 aqui no BitBlog, direto de Los Angeles, para mais novidades!

EA Play: veja o que rolou na conferência da EA

Repetindo 2016, a EA optou por não participar da E3 propriamente dita, tendo o seu próprio evento (EA Play) acontecendo na mesma semana. Transmitimos a conferência ao vivo direto do Hollywood Palladium aqui no BitBlog. Veja o que rolou abaixo e, já adiantando: fiquem de olho no BitBlog, porque teremos posts sobre os games que experimentamos no decorrer da semana!

Rua do Hollywood Palladium, onde rolou a EA Play.

Rua do Hollywood Palladium, onde rolou a EA Play. No início da manhã, horas antes do evento, as filas quilométricas ainda não existiam

  • Andrew Wilson, CEO da EA, surge para fazer uma introdução ao evento. Menciona que a EA lidou com feedbacks do público, especialmente após Star Wars Battlefront (o de 2015) ter vindo sem modo estória, e que a empresa leva em consideração tais opiniões.
  • Andrew Gulotta, produtor de Battlefield 1, anuncia mapas para junho e julho, além de um grande DLC em setembro com oito novos mapas relacionados à Primeira Guerra Mundial. Patrick Sordurland anuncia um modo para o fim do ano que vai permitir partidas com grupos menores de jogadores.
Andrew Wilson, CEO da EA, abrindo o evento

Andrew Wilson, CEO da EA, abrindo o evento

  • FIFA 18 vem com tudo. Um trailer no telão é exibido, destacando Cristiano Ronaldo (capa no jogo). Em seguida, um vídeo bem-humorado que anuncia o retorno de Alex Hunter e seu modo The Journey no título deste ano.
Centenas de jornalistas do mundo todo durante a conferência

Centenas de jornalistas do mundo todo durante a conferência

  • Marcus Nilsson, produtor executivo de Need for Speed Payback, fala do modo estória do game, que envolve a perseguição a um cartel. Novas possibilidades de personalização serão destaque no novo NFS, permitindo “tunar” até mesmo veículos antigos, como um Fusca.

  • A Way Out é anunciado como o novo jogo indie a receber investimento do programa EA Originals. Josef Fares vem ao palco e fala da liberdade criativa que está tendo com a EA. O jogo terá foco na cooperação: será possível jogar apenas com 2 pessoas, seja online ou offline, mas sempre em tela dividida. Dois protagonistas, Vincent e Leo, terão suas próprias perspectivas do início ao fim. Sai no início de 2018, sem menção a plataformas ainda.

  • A EA fala um pouco do Seed, sua divisão de pesquisa, que vem procurando novas formas de aprimorar inteligência artificial e tornar os projetos da empresa mais realistas.
  • Hora de falar de potência gráfica. Madden NFL 18, em sua versão para o Xbox Scorpio, é prometido como o jogo mais bonito e detalhado já feito pela empresa. Uma nova franquia a cargo da Bioware, Anthem, é anunciada rapidamente em um teaser, com a promessa de mais informações durante a conferência da Microsoft.

  • NBA Live 18 será dois em um: terá partidas em quadras e nas ruas. Demo estará disponível em agosto.
  • EA fala das suas iniciativas de caridade e justiça social e anuncia, para comemorar, que o EA Access (no Xbox One), Origin Access (no Windows) e títulos selecionados para o PS4 estarão gratuitos durante toda a semana seguinte.
  • Para fechar, Star Wars Battlefront 2. Janina Gavankar, atriz que interpreta uma das personagens principais, fala um pouco do seu orgulho em participar do projeto e antecipa: o jogo tem três vezes mais conteúdo que o antecessor, passando pelas três eras da saga.
Stormtroopers invadem palco da EA Play 2017

Stormtroopers invadem palco da EA Play 2017

  • O modo estória será situado entre os episódios VI e VII dos filmes. Sistema de classes e evolução de personagens e armas deixam o título ainda mais profundo. DLCs pós-lançamento do título serão todos gratuitos!
  • Personagens como Darth Maul, Rey e Han Solo serão jogáveis. Primeira partida multiplayer (oficial) do jogo acontece ao vivo, em times de 19 pessoas cada, embora na versão final seja 20 x 20.
Primeira partida multiplayer (oficial) de Battlefront 2 foi na EA Play, com dois times de 19 pessoas

Primeira partida multiplayer (oficial) de Battlefront 2 foi na EA Play, com dois times de 19 pessoas

É isso! Obrigado por acompanhar a gente. Abaixo, um vídeo que lançamos em nosso Facebook com os bastidores do evento. Siga acompanhando o BitBlog para novos posts sobre EA Play e E3!