Conheça a ESC, startup focada em publicidade segmentada

Conheça a ESC, startup pernambucana focada em publicidade segmentada

“A gente gosta de gente interessante e com conteúdo. Por que com as marcas seria diferente?”

Partindo desta premissa, uma nova startup pernambucana começa a despontar no mercado como o elo entre agências, marcas e produtores de conteúdo. A ESC, abreviação para Egg Smasher’s Club, chegou a ficar entre os 13 empreendimentos finalistas da pré-seleção para a primeira rodada de aceleração da Jump. A ferramenta está aberta ao público desde 10 de junho e, segundo seus criadores, já conseguiu uma base de 2 mil usuários registrados sem investimento em divulgação.

O BitBlog conversou com o publicitário Zé Moreira, 28 anos, um dos sócios da startup e idealizador do negócio. Ele conta que sempre trabalhou com agências e percebeu que elas tinham dificuldade em achar pessoas que produzissem conteúdos específicos para certas marcas. “Reconheço que mídia programática é importante e dá resultado, mas muita gente esquece da mídia segmentada, que oferece audiência engajada. Ela é uma estratégia complementar, que foca marketing de relacionamento e marketing de conteúdo”, pondera o publicitário.

Para dar um exemplo prático do problema que a ESC propõe resolver, imagine que um publicitário entende muito de moda e produz conteúdo sobre o assunto com eficiência, mas no momento ele trabalha em uma agência em que não atende nenhum cliente no segmento. Ao mesmo tempo, outras agências ou marcas sentem dificuldade em encontrar profissionais que atuam nesse ou em outros nichos específicos. O mesmo se aplica a veículos de comunicação, como blogs e podcasts. Às vezes eles têm um público-alvo muito regional e, por conta disso, não possuem divulgação massiva e passam batido por marcas e agências. Entretanto, anunciar nesses meios pode trazer mais resultados para uma empresa que mire esses nichos.

O desafio é reunir todo mundo em uma plataforma para maximizar os resultados da relação oferta/demanda. A ideia surgiu em dezembro do ano passado e começou a sair do papel no início deste ano. Foi nesta época que Zé Moreira se juntou a seu atual sócio, Victor Luna, que é da área de tecnologia da informação e assumiu a supervisão técnica do projeto. Um designer e um front end prestaram serviço à startup e ajudaram no desenvolvimento.

Após validar a ESC com um grupo menor, a plataforma foi aberta ao público no dia 10 de junho. A dupla planeja faturar cobrando uma comissão de 7% por transação realizada dentro da ferramenta. De acordo com o publicitário, já foram fechados cinco jobs e três campanhas. “Como nosso diferencial é apostar na segmentação, o cadastro pede informações como média de pageviews, público-alvo e outras informações importantes para os anunciantes”, explica Zé Moreira, que já estabeleceu uma meta: alcançar 25 mil usuários em seis meses.

Testamos a ferramenta e cadastramos o BitBlog nela, afinal temos espaços comerciais para anúncios e nosso público é segmentado. O site da startup é bem organizado e expõe com clareza a proposta, que realmente faz sentido e atende um problema real. O registro é simples e rápido. Dito isto, sentimos a necessidade de algumas melhorias no design para melhorar a usabilidade no momento da inscrição e validação de um veículo. Poderiam implementar mais campos (opcionais) para que blogs e podcasts descrevam melhor seu produto, área de atuação e comportamento do público. Ao mesmo tempo, a possibilidade de fazer upload de um media kit dá mais liberdade para quem quer “vender seu peixe”.

Agora que falamos nossas impressões, é bom frisar que a startup é muito nova e o produto está disponível há menos de um mês. Com o feedback do público, acreditamos que em breve algumas atualizações vão corrigir problemas pontuais. Soubemos que várias já estão no roadmap dos sócios. Também não conseguimos entender, na prática, o que evitaria agências e produtores de conteúdo de se conhecerem através da ESC, mas fecharem negócio por fora, sem a obrigação de pagar a comissão de 7%.

A resposta talvez fique mais clara com o crescimento da plataforma. Cauteloso ao revelar planos para o futuro, o publicitário Zé Moreira falou que a equipe está desenhando features para monitoramento das campanhas, como widgets e aplicativos. Tudo, claro, integrado à ESC. Uma solução mais completa tornaria mais fácil incentivar que os usuários façam as transações através da startup.

Sobre o desempenho no primeiro edital da Jump, Zé Moreira avalia que o pitch foi muito bom e aguarda o feedback do time da aceleradora. “Só em ter ficado entre os 13 finalistas foi uma conquista. Pode ser que tenham considerado que a startup se encaixaria melhor em uma incubação, já que a maioria dos empreendimentos estavam faturando e nós, não”, analisa.

Ah, e caso vocês tenham ficado curiosos quanto ao nome e marca da ESC, o publicitário também falou de onde surgiu a ideia. “Nas agências, a equipe de criação fica pisando em ovos quando planeja ações para publicidade segmentada. Queremos passar a mensagem de que agora pode meter o pé porque vai dar certo”, brinca.