Reino Unido

Criança gasta mais de R$ 22 mil em jogo para celular

No Reino Unido, uma criança de 7 anos gastou £3.911 em um game para iOS – o equivalente a mais de R$ 22.000. Dessa vez, aconteceu com Jurassic World: The Game, um título onde é possível construir parques de dinossauros, além de treinar as criaturas e colocá-las em batalhas.

O garoto Faisall Shugaa gostou tanto do jogo que resolveu comprar Dino Bucks, a moeda virtual do game, para destravar dinossauros e itens mais rápido. De acordo com o pai da criança, foram mais de 65 compras em apenas cinco dias. Em apenas uma hora, gastou-se £1.500 (quase R$ 9 mil).

Após reclamações, a Apple devolveu o dinheiro ao pai, que ficou enfurecido com o acontecimento. “O meu filho não sabia que estava gastando dinheiro. Com apenas sete anos de idade, ele não sabe o valor disso”, relatou. Ele acredita que pode ter acontecido algum erro no sistema e que a Apple deveria ter suspeitado antes.

De qualquer forma, fica o alerta para os pais. É sempre importante saber o que os seus filhos mais jovens estão jogando, para evitar surpresas.

Será que Jurassic World: The Game é tão bom assim? Vendo o trailer, pelo menos, pareceu viciante. Acompanhe:

 

Startup britânica Thread, que ajuda homens a se vestirem bem, recebe US$ 8 milhões de investimento

Thread startup provar roupas

As pessoas gastam dinheiro das formas mais variadas possíveis. Eu sempre achei que cada um de nós, admitindo ou não, tem certa predileção na hora de torrar as economias. Existe a galera que é mais apegada a viagens, a turma que faz questão de toda semana ir para um restaurante bacana e o grupo dos que sentem prazer em investir em mobília e decoração da casa. Desde pequeno, uma coisa que eu nunca tive paciência era entrar em várias lojas do shopping para provar roupas. Não sei se é por conta do meu pragmatismo ou se isso é coisa da natureza masculina. Respeito quem gosta, mas entendo melhor a linha de raciocínio de Steve Jobs e Mark Zuckerberg, que preferiram manter um guarda-roupa com várias camisas iguais para poupar tempo e aplicá-lo em coisas mais produtivas.

Mas por que estou falando disso aqui no blog?

Startup Thread

Uma startup sediada em Londres, capital da Inglaterra, parte da premissa de que muitos homens não curtem esse entra-e-sai de loja para comprar roupas novas. A proposta da Thread é usar inteligência computacional, através de algoritmos, aliada à experiência de estilistas profissionais para sugerir peças. O serviço é gratuito para os usuários e o mais interessante é como tudo funciona: após fazer um cadastro, é preciso preencher um formulário que explora questões como personalidade, preferências e características físicas. Depois, você faz upload de algumas fotos com roupas variadas. Um estilista vai combinar essas informações e, a partir daí, a Thread sugere vestimentas com o seu perfil. À medida em que o usuário avalia se gostou ou não das roupas, o algoritmo vai aprendendo sobre o gosto da pessoa e traz resultados mais precisos. O público feminino, normalmente mais antenado com a moda, também pode utilizar.

Agora, o balde de água fria: o serviço, por enquanto, só funciona no Reino Unido. Mas, nesta semana, a startup recebeu um investimento de US$ 8 milhões do fundo de venture capital Balderton Capital, do qual fazem parte co-fundadores da DeepMind, startup de inteligência artificial adquirida pelo Google. A ideia é utilizar o dinheiro para expandir a base de usuários e talvez até operar em novos países.

Será que chega no Brasil?